7  Insights da neurociência para seu desenvolvimento pessoal

7 Insights da neurociência para seu desenvolvimento pessoal

Você já percebeu como grandes líderes parecem dominar o corpo e a mente em situações que uma pessoa normal acabaria fraquejando? Pode parecer algo muito distante. A neurociência, no entanto, revela que esse controle é uma habilidade que qualquer mortal pode aprender, inclusive você e eu.  Para isso, ao longo das últimas décadas, uma enorme quantidade de esforço (e dinheiro) foi investido na compreensão de como a mente funciona. Essa é uma boa notícia, especialmente quando você usar os resultados para seu desenvolvimento pessoal.

A ciência oferece um grande número de insights sobre o assunto. O que mostramos a seguir são baseados em teorias de Stephen M. Kosslyn, ex-presidente do departamento de psicologia da Universidade de Harvard. Serve como convite para você conhecer mais sobre o funcionamento do seu próprio cérebro.

1. Como a bioquímica controla você

O oposto de manter a calma é o estado conhecido como “luta ou fuga”, uma reação fisiológica que ocorre em resposta a uma percepção negativa a um evento ou  a uma ameaça à sobrevivência. Essa reação inicia quando segmentos do seu cérebro cientificamente chamados de amígdalas cerebelosas (sim!), estruturas responsáveis pela formação das emoções, interpretam uma situação como uma ameaça.

A reação faz com que seu cérebro produza hormônios que informam o sistema nervoso para preparar o corpo para tomar medidas de sobrevivência. Sua respiração fica curta, seu corpo inunda seus músculos com sangue, sua visão periférica vai embora, e assim por diante. Muito dramático, não é? E inútil, uma vez que nem lutar, nem fugir são atitudes apropriadas para situações de trabalho.

Se você se deixar levar pelos impulsos sensacionalistas do seu corpo que dizem a seu cérebro “sim, esta é uma ameaça real” para qualquer situação estressante, é muito provável que  você permaneça congelado no medo, ou que, impulsionado a liberar a pressão, diga ou faça algo muito estúpido.

Mas calma, só estamos te contextualizando sobre o funcionamento da sua mente. Nos tópicos seguintes,  vamos te ensinar como tomar as rédeas.

Persona_Joana

2. Como nomear as emoções pode mudar a situação

Para se manter calmo, você precisa interromper esse circuito de reação fisiológica que começa na amígdala cerebelosa (onde o cérebro processa a memória e interpreta emoções). Você pode reduzir o impulso de fuga se você atribuir nomes ou rótulos para as emoções que você está enfrentando no momento. Isto é: parar, racionalizar e denominar essas emoções.

Como Jon Pratlett, pioneiro no uso de neurociência no treinamento de liderança, diz: “Refletindo sobre seus sentimentos, e em seguida os rotulando, pode ajudar a acalmar a amígdala cerebelosa, o que permite controlar sua resposta à situação, permitindo que você guarde sua energia para pensar mais claramente sobre o assunto em questão. “

3. Como o que você diz influencia seu comportamento

Bem, é importante que você saiba que seu cérebro usa as palavras para interpretar os acontecimentos. Portanto, as palavras que você escolhe ajudam a determinar como você experimenta essas emoções.

Se você opta por palavras negativas (ódio, estresse, medo etc.) para descrever como você se sente em situações desafiadoras, você intensifica o estado de “lutar/fugir”. Por isso, experimente modificar suas emoções escolhendo palavras mais brandas (desagrado, animado, curioso etc.). É mais provável que a resposta que seu cérebro enviará para seu corpo seja menos agressiva e precipitada.

4. Como pensar com mais clareza

Mais uma vez, porque o seu cérebro usa as palavras para interpretar os acontecimentos, palavras confusas acabam produzindo pensamentos confusos e vice-versa.

Mas você pode se treinar para usar palavras menos ambíguas e mais curtas em situações estressantes. Isso acaba fazendo com que o cérebro caracterize com mais precisão as situações e, portanto, conceba respostas mais objetivas e até mais criativas. Evitar modismos e simplificar sua escrita também pode ajudar em longo prazo.

5. Como fazer apresentações melhores

Neurocientistas e psicólogos estudam como o cérebro humano reage às experiências auditivas, visuais e táteis. A combinação correta dessas experiências aumenta a quantidade de informações que sua audiência absorve e retém.

Mudanças simples em sua apresentação, como acrescentar uma história de fácil compreensão ilustrada e com trilha sonora, podem melhorar substancialmente sua capacidade de influenciar os outros, segundo Stephen M. Aliás, vale a leitura de um artigo sobre os segredos das excelentes apresentações de grandes líderes como Jobs e Luther King.

6. Como ser um chefe melhor

A neurociência também comprova algo que já sabemos intuitivamente sobre a liderança: líderes devem ser pessoas otimistas. O cérebro humano contém neurônios que funcionam como espelhos. O que isso quer dizer exatamente? Significa que os neurônios tendem a fazer as pessoas imitarem o  comportamento e processos de pensamento dos outros. Por isso, pessoas otimistas são líderes melhores. Logo, será mais positivo se as pessoas de uma equipe tiverem como exemplo a seguir alguém otimista, em vez de um pessimista. Outro fator que a ciência descobriu que explica por que isso é verdade: os otimistas têm maior controle de seus processos de pensamento e são menos propensos a entrar em pânico.

7. Como sua respiração interfere

Você também pode interromper seu impulso de “fuga e luta” através do seu corpo respirando lenta e profundamente. Conte até 10 ao inalar e, em seguida, até 10 ao exalar. Você já deve ter ouvido algumas vezes que isso pode funcionar como calmante. Mas, vamos analisar cientificamente por quê.

Esse exercício de respiração leva mais oxigênio aos seus pulmões, que o transmitem para sua corrente sanguínea, comunicando para seu cérebro que, apesar do evento estressante está tudo bem com  você. Já que você está respirando calmamente, o cérebro entende que não existe uma situação de risco e que, logo, não é mais necessário aumentar a intensidade da sua reação de “luta ou fuga”. Resumindo, você está aplicando um belo truque para parar de tremer em situações de confronto. Respire fundo e lute! Mas lute com inteligência.

Aliado do desenvolvimento pessoal

Agora que você sabe que a ciência pode contribuir muito para seu desenvolvimento pessoal, descubra também o que a tecnologia pode oferecer. Conheça o Runrun.it, o software de gestão de projetos e tarefas que facilita a comunicação, oferece relatórios de desempenho, tempo e de produtividade da equipe. Experimente grátis: http://runrun.it

2 thoughts on “7 Insights da neurociência para seu desenvolvimento pessoal

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>