Como aprimorar seu processo criativo em 4 passos

Como aprimorar seu processo criativo em 4 passos

Você pode estar perdendo – e feio – para uma criança de 3 anos. Segundo a Creative Education Foundation, crianças de até 3 anos costumam usar 98% de sua capacidade criativa, enquanto adultos acima de 30, apenas 2%. Sim, assustador… O estudo aponta que esse triste declínio acontece conforme passamos por experiências negativas ao longo da vida, especialmente no trabalho, quando somos reprimidos e pensamos que devemos nos resignar. E assim vamos envelhecendo cheios de medo de sermos incompreendidos e de parecermos ridículos. Mas o que pode ser mais ridículo do que deixar ideias morrerem? Você precisa é de um upgrade no seu processo criativo. Assim, você não vai mais achar que seu trabalho é engessado, mas que poderia ser diferente, assim você não vai mais guardar ideias que têm chance de ser úteis. Este post é para você tomar coragem de expressá-las (e você não vai mais querer parar).

1. Torne-se uma pessoa “Explicadora”

Pessoas inteligentes são aquelas que acumularam conhecimento como quem acumula moedas. Pessoas criativas, como Einstein, Edison e Picasso, não só acumularam moedas: elas quebraram o cofre e usaram a fortuna. Para se tornarem especialistas no que faziam, elas tiveram de expressar a sua inteligência, de explicar o que eram, o que buscavam, o que haviam descoberto. Só assim, compartilhando, você atinge o que se chama de “fluência de ideias”. Mesmo, e principalmente, se isso significar falar sozinho(a).

Crie o hábito de explicar as coisas para si mesmo(a). Pense no que acontece quando você se senta para assistir a uma palestra do TED. Um(a) grande orador(a) faz uma apresentação inspiradora de 10 ou 15 minutos. Enquanto está ouvindo, você sente que entende tudo a pessoa está dizendo. Se tentar contar para alguém o que aprendeu, você pode acabar se atrapalhando. Para isso não acontecer, tente explicar aquilo a si mesmo(a). Afinal, ser um(a) Explicador(a) é ser capaz de resgatar ideias na memória, conectá-las e, enfim, compreendê-las. E o que seria o processo criativo senão a associação, a conexão entre boas ideias?

2. Pratique a abertura de pensamento

Não tem segredo. Pode ser doloroso, mas você precisa estar aberto(a) a tentar algo novo, a experimentar trajetos inéditos para o trabalho, ritmos peculiares de música, comidas que chama de exóticas, destinos pouco procurados. As pessoas mais criativas são as mais abertas. Se você é resistente a novas experiências e conceitos, não quer dizer que você esteja condenado(a) a ser pouco criativo(a). Mudanças de hábito demandam um certo tempo – mas você pode começar com este exercício:

Quando encontrar uma ideia muito nova em um texto, vídeo ou palestra, leia, assista ou escute até o fim, mas não reaja ou julgue imediatamente. Em vez disso, deixe de “molho” por um dia. Use o Pocket para salvar algo que viu na Internet e acessar mais tarde. Quando você voltar ao que guardou, vai se sentir mais familiarizado(a), simplesmente por já tê-lo visto antes. Deixe que essa sensação de familiaridade te ajude a se tornar alguém mais aberto.

3. Nunca pare de questionar

Em outras palavras, pratique o inconformismo. Não assuma que toda informação disponível está no Google e que basta interromper o que está fazendo para encontrá-la, sendo que você poderia, na realidade, absorvê-la, aprendê-la. Se você tiver que interromper o que está fazendo toda vez que precisar de uma solução, nunca estimulará sua criatividade e, pior, nunca terá o prazer de se surpreender com uma ideia brilhante sua.

Mas se lembre de que qualquer ideia brilhante vem da memória, como um carrinho de montanha-russa, desbravando loopings e curvas. E como fazer o carrinho chegar até você? Faça perguntas. Seja questionador(a), até chato(a), de tanto perguntar – mesmo que mentalmente. Pois quanto mais questões você formular para tentar resolver um mesmo problema, quanto maior o número de perspectivas pelas quais você olhar, maior será sua chance de encontrar a solução criativa para ele.

4. Tenha menos medo de improvisar

Existir não tem script. Você não pensa em cada mínima atitude que toma durante o dia. Você tem de se virar e é justamente assim que você faz. Você improvisa o tempo todo, se arrisca a cada vez que abre a boca para dizer algo. Então, por que se boicotar só porque a ideia que teve parece diferente? Tudo o que hoje é trivial, perfeitamente aceito, foi um dia estranhado e, por vezes, rechaçado.

Seu medo de ser incompreendido(a) ou de parecer ridículo não pode ser razão para você não tentar. Toda ideia, por mais brilhante que seja, tem zero chance de dar certo enquanto estiver guardada na cabeça de alguém. Você não tem nada a perder. Se der errado, a ideia continua com as mesmas chances de êxito que tinha antes de ser exposta. E em último caso, se o julgamento alheio ainda te perturba, pense que é preferível ter fama de sonhador do que não ser lembrado.

Uma metodologia de trabalho criativa

Inconformismo é um traço chave dos mais criativos. Portanto, você não pode continuar insatisfeito com uma metodologia de trabalho ultrapassada apenas porque é tradicional. Inovadores que são líderes precisam gerir suas equipes. Isto quer dizer investir na simplificação da forma como o time trabalha e se comunica, incluindo diminuir e-mails, reuniões e dando prioridades às demandas mais importantes. Com o Runrun.it, você pode fazer tudo isso e acompanhar o desempenho da sua empresa por meio de relatórios automáticos de produtividade. Tem interesse? Comece grátis agora: http://runrun.it

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>