Eles chegaram – entenda o impacto da geração Z no mercado de trabalho

Eles chegaram – entenda o impacto da geração Z no mercado de trabalho

O que você vai encontrar nesse artigo sobre a geração Z no mercado de trabalho:

 
É, o tempo voa. Quem nasceu em meados de 95 já está na faculdade ou até pronto para começar a vida profissional. Por isso, é preciso entender muito bem o impacto da geração Z no mercado de trabalho. Também denominados pós-millennials, ou centennials, já que, de acordo com pesquisa da Forbes, em dois anos eles representarão quase 20% da força de trabalho dos Estados Unidos, cerca de 61 milhões de pessoas.

As empresas não podem cair na generalização da geração de “jovens conectados”. Por isso, devem compreender as características e o contexto específico que fazem esses jovens serem capazes de cruzar referências de várias fontes de informação e de integrar experiências virtuais e offline. Não adianta mais focar apenas na geração Y no mercado de trabalho. Agora é outra geração que está chegando ao trabalho.

Você lidera uma equipe? Aprenda 3 lições básicas

 

Ainda mais digitais

Se os millennials já eram conhecidos por serem “digitais”, imagine a geração seguinte. Quem nasceu depois dos anos 2000 não teve que se acostumar com o avanço da tecnologia. As inovações simplesmente fizeram parte da sua evolução natural como indivíduo. Os centennials não imaginam um mundo sem wifi ou smartphone, por exemplo.

São da geração do aplicativo, da comunicação por vídeo, da conectividade e da fusão da ficção científica com a realidade. Por isso, adaptam-se facilmente a diferentes plataformas. Na realidade, são mais dependentes de tecnologia para exercer suas atividades.

Entretanto, isso não significa que eles não valorizem o contato cara a cara no ambiente de trabalho. Uma pesquisa divulgada pela Inc. mostrou que 90% da geração Z prefere ter na equipe uma pessoa inovadora, do que, necessariamente, uma nova tecnologia. Além disso, 72% deles preferem se comunicar pessoalmente, já que dois fatores importantes levantados pela pesquisa são: apoio dos líderes e boas relações no trabalho, que podem ser cultivadas através do diálogo.

>> Infográfico: Avanço da tecnologia: as mudanças da última década

Mais sociais

Essa geração já nasceu social. Para se ter uma ideia, de acordo com pesquisa da Socialnomics apresentada neste vídeo, nos Estados Unidos, 92% das crianças já possuem uma “pegada” digital, como um perfil em redes sociais. Eles se sente mais confortáveis em não ter apenas uma única forma de expressar a própria identidade, o que gera mais liberdade e abertura para entender as diferenças de outras pessoas e outras gerações.

>> Leitura recomendada: Como estimular a diversidade cultural nas empresas

Mais “pé no chão”

Os centennials já passaram por alguma recessão. É comum a família ter passado por dificuldade, os pais terem perdido o emprego e vivenciado a instabilidade econômica. Por essas razões, esses jovens combinaram engajamento e busca por inovação da geração Y com uma forma mais pragmática de encarar a vida profissional. A geração Z no mercado de trabalho valoriza a segurança financeira e podemos dizer que são mais responsáveis do que a geração anterior.

Um recente artigo publicado pelo MIT Sloan School of Management comprova essa informação. Ao contrário do que os estereótipos podem te fazer pensar, mesas de sinuca, piscina de bolinhas, salas de meditação e etc. não são levados em conta pela geração Z ao escolher um trabalho.

A pesquisa mostrou que os benefícios mais relevantes para a retenção de talentos são:

  1. 1. Horários flexíveis (88%);
  2. 2. Bônus (77%);
  3. 3. Plano de saúde (69%);
  4. 4. Academia ou creche (38%);
  5. 5. Trabalho voluntário durante o expediente (31%).

 

Mais empreendedores

As startups entraram para valer no sonho dos mais jovens. O empreendedorismo e o desejo de ter um negócio deixaram de ser exceção. E tanto suas glórias quanto seus desafios já fazem parte dos planos dos jovens. Então, comparando centennials com millennials, essa nova geração tem 55% mais interesse em abrir sua própria empresa, de acordo com matéria da Forbes. Mas o motivo não é a dificuldade de se encaixar em empresas já existentes, e sim a garantia de independência e sucesso financeiro. Um ponto a favor para o sucesso é que são menos idealistas.

Mais intraempreendedores, também

Uma boa notícia para você é que a geração Z no mercado de trabalho vai resultar em mais intraempreendedores nas empresas. Ou seja, são perfis sonhadores, mas que realizam, tomando a iniciativa e assumindo a responsabilidade por criar inovação de qualquer tipo dentro de um negócio.

Nesse ponto, podemos ressaltar também a importância dos feedbacks para essa geração. Voltando aos dados divulgados pela Inc., 60% da geração Z gostaria de receber várias análises durante a semana, e 40% quer que as interações com os superiores sejam diárias.

