Muito além das palavras: dicas de linguagem não verbal para você passar sua mensagem com mais eficiência

Muito além das palavras: dicas de linguagem não verbal para você passar sua mensagem com mais eficiência

Se você pensar bem, a mímica é uma verdadeira arte. O ato de se expressar sem palavras requer muito treino, muita prática, para que seja realmente efetivo, comovente. Mímicos entendem como ninguém aquela máxima segundo a qual “o corpo fala”, e dominam recursos de linguagem não verbal para transmitir uma mensagem bem específica para a audiência. E você, como alguém que (provavelmente) vive participando de reuniões e compromissos corporativos – onde esses recursos fazem diferença -, pode aprender muito com eles.

Por isso, vamos trazer dicas para que seu corpo se expresse da melhor forma possível sem recorrer a palavras – ou, ainda, complementando-as. Afinal, seus gestos e trejeitos podem ser mais eloquentes do que aquilo que você diz.

>> Infográfico: Guia para reuniões produtivas

Apesar da tecnologia, a linguagem não verbal continua fundamental

Hoje em dia, temos muitas formas de comunicação digital. Uma pessoa pode passar dias, semanas, meses conversando com todo mundo que conhece, mas sem encontrar-se pessoalmente com ninguém. No entanto, quando esses encontros ocorrem, a linguagem não verbal exerce papel fundamental.

Isso é ainda mais verdadeiro no ambiente corporativo. Certos “rituais” – como abrir e fechar portas, apertos de mãos, comportamento gestual em almoços de negócios, dentre vários outros – dizem muito sobre uma empresa, sobre seus gestores. E, para você se comunicar com mais eficiência, é fundamental prestar atenção aos sinais enviados pelos seus interlocutores.

Como perceber se sua linguagem corporal está funcionando?

Pensando no momento em que a linguagem não verbal é mais importante, ou seja, em reuniões, existem algumas formas de constatar se o seu público ou os seus colegas estão pegando sua mensagem. As dicas são do portal FastCompany. Olha só:

1. Público na mesma sintonia

Uma forma de verificar se sua audiência “embarcou” na sua comunicação é o fato de ela reagir à sua apresentação como uma unidade, coesa. Todo mundo parece focado no mesmo conteúdo – sua apresentação. Mas isso só é possível se o público estiver totalmente sintonizado no mesmo sinal.

2. As questões são relevantes

Outra forma de verificar se você está conectado com seu público é por meio das questões levantadas. Elas estão dentro do assunto? Ótimo. Porque não há nada pior do que questões que desviam do conteúdo, que não têm muito propósito – e é o que acontece quando a apresentação não foi tão bem sucedida.

3. Não há interrupções

Pode parecer evidente, mas não custa relembrar. Ter poucas ou nenhumas interrupções (que não se relacionem a perguntas, claro) é um tremendo indício de que a apresentação está indo bem. Então, se ninguém do seu público se manifesta até o momento em que você abre possibilidades para isso, é bem provável que sua mensagem está sendo recebida com sucesso.

Os segredos para se transmitir confiança

Se o seu público não está conectado, vale retomar algumas regras básicas da linguagem não verbal. Carol Goman, autora do livro The Silent Language of Leaders (A linguagem silenciosa dos líderes, em tradução livre) traz dicas nesta matéria do iG. Ela extrai, da mímica, alguns aprendizados. Resumimos aqui alguns pontos para que o corpo transmita confiança:

1. “Superpose”

Pode parecer absurdo, mas a especialista garante que funciona: chegue com antecedência ao local da reunião (ou de qualquer outro compromisso corporativo importante). Quando estiver na baia, ela recomenda que você faça uma pose de super-herói, “com as mãos no quadril e as pernas afastadas e permaneça dessa maneira por dois minutos”.

Para defender a prática curiosa, Goman cita pesquisas que mostram que isso “aumenta as taxas de testosterona, que nos fazem sentir mais confiantes e diminui o hormônio cortisol (responsável pelo estresse)”.

2. Nada de celular

Seja na espera de uma entrevista ou de uma reunião, Goman recomenda que você resista à tentação de pegar o celular e mexer nele. Porque isso poderá destruir os benefícios da “superpose”.

3. Sorriso da Mona Lisa

Ela cita uma pesquisa da Universidade de Glasgow que aponta que nosso cérebro leva apenas 200 milissegundos para interpretar e julgar o rosto de uma pessoa. Portanto, qualquer demonstração de preocupação ou dúvida poderá ser percebida pelo interlocutor ou pela audiência.

Com isso em mente, a especialista afirma que a melhor maneira de começar uma entrevista é com um sorriso sutil, como aquele da musa de Leonardo da Vinci. E o sorriso deverá ir aumentando ao longo da conversa, o que sugere que seus interlocutores te agradam.

4. Estabeleça contato físico

Ainda que não valha tanto para reuniões, esta dica é fundamental para todas as outras ocasiões. Porque o toque é a mais primitiva e poderosa ferramenta de linguagem não verbal.

Desde o começo: o aperto de mãos firme e os olhos nos olhos poderão convencer de que você é alguém de confiança. “Encarar na medida correta é importante. Mas claro que não querermos passar uma sensação de psicopata ou stalker”, brinca Carol Goman. De acordo com ela, o oposto é mais perigoso: desviar o olhar, encarar o chão, tudo isso pode dar a impressão de que você tem algo a esconder.

Outra dica interessante é a de se certificar de falar o nome dos interlocutores. “Há uma palavra que amamos ouvir dos outros: nosso nome. Quando você ouve seu nome, o centro de recompensa do cérebro se ilumina”, explica.

5. Faça como os italianos

Dica fundamental para reuniões: “italianize-se” e use as mãos. A gesticulação ajuda na produção do discurso e a eliminar expressões como “hmm, é…, tipo”. No entanto, não exagere e mantenha os movimentos de maneira relaxada para não demonstrar o oposto, de que você está fora de controle. Uma boa forma é filmar-se para perceber essas nuances.

Carol Goman também faz recomendações do que você deve evitar: mexer nos acessórios que estiver usando, brincar com o cabelo, esfregar as mãos, pois essas são nossas formas de demonstrar nervosismo. “Se você se pegar fazendo isso”, diz ela, “leve suas mãos ao seu colo por um momento para se concentrar”.

>> Leitura recomendada: Como você quer que os outros te vejam? Depende da imagem profissional que está (ou não) construindo

6. Seja um espelho

A última dica relaciona-se aos reflexos, que podem te ajudar a aprimorar sua linguagem não verbal. Assim, procure repetir alguns gestos de seus interlocutores ao longo das conversas, como se fosse mesmo um reflexo de espelho. A técnica ajuda porque nossos neurônios acabam interpretando a ação como uma mensagem de empatia, em nível inconsciente.

Posts que você também vai querer ler:

 

Mais tempo para preparar cuidar da sua linguagem não verbal

Muitas vezes, a falta de tempo impede a preparação de uma boa apresentação. Sendo assim, qualquer ferramenta que evite desperdícios e reuniões desnecessárias pode dar uma força muito bem-vinda neste momento tão importante.

O Runrun.it é uma dessas ferramentas. O software de gestão de pessoas e tarefas organiza o fluxo de trabalho das equipes, evidencia as prioridades da demanda e aumenta a produtividade. Tudo para que você possa se dedicar ao que realmente importa: passar sua mensagem não verbal com eficiência, mesmo não sendo mímico. Teste grátis: http://runrun.it

Gif_Signup-1-1-3

2 thoughts on “Muito além das palavras: dicas de linguagem não verbal para você passar sua mensagem com mais eficiência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>