O Pokémon GO salvou minha equipe do Clash Royale

O Pokémon GO salvou minha equipe do Clash Royale

*Post escrito por Franklin Valadares, CTO e co-fundador do Runrun.it, originalmente publicado no Linkedin.

Em minha empresa anterior, desenvolvíamos aplicativos para smartphones. Eram sistemas para grandes empresas, disponibilizados nas lojas como peças de marketing ou ferramentas de relacionamento entre essas marcas e seus clientes. A uma certa altura daquela empreitada, fiquei curioso em relação ao mundo dos games para celular. Existiam exemplos de sucesso no mercado brasileiro como a “Best Cool and Fun Games” (genial o SEO no nome, não?). Então me propus um desafio: criar um game em 10 dias úteis, usando apenas frameworks como o GameSalad. Chamei um dos designers da empresa e criamos um game para o programa Pânico na TV, “Afogando o Ganso”. Um tremendo naufrágio.

Aquela curta experiência aguçou minha curiosidade sobre o que havia por trás dos games de sucesso. Mesmo aqueles mais efêmeros, como o “Ant Smasher”, o app de matar formigas que gerou uma boa grana em publicidade móvel na época. Tentei achar estudos que pudessem me indicar algum caminho. Mas, quanto mais lia, mais aleatório me parecia o mercado. Claro, existiam empresas que criavam plataformas white-label, para outras marcas, transferindo o risco do sucesso para os orçamentos de marketing de grandes empresas. Mas eu estava interessado no sucesso do game B2C, aquele que levava milhares de jogadores a dedicar horas e horas a matar formigas virtuais.

Acabamos vendendo nossa empresa de aplicativos para celular e decidi me dedicar ao que vinha fazendo desde o início da minha carreira: criar e gerenciar equipes de alto nível. Investi na Runrun.it de corpo, alma e bolso. Contratei pessoas inteligentes, capazes e focadas. A dedicação sempre foi vista a cada pingo de suor, a cada nova feature lançada, a cada grande cliente satisfeito. Até que, certo dia, notei uma parte desses colegas de empreitada mais interessados em seus celulares do que o normal. Investigando um pouco mais, pimba: Clash Royale storm! Um joguinho de “rouba-bandeira” entre monstros, dragões e feiticeiros. Confesso que até eu entrei na jogada, literalmente. Viciante! E, como todo vício, com consequências ruins no trabalho.

Estava sendo uma luta fazer com que a turma envolvida na onda do Clash Royale entendesse que o escritório não era o lugar mais adequado para aquelas batalhas. Pelo menos não enquanto todos os outros colegas se matavam para entregar o sprint. Porém, no último fim de semana, assistindo a alguma disputa olímpica, vi um comercial do Marcelo Adnet vendendo Clash Royale na TV. Senti um certo alívio. Geralmente, quando uma empresa está gastando fortunas em comerciais de TV é porque o produto teima em não bater as metas.

Na manhã seguinte, esbarrando com colegas com celular em punho, olhando para mapas verdes e jogando bolinhas virtuais em bichos de estimação de borracha, notei que havia uma nova onda. Ninguém mais comentava sobre o deck de cartas para derrubar torres do Clash Royale, mas em como treinar seu Pikachu. É, acho que minha equipe está salva da onda anterior, mesmo que seja por efeito da onda atual. Pelo menos nessa, é preciso sair do escritório para ampliar a pontuação. Acho que tenho um semestre de paz. Pelo menos até a próxima onda (aleatória) do game da moda.

 

Não conhece o Runrun.it?

7 thoughts on “O Pokémon GO salvou minha equipe do Clash Royale

  1. O problema é que agora eles gastam tempo procurando pokemons dentro do escritórios, resumindo o real problema com produtividade e a desconcentração no trabalho ainda continua. E agora como resolver? Se bloqueia a equipe reclama e se desmotivam, se deixar alguns extrapolam”… ohh vida…

  2. Não sei se passa por isso, mas o grande problema desses jogos atuais são os “especialistas”. Pessoas que, muitas vezes nem conhecem a história e temática do game, travam uma corrida desesperada e para sair na frente do game, apenas para chegar para todos e dizer que tem algo ou chegou a um lugar que ninguém chegou, então após questiona qualquer opinião sobre aquele game, como se um level alto ou posição de destaque no game fosse um titulo de especialista.
    Vemos isso também com o numero de coachs e palestrantes se multiplicando, a cada dia há mais especialistas detentores de uma fórmula mágica e a cada dia mais e mais pessoas brigando e disputando lugar no hall de “especialistas das coisas”.

  3. Boa tarde,

    Ache interessante seu artigo mas gostaria de fazer um aparte a título de crítica construtiva, além de uma dica para futura implementação.
    Considerando que sua equipe também utiliza o runrun.it na execução de suas atividades, pois não imagino algo diferente, não estaria faltando no sistema (runrun.it) algumas artimanhas de incentivos atualmente utilizados nos games? não seria um bom caminho implementar gamificação nos controles de projeto, utilizando-se mecanismos de incentivo para entrega de sprints?

    Fica ai o comentário…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>