Core business: mantê-lo sempre à vista é fundamental para o seu crescimento

Core business: mantê-lo sempre à vista é fundamental para o seu crescimento

Direto e reto: o core business é o núcleo de um negócio. É o que uma empresa faz, o ponto forte dela. Por exemplo: nosso core, aqui no Runrun.it, é produzir software. O core de um banco é emprestar dinheiro, e o de uma lanchonete é vender sanduíche. E esse core deve sempre ser trabalhado estrategicamente. Para que você saiba como trabalhar essa estratégia – e para que sua empresa consiga crescer sem se afastar do que deu origem a ela -, neste post vamos abordar tudo o que você precisa saber sobre esse núcleo.

Mas não sei bem qual é o meu core business…

Não se preocupe, a resposta para essa questão está dentro da sua empresa. Tudo o que você precisa fazer é organizar informações para extrair dados sobre a sua atividade principal. Analisar o que é que deu origem ao seu negócio, a razão de ele existir – este será o seu core business.

Então, a partir daí, você passa a definir a estratégia. Para isso, responda algumas perguntas:

  • Quem são os meus clientes mais lucrativos?
  • Quais são as capacidades estratégicas mais diferenciadas do meu negócio? Que inovação trazemos para o mercado?
  • Quais são minhas ofertas de produtos mais críticas?
  • Quais são meus principais canais de venda?
  • Existem outros ativos estratégicos críticos que não estão sendo aproveitados?

Com essas respostas, você deve ser capaz de traçar a estratégia para seu core business sem medo de colocar limites e perder campo de ação. Pois é justamente ao colocar os limites que você conseguirá detectar as oportunidades.

>> Leitura recomendada: Da inovação à transformação: como encontrar e mudar o seu modelo de negócio

Como crescer alinhado com meu core business?

Selecionamos alguns pontos para te inspirar em sua estratégia de atuação, combinando foco e diversificação. Os tópicos apontados têm como base o artigo da Entrepreneur:

Centralize a diversificação em torno do seu core business

Tenha claro o seu core business e utilize suas diversas capacidades para criar valor para sua empresa. Um grande exemplo é o Google. Cada um de seus negócios está muito bem integrado ao seu core business de busca e anúncios. Seus produtos e serviços têm como objetivo obter mais e mais pessoas para o ecossistema Google.

Assim, apesar de ter aparentemente diversificado em tantas coisas, incluindo auto-condução de carros e usinas de energia solar, o Google mantém o core business no centro de toda a diversificação — e todas as estratégias são focadas em torno dele.

Alinhe sua diversificação para obter clientes repetidos

Os negócios são dependentes da repetição de clientes. Assim, a diversificação só deve acontecer para fortalecer o negócio existente de uma empresa, aumentando sua proposta de valor para os clientes.

Como aconteceu na aquisição da Pixar realizada pela Disney: essa diversificação assegurou a repetição da compra pelo mesmo cliente para necessidades diferentes, mas relacionadas.

Espere a hora certa

Com o crescimento do seu negócio, é natural querer expandir a gama de produtos e serviços oferecidos. No entanto, a prioridade antes de qualquer diversificação é tornar o seu core business estável em termos de capital e recursos. Seu negócio principal é o que financiaria a diversificação por algum tempo.

Escolha bem os parceiros ao redor

Um negócio existente requer quantidades significativas de tempo e energia da gerência. Por isso, é essencial olhar para a estrutura da equipe de dentro.

Identificar os colaboradores que têm propensão para ir além da execução das tarefas diárias é fundamental para inovar dentro do negócio. Assim, as equipes de gestão devem ter não só a responsabilidade, mas também deve ser autorizado a mover as coisas para a frente.

>> Leitura recomendada: Como antecipar mudanças e revolucionar a sua empresa com o intraempreendedorismo

No dia a dia

No cotidiano, as rotinas devem criar novos hábitos e formas de pensar sobre o crescimento. De acordo com este artigo da Forbes, aqui estão algumas maneiras simples de criar as rotinas de crescimento certo:

  • Identificar a atitude ou o modo de pensar mais crítico e criar uma rotina simples para transformá-la em um hábito;
  • Identificar os stakeholders críticos que desempenham um papel importante na execução da sua estratégia de crescimento. Criar rotinas que trazem sua perspectiva e seu pensamento e aumentar interações positivas com eles;
  • Menos é mais! Priorize suas rotinas e decida quanto mais você pode absorver. Uma vez que uma rotina é hábito, experimente outro. Não se mova até que a rotina esteja incorporada. Realmente incorporada!
  • Dê a cada rotina algumas tentativas para ver como funciona e decida quanto tempo você vai dar para testar. Em seguida, seja incisivo em detê-la rápida e publicamente se não funcionar.

>> Leitura recomendada: Ferramentas para sua empresa atingir a excelência na gestão de qualidade

Pivotar: evolução natural ou risco?

O mercado muda com muita rapidez: novas referências, novas demandas, novos consumidores surgem a todo momento. E, na intenção de aumentar seu faturamento com essas mudanças, empresários tendem a pivotar seus negócios – ou seja, mudar o core business, dar um giro.

Pensando nesse dilema, sempre nos vêm à mente os equívocos da Xerox e da Kodak que por manter seu foco exclusivo acabou perdendo espaço no mercado (se você não os conhece, vale dar uma olhada neste artigo).

Porém, em uma Pesquisa Global realizada pela McKinsey, foi apontado que, ao longo do tempo, as aspirações das empresas em crescer pivotando suas atividades produziram resultados modestos. Aos buscar crescimento fora de seus core business, essas empresas conseguiram poucos ganhos de receita. Assim, a questão da pivotagem deve ser tratada com muito cuidado, pois pode trazer riscos à operação.

Como pivotar, então?

Pesquisando, planejando e elaborando uma aprofundada estratégia para o futuro: é assim que quem pretende mudar o core business deve proceder. Para isso, listamos alguns drivers necessários para fazer certa mudança:

Compreender o contexto do mercado: para as empresas que desejam expandir-se para novas atividades, é importante entender primeiro até que ponto o crescimento além do core business em sua região e indústria é uma oportunidade ou um risco. O crescimento para novas categorias, por exemplo, vale mais em economias emergentes do que nas economias desenvolvidas.

Encontrar o crescimento perto de casa: identificar oportunidades de crescimento que possuem ligações únicas entre a atividade futura e o core business. Em outras palavras, ideias ou oportunidades onde seja possível aproveitar capacidades e habilidades já existentes.

Crie as capacidades certas: ao planejar a busca de novas oportunidades fora do seu core business, os líderes devem avaliar as capacidades de suas empresas para garantir que os processos e práticas corretas estejam no lugar para maximizar o valor que novas atividades podem agregar. As empresas com os recursos para digitalizar, avaliar e integrar oportunidades têm uma chance muito maior de criar valor com esses movimentos.

Tecnologia de gestão para inovar

Já que o assunto é inovação – seja por meio da diversificação ou do foco -, vale você conhecer o Runrun.it – uma ferramenta de gestão empresarial indicada para líderes que não podem perder tempo supervisionando a equipe e que precisam agir rápido.

É o novo substituindo velhos modelos de administração; ou seja, a ferramenta “disruptiva” para ser seu braço direito no processo de aprofundar seu core business – ou de pivotar. Teste grátis e inicie uma nova era na sua gestão: http://runrun.it.

Gif_Signup-1-1-3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>