Gestão estratégica de pessoas: Tudo que você não pode fazer

Gestão estratégica de pessoas: Tudo que você não pode fazer

Christine Porath tem uma profissão bastante dramática: estudiosa da indelicadeza. Por isso, ela decidiu entender melhor a grosseria no ambiente de trabalho e, depois de entrevistar mais de 600 pessoas de 17 indústrias, chegou aos números. Mais da metade das pessoas justificava sua indelicadeza porque tinham trabalho demais para fazer, e mais de 40% explicaram que não tinham tempo para ser agradáveis. Essas desculpas fazem sentido para a sua falta de cortesia? Então veja como você não pode se comportar se quiser provar que sabe tudo sobre gestão estratégica de pessoas:

As 10 maiores grosserias dos chefes, segundo a equipe

1. Interromper as pessoas
2. Ser crítico com quem é diferente
3. Prestar pouca atenção ou mostrar pouco interesse nas opiniões alheias
4. Ficar com tarefas mais fáceis e deixar as difíceis para os outros
5. Não repassar direito as informações necessárias
6. Não pedir “por favor” nem dizer “obrigado(a)”
7. Falar com superioridade para tentar convencer
8. Querer levar todo o crédito por um trabalho
9. Xingar
10. Pôr os outros pra baixo

Seu/sua chefe também comete alguma dessas indelicadezas? Aproveite e faça o teste para descobrir se você é liderado(a) por um(a) líder, chefe ou mala. Agora, se você é chefe, veja se você faria o que estes chefes fizeram, ou ainda, se você se enxerga em algum desses casos:

As 10 maiores grosserias dos chefes, segundo eles mesmos

1. Ficar alienado no celular
2. Usar uma linguagem técnica mesmo que isso exclua outras pessoas
3. Ignorar convites
4. Ser crítico com quem é diferente
5. Ficar com tarefas mais fáceis e deixar as difíceis para os outros
6. Não ouvir e não prestar atenção nos outros
7. Mandar e-mails ou SMS durante as reuniões
8. Tratar as contribuições das pessoas como óbvias ou inúteis
9. Menosprezar com a linguagem corporal
10. Não pedir “por favor” nem dizer “obrigado(a)”

É mais grave do que parece

De acordo com Christine Porath, a indelicadeza também desfoca. Numa pesquisa com mais de 4.500 médicos, enfermeiros e outros funcionários de hospital, 71% apontaram a conduta abusiva, arrogante e ofensiva como causa de erros médicos, e 27% associaram a grosseria à morte de pacientes.

Em outro estudo, os grupos que foram menosprezados tiveram 33% mais erros ao resolver enigmas com palavras e deram 39% menos ideias criativas durante um brainstorming sobre como poderiam usar um tijolo, em comparação com quem havia sido tratado de forma respeitosa.

Na sequência, foi feito um segundo estudo, em que uma professora era rude com os participantes que a interrompiam. O desempenho dessas pessoas foi 61% pior nos enigmas com palavras, e trouxeram 58% menos ideias no brainstorm do tijolo.

Além dessas descobertas, as professoras Deborah MacInnis e Valerie Folkes da Universidade do Sul da Califórnia constataram que as pessoas estão menos inclinadas a patrocinar uma empresa se um colaborador é rude, mesmo que com outros colaboradores e não com elas.

Agora que você sabe o prejuízo de ser indelicado(a), deve estar disposto(a) a rever sua postura. Em suma, você sempre estará diante de um júri, tendo de escolher um dos caminhos: deixar uma pessoa pra cima e encorajá-la a ser melhor, ou colocá-la pra baixo e fazê-la se sentir descartável?

Se você acha que já passou da hora de desenvolver sua gestão estratégica de pessoas e sua relação com a equipe, conheça o Runrun.it. A ferramenta online adotada por mais de 100 mil empresas do mundo, capaz de tornar o diálogo mais transparente, eliminar as demandas informais e reconhecer o time por sua produtividade e interação. Quer ver como? Teste grátis o Runrun.it

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>