Como resgatar a motivação no trabalho em 4 passos

Como resgatar a motivação no trabalho em 4 passos

“Quem é que gosta de segunda-feira?” Se você se identifica com essa frase, ou conhece alguém que sim, ainda bem que te encontrei. Acredite: a frieza entre as pessoas em relação à empresa, ou a sensação constante de que seu salário é injusto, não necessariamente depende da simpatia natural (ou falta dela) pelas pessoas ou das cifras recebidas mensalmente. O fato é que a motivação no trabalho se perde quando os colaboradores se sentem subaproveitados, cerceados em suas decisões e estéreis dentro da corporação.

Ao gestor, cabe descobrir se cada um saberia explicar o que faz e por quê. Jamais como um desafio, mas durante um bate-papo, começando pelo sentido (para onde vamos) e o caminho (por onde vamos) do trabalho. E se ele não sabe, é função do gestor guiá-lo. Confira quatro dicas para melhorar ou mesmo resgatar a motivação da sua equipe pelo trabalho:

1. Qual o sentido?

Imagine que você abriu a sua empresa, seja pela liberdade de construir uma vida melhor para você e para quem você ama, para ajudar pessoas ou para deixar o mundo melhor do que encontrou. O que te move são esses objetivos maiores, não uma rotina em que metas são batidas. É isso o que liga a noite de domingo à manhã de segunda. Ajude seus colaboradores a entender seus papéis dentro do quebra-cabeça da empresa.

Muitas equipes procrastinam porque não acham que há mal em adiar certas tarefas, por isso, você deve explicar a cadeia necessária para atingir os grandes objetivos. Propor metas para incentivar a participação dos colaboradores pode ser recompensador, mas só depois que cada um descobrir seu valor, sua diferença dentro da empresa. E se não há valor a ser descoberto, só simples repetição que qualquer um pode cumprir, mude a direção.

2. E qual o caminho?

Bem como Stanislavski diz do teatro: não há peças pequenas, mas pequenos atores. O trabalhador subaproveitado vê a empresa como um espaço entediante, egoísta e que paga mal. E só pode existir uma razão para isso: a falta de transparência. Desde tarefas sendo delegadas por todos e para todos, embaralhando a concentração e os prazos, até a falta de prioridade para a realização de tarefas e relatórios sendo mantidos em sigilo. A comunicação é a forma de trabalhar mais promissora, senão a única efetiva.

Uma dica: estimule que as pessoas trabalhem dentro de uma jornada padrão – de oito horas. Assim, elas passarão a entender a importância da família, estudos, amigos e hobbies e a trabalhar melhor porque enxergam que a labuta também é parte importante de seu cotidiano, mas não todo ele. Outro ponto importante: pequenas e médias empresas têm atraído jovens interessados em adquirir experiência em diferentes áreas do mesmo negócio, já que a equipe é mais enxuta. Crie um plano de carreira para eles e estenda esse modelo de gerar novas experiências para todos os profissionais.

3. O que importa?

Até mais do que os contentes, colaboradores desanimados contagiam a equipe, evidenciando seus problemas em relação a outros colegas, ao chefe e às políticas da empresa. Não são raros os almoços em que a insatisfação com o trabalho é pauta principal. Para resolver, identifique-os e chame para uma conversa. Preste atenção ao que dizem, como dizem e analise o que você pode fazer instantaneamente (nem sempre a solução estará em suas mãos). Inaugure uma política de trabalho mais aberta, que permite ouvir, estudar e acatar algumas sugestões, seja em pequenas ações cotidianas ou na mudança de processos de trabalho estabelecidos.

Aceita uma dica? Patrocine a qualificação dos seus colaboradores em sua área, indicando leituras, exercícios ou bancando cursos. Ou, convide sua equipe para um almoço informal – já pensou como uma grande amizade pode ter sido desperdiçada por falta de contato? Não é só sobre beber ou comer juntos, mas sobre conversar sem tensão, aconselhar e ser aconselhado, e descobrir histórias e desejos em comum. Isso empolga.

4. E o que mais motiva?

A confiança entre chefe e colaborador é um ganho muito grande, mas só vai sobreviver se houver reconhecimento e recompensa pelos sucessos. Se você motiva alguém a tomar certas atitudes, mas não reconhece quando são atingidas, ao retornar com uma nova meta, você encontrará um colaborador cansado e chateado. Sua equipe deve vir até você para recarregar as baterias, não para ser drenada. O mantra é: reconhecer o passado para ser reconhecido no futuro.

 

Use o Runrun.it para salvar e organizar todos os projetos da equipe em listas de tarefas por ordem de prioridade. Um só sistema para toda a equipe ficar mais próxima e bem informada, e que ainda oferece relatórios gerenciais automáticos. Para mais motivação no trabalho, experimente grátis: http://runrun.it

trabalho-colaborativo-gif-CTA

 

Você também pode gostar de ler:

 

4 thoughts on “Como resgatar a motivação no trabalho em 4 passos

  1. Um artigo muito bom com um alto nível de enriquecimento cultural aos colaboradores e aos gestores, não existi uma empresa sólida sem a unidão dessas duas forças.

    Gestores esquecem que um dia foram colaboradores e colaboradores esquecem que serão os gestores de amanhã.

    Parabéns pelo artigo.

    1. Saulo, esta sua afirmação “Gestores esquecem que um dia foram colaboradores e colaboradores esquecem que serão os gestores de amanhã.” é excelente. Muito obrigado pela leitura e o comentário. Continue seguindo nosso trabalho e compartilhando sempre que possível. Abraço

    1. Danielly, meta cumprida! O artigo chegou até você e agora acredito que mais uma empresa poderá construir um ambiente mais motivador para sua equipe. Obrigado pela consideração. Um abraço

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>