Quanto maior for a quantidade desses feedbacks, maiores as chances de retenção desse funcionário. Mas atenção! Esses acompanhamentos devem ser feitos de forma rápida, sucinta e que seja registrada, seja por e-mail ou no seu software de gestão, como o Runrun.it.

>> Leitura recomendada: Indicadores de produtividade e eficiência. Veja como obter.

Tendências de consumo da geração Z

Além de saber como lidar com essa geração no mercado de trabalho, é importante também entender quais são os padrões e as intenções de consumo deles. A McKinsey, em colaboração com a Box1824, realizou um estudo sobre os padrões de comportamento dessa nova geração no Brasil.

A pesquisa analisou dados qualitativos, abrangendo várias classes socioeconômicas, sobre a geração Z em três cidades: São Paulo, Rio de Janeiro e Recife, com o objetivo de entender quais são as visões de mundo deles, intenções e padrões de consumo e como essas características, podem, eventualmente, afetar as dinâmicas atuais.

Dentre os resultados podemos destacar que:

  • Eles buscam a verdade;
  • Valorizam a expressão individual;
  • Evitam rótulos;
  • São defensores de diversas causas;
  • Dialogam para resolver conflitos;
  • São analíticos e pragmáticos.

 

Essas características nos trazem três implicações na forma com que a geração Z enxerga o consumo:

  1. 1. Como acesso, e não posse;
  2. 2. Como expressão da identidade;
  3. 3. Em apoio a uma causa.

 
Essas tendências de comportamento não são exclusivas dos centennials, se espalhando para as outras gerações e lançando desafios para as empresas, que precisam repensar como elas estão agregando valor ao consumidor, como reestruturar a escala de produção para equilibrar personalidade e itens de massa, e mais importante: praticar, de forma coerente,o que é pregado nos discursos de marketing.

O que esperar da geração Z no mercado de trabalho

Mas, para que esse perfil da geração Z se encaixe na sua empresa, ou melhor, se encante por ela, existem alguns pontos importantes que você precisa considerar:

O propósito deve estar claro (e ser praticado)

Em um artigo recente aqui no blog, listamos três razões para o sucesso de empresas com propósito. Das três, duas razões estão relacionadas com a postura da geração Z no mercado de trabalho.

Primeiro, empresas com propósito se saem muito bem com planejamentos a longo prazo. Afinal, buscam um objetivo maior que contribui para nortear todas as suas ações. Mas o que encanta a nova geração não é o resultado a longo prazo, mas o propósito em si, como vemos nas duas razões seguintes. São elas: a capacidade de atrair talentos e a motivação perene.

O profissional da geração Z no mercado de trabalho não escolhe emprego apenas pela proposta comercial ou possibilidade de crescimento na carreira. Para essa pessoa, pesa muito qual é a razão da existência da empresa. E uma vez dentro da companhia, o propósito dá uma força extra para trabalhar melhor. Porque esse norte sempre irá fazer o talento da geração Z levantar da cama disposto a fazer a diferença na empresa. Por isso, defina e comunique claramente o seu propósito para montar o melhor quadro de colaboradores.

Abra espaço para a inovação

A geração Z é ultra conectada, criativa e não está em busca apenas de autoafirmação. Afinal, eles são mais práticos que os millennials. Essa combinação é um combustível poderoso para olhar os problemas sob uma nova ótica e gerar soluções disruptivas. Então, aproveite essa característica e permita que os diferentes núcleos da empresa reconheçam o poder da geração Z no mercado de trabalho. Fazendo isso, além de atrair os talentos, você poderá incorporar o que eles podem trazer de melhor para a sua operação.

>> Leitura recomendada: Os mistérios da criatividade e inovação nas empresas

Faça o melhor uso da tecnologia nos seus processos

Para atrair e reter uma geração tão digital, nada como tecnologia. Jovens com facilidade de absorver novas ferramentas precisam de uma estrutura à altura. Com uma plataforma inteligente de gestão do trabalho como o Runrun.it, é possível automatizar tarefas corriqueiras e desburocratizar o fluxo de trabalho.

Além de melhorar os processos, você pode ir além e munir esses profissionais com dados e metas para engajá-los em torno dos objetivos, implementando uma gestão à vista. E para a sua empresa, é possível colher informações valiosas, como por exemplo a gestão de horas trabalhadas.

Com o Runrun.it, o seu negócio se torna mais estratégico, porque os dados impactam tanto o trabalho dos colaboradores quanto dos líderes. Por um lado, os funcionários podem aplicar de forma consciente sua energia, de acordo com as prioridades da empresa. Por outro, os gestores têm uma análise em tempo real do que está acontecendo e o que pode acontecer. Tudo em um Dashboard inteligente.

Ofereça a infraestrutura necessária para receber a geração Z no mercado de trabalho. Mais do que isso, crie um ambiente que permita a esses novos profissionais mostrarem o seu melhor. O Runrun.it proporciona uma gestão com mais foco e comunicação transparente entre gerações. Faça um teste grátis: http://runrun.it

trabalho-colaborativo-gif-CTA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>