Ser CEO: Um sonho ou um perrengue?

Ser CEO: Um sonho ou um perrengue?

Vamos deixar que você tire suas próprias conclusões. Não vamos romantizar nem demonizar o papel de CEO. Vamos apresentar os prós e contras, as vantagens e desvantagens, o ônus e o bônus do cargo, e você decide. E se depois de ponderar todos os argumentos, você mudar seu objetivo profissional de se tornar CEO, conte para nós o que foi decisivo. Ou, se você se mantiver firme na escolha, queremos saber também! Hora da verdade:

1. Você definirá a estratégia e o que é importante

Como crescer mercado? Qual o foco das campanhas de marketing? Que parte das etapas desenvolver primeiro? As estratégias a adotar estarão em suas mãos.

Você irá delegar quem deve propor as ideias, os projetos, mas você é quem decidirá quais transformar em ações. Certezas? Poucas. Testes? Muitos. E o tempo todo.

Mas, quando algo der certo e sair como você planejou, será difícil esconder a vontade de gritar aos quatro ventos como você é incrível. No entanto, mantenha a postura e não se contamine de orgulho e arrogância. É demonstrando equilíbrio e inteligência que você provará como todos estão em boas mãos.

2. Você suará a camisa como nunca na vida

Nem todos os CEOs se matam de trabalhar, é fato. Mas só aqueles que já passaram dos anos críticos: de lançamento da empresa no mercado. E, mesmo assim, às vezes 24h não serão suficientes.

Mesmo que o seu objetivo profissional se concretize e você se torne CEO de uma empresa já consolidada, momentos de instabilidade (dentro e fora da organização) podem ameaçar sua saúde física e mental.

3. Se você for mulher, poderá ser ainda mais difícil

Em novembro de 2014, as mulheres representavam apenas 5% dos CEOs de empresas do ranking Fortune 1000 das maiores do planeta. Por conta dessa baixíssima representatividade, as mulheres enfrentam ainda desafios que seus colegas homens desconhecem.

Mathilde Collin, CEO da startup Front App, aponta ainda que, “em alguns casos, as mulheres têm de trabalhar muito mais para conquistar credibilidade e fazer as pessoas ouvirem o que você diz”.

E completa: “Sem mencionar como é penoso recrutar desenvolvedores (uma carreira majoritariamente masculina) e fazê-los confiar em você. Ou, simplesmente conseguir que, numa reunião de vendas, as pessoas se interessem mais pelo produto do que por você”.

4. Mas, às vezes, poderá ser mais simples

Mathilde, no entanto, é otimista e diz que pode ser mais fácil conseguir cobertura da mídia e alavancar as vendas se você for uma mulher CEO, por se tratar de uma minoria.

Por fim, ela diz que, se você é mulher e seu objetivo profissional é tornar-se CEO, não esmoreça. “Ser mulher não é o que faz uma empresa. A parte mais árdua é lançar um produto que as pessoas amem, bater as metas de crescimento e conseguir guardar algum dinheiro no banco”, conclui.

5. Você será a pessoa mais solitária que conhece

Não haverá ninguém a quem recorrer quando você tiver de tomar uma decisão delicada. Sim, seu conselho diretor estará lá para te aconselhar, mas não te dirá o que fazer. Sua equipe estará lá para ouvir, opinar e debater, mas, no final, vão olhar para você à espera do veredito.

Talvez não haja nem sequer com quem conversar – a não ser seu animal de estimação, se tiver um – ninguém que entenda seu trabalho nem seu impasse. Serão noites taciturnas. E seu impulso será descontar nos amigos e na família todo o estresse do trabalho. Você conseguirá se controlar?

6. Você decidirá com quem quer trabalhar

Você escolherá a dedo quem compõe sua equipe –que te ajudará a construir a empresa dos seus sonhos e a de todos os outros também. Você terá palavra final sobre a estrutura da maioria dos times e conduzirá a seleção de habilidades, personalidade e nível de experiência necessários para entrar a bordo.

7. Será você quem desligará as pessoas

É muito difícil contratar gente talentosa 100% do tempo, o que, em outras palavras, significa que, às vezes, você precisará voltar atrás na sua decisão e desligar pessoas do time, por mais doloroso que seja.

Você poderá contratar um ótimo técnico, mas péssimo líder. Ou, pode ser que você goste muito de uma pessoa que, apesar de todos os esforços, não tinha um desempenho satisfatório.

Quando se é CEO, não há como escapar do dever de fazer certas pessoas partirem – principalmente em empresas menores. E como dispensá-las de forma respeitosa, sem deixar ressentimentos? Eis uma arte.

8. Clientes confiarão em você para resolver seus problemas

A maior parte das grandes ideias e invenções está relacionada à resolução de algum problema humano. Como CEO, a missão da sua empresa e, portanto, a sua missão, será solucionar um problema de outra empresa.

Poderá ser, por exemplo, lançando um aplicativo que conecte dois públicos, ou um software na nuvem que automatize tarefas repetitivas. E quando você vir como sua empresa ajuda centenas, milhares de pessoas e que isso ainda lhe rende dinheiro, você não caberá em si.

9. Você compartilhará sua visão para encantar

Como CEO, você não precisará saber o que cada um está fazendo. Essa tarefa caberá aos gestores – por meio da adoção de um gerenciador de tarefas, por exemplo. Liderar uma empresa implica saber menos sobre detalhes operacionais e, em contrapartida, mais sobre orientação de estratégias, estruturar processos e, claro, encantar investidores, clientes e seu time.

Por isso, confiar no time e deixar que façam seu trabalho, que aliás, será bem distinto do seu, é o alicerce de sua liderança. Mas, como assegurar que tudo saia bem-feito, com o mesmo comprometimento que o seu? Não há uma fórmula, mas um facilitador poderoso: o diálogo.

Compartilhando com a sua equipe sua visão do negócio, os valores da empresa, sua missão e que tipo de profissionais irá recompensar, você ganha a credibilidade necessária para criar um time engajado e apaixonado, em quem você de fato possa apostar suas fichas.

10. Você montará um time que compensa suas limitações

Segundo o professor da Harvard Business School, Michael Porter, “um dos indicadores mais fortes da qualidade de gestão de uma empresa é o entusiasmo com que o CEO aprova as decisões que surgiram no seu caminho. Pois, quando um líder deseja fazer sua opinião prevalecer, anulando o que um gestor da equipe decidiu, sinal de que não houve diálogo e alinhamento de ideias ou, pior, falta credibilidade”.

Naturalmente, há casos em que o prejuízo de seguir em frente sem a palavra final do CEO é maior que o constrangimento de um gestor ter sua decisão desaprovada. O ideal é encontrar o meio-termo. Em vez de desfazer o trabalho de alguém, o líder pode reunir seus gestores para comunicar preocupações e alinhar prioridades.

Afinal, montar uma equipe não é procurar pessoas parecidas com você, mas que te desafiam a crescer. Como conclui o professor, o CEO mais poderoso é aquele que expande o poder daqueles que o cercam.

11. Você fará de tudo para apoiar e reter sua equipe

Um salário justo e coerente com o mercado não é o suficiente para tornar sua equipe tão engajada e apaixonada pelo produto quanto você, CEO. É fundamental oferecer a ela os mesmos benefícios que fariam você trabalhar praticamente de graça. Menos que isso, maior será a chance de ver gente talentosa pulando do barco.

O simples fato de você se colocar na pele das pessoas e se dispor a ouvir suas aflições e planos faz você passar de chefe a líder. Inclusive, criamos um infográfico das diferenças entre líder e chefe. Observe: a maior parte dos profissionais que você conhece não abandonou uma empresa, mas sim, quem os chefiava.

12. Você transmitirá uma mensagem o tempo todo

Quando se trata da maneira como a liderança da empresa se expressa, não existem distraídos. Como CEO, suas atitudes serão observadas por todos à sua volta, dentro e fora do escritório.

Durante um comunicado pontual, no cumprimento ignorado, na crítica que teceu, na pontualidade e até na forma como você se senta durante uma reunião, tudo está sujeito a erros de interpretação.

Neste post, te ajudamos listando 10 erros de linguagem corporal para desaprender e evitar essa dor de cabeça. Michael Porter também tem uma dica: “priorize sempre transmitir sua mensagem de forma simples e clara, e repita, sem receio, o que considera importante. E, sempre que possível, ilustre o que diz com histórias e casos reais”.

13. A empresa será a sua cara. Repetindo, sua.

Bem, se este é um ônus ou um bônus? Você verá que depende do dia. Imprevisível assim? Pior que sim. De vez em quando, você ficará tão orgulhoso das soluções que sua equipe encontrou que poderia explodir.

Mas, definitivamente, não será sempre e, por vezes, você desejará ser apenas um funcionário com o salário pingando na conta todo mês.

Seu objetivo profissional mais próximo que nunca

Depois de avaliar cada pró e contra de se tornar CEO, seu objetivo profissional continua o mesmo? Ou mudou completamente de ideia? Se você sente que ainda precisa, como líder, de mais organização, diálogo e transparência sobre o desempenho da sua equipe antes de galgar novos patares em sua carreira, conte com o Runrun.it – o software de gestão de tarefas, projetos e equipes com milhares de empresas clientes. Experimente grátis: http://runrun.it

objetivo profissional

One thought on “Ser CEO: Um sonho ou um perrengue?

  1. I do not even understand how I finished up right here, however
    I assumed this publish used to be good. I don’t recognise who you are however certainly you are going to a famous blogger if you are not already.
    Cheers!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>