Trabalho em equipe: O que há por trás de times que se dão bem?

Trabalho em equipe: O que há por trás de times que se dão bem?

O trabalho em equipe é um processo que envolve desenvolver atividades e projetos em colaboração para atingir metas. Portanto, é crucial que as empresas acompanhem como os colaboradores estão se relacionando entre si e com os demais setores. O trabalho em equipe significa também cooperação entre as pessoas a partir de habilidades individuais e fornecer feedbacks construtivos.

É um costume tentar encontrar os segredos das equipes bem-sucedidas. O que elas fazem? Como a combinação diversa de pessoas pode resultar num trabalho em equipe tão bom? O que torna a experiência de conflito criativo em um espaço tão produtivo? Fique tranquilo, pois iremos esclarecer essas questões para você nos seguintes tópicos:

 

Como trabalham equipes que se dão bem?

Segundo o TED de Margaret Heffernan, um elemento muitas vezes esquecido, porém necessário para construir uma organização eficiente e um bom trabalho em equipe é o Capital Social. De acordo com a escritora e ex-diretora executiva, a confiança, o conhecimento e a reciprocidade em conjunto criam um grupo unido e de qualidade. Em qualquer empresa, você pode ter excelentes profissionais, mas o que os leva a compartilhar ideias e preocupações, contribuir e avisar ao grupo sobre possíveis riscos é sua conexão com o outro. Como fazer isso? Vamos explicar melhor a seguir.

1. Como construir o capital social?

Construção de capital social soa como uma ideia abstrata, mas deriva de uma acumulação de pequenas ações. O que acontece entre as pessoas – e não apenas nas reuniões, mas em conversas informais por mensagens ou nos corredores da empresa – faz uma diferença incomensurável na produtividade, pois a transformação de uma relação de trabalho em amizade torna os colaboradores mais motivados. Além de engajadas, o capital social ajuda as organizações a se tornam mais criativas, eficientes e rentáveis. Isso porque elevados níveis de confiança e intimidade criam um clima de segurança e honestidade e torna mais fácil compartilhar o pensamento fresco ou a ideia imprevisível.

No home office, estimular conexões entre as pessoas é tão complexo quanto no presencial, porém mais essencial. Segundo uma pesquisa nossa, 22%, dos 252 colaboradores ouvidos, se sentem isolados no trabalho remoto. Para superar esse desafio, a sua empresa pode oferecer momentos de interação nas videoconferência, onde haja espaço para outros assuntos além dos de trabalho.

2. Empatia nas relações de trabalho

Empatia é a capacidade de analisar o mundo através dos olhos dos outros. Essa habilidade é fundamental para qualquer organização, já que assim os colaboradores se sentem ouvidos e mais propensos a escutar os demais. Se cada pessoa tiver a oportunidade de ver a empresa do ângulo de outro departamento, conseguirá ver temas em comum, maneiras de ajudar e apoiar os outros e, consequentemente, fazer com que a conexão e a empatia entre os colaboradores cresça. De acordo com o relatório Empathy Monitor, lançado pela empresa Businessolver, em 2017, a empatia impacta na produtividade, lealdade e engajamento dos times. Segundo a pesquisa:

  • 77% dos colaboradores estão dispostos a trabalhar mais horas em um local onde haja empatia;  
  • 92% dos profissionais de recursos humanos acreditam que a empatia é um fator importante para a retenção de talentos
  • 80% dos millennials e 66% dos baby boomers (pessoas nascidas entre 1946 e 1964) deixariam o emprego atual se não houvesse empatia nas relações.
 

3. Sem competitividade interna

A prática da competitividade cria cenários em que ou você é o vencedor ou é o perdedor. Isso gera ansiedade, estresse e, consequentemente, desempenhos piores entre a equipe. O clima competitivo pode distanciar colegas de trabalho. O perigo é que os colaboradores fiquem mais preocupados em ser os melhores do que colaborar e invés de compartilharem suas ideias para promover a inovação, planejem projetos isolados e sem o apoio do grupo. Competitividade só é boa quando traz ganhos.

4. Não têm receio de discordar

Muitas pessoas temem o conflito porque acreditam que ele prejudica suas relações, o paradoxo é que o conflito honesto – durante o trabalho em conjunto, e não perseguição – faz a conexão social crescer.  Quando você evita discordar, nenhum tipo de conflito acontece, permitindo o chamado “silêncio organizacional”, que aumenta a dificuldade de inovar e apontar problemas a serem resolvidos. O segredo para a conexão social crescer em seu grupo,, é opinar, pois só assim é possível conhecer as perspectivas do outro.

>> Leitura recomendada: Gestão a distância: como liderar equipes remotas

Quais são as principais habilidades para o trabalho em equipe?

No início de 2020, a Forbes publicou um artigo avaliando que as soft skills são cada vez mais essenciais para o crescimento das empresas, mesmo que essas habilidades não possam ainda ser medidas por parâmetros tradicionais, como ocorre com as hard skills. São justamente essas capacidades comportamentais que proporcionam um trabalho em equipe. Por exemplo, uma empresa pode ter um time bastante habilidoso em uma área técnica, mas se os colaboradores não têm uma boa comunicação o trabalho em equipe e de qualidade é prejudicado.

Os pesquisadores de competências profissionais, Graham Cheetham, ex-conselheiro do departamento de Educação e Habilidades do governo do Reino Unido, e Geoff Chivers, ex-professor da Universidade de Loughborough, também do Reino Unido, definem essas habilidades como meta-competências, pois elas podem originar outras capacidades, uma vez que estão relacionadas a destrezas comunicativas, de autodesenvolvimento, criatividade, reflexão e agilidade mental de cada pessoa. Embasados nessas definições, pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) reuniram em um artigo, publicado em 2016, as habilidades de um trabalho em equipe.

  • Respeitar a diversidade de pessoas e opiniões; 
  • Reconhecer a importância de cada colaborador;
  • Respeitar o ritmo de trabalho de cada um;
  • Aproveitar os feedbacks como oportunidade de crescimento e aprimoramento;
  • Ter uma comunicação clara e ordenada;
  • Identificar o momento certo para apresentar novas ideias e não ter medo de receber críticas;
  • Dialogar com pessoas de setores diferentes para resolver conflitos e conhecer novas perspectivas;
  • Poder se posicionar diante das situações;
  • Incentivar redes de relacionamentos;
  • Ter uma liderança centralizada;
  • Compartilhar conhecimentos;
  • Colaborar com outros integrantes;
  • Atuar com profissionalismo e responsabilidade.
 

Para os pesquisadores da UnB, os fatores base que fortalecem o trabalho em equipe podem ser distribuídos em quatro áreas: 

>> Leitura recomendada: Gestão consciente com Karen Hada, Diretora de Operações na F.biz

10 formas de fortalecer o trabalho em equipe

O escritor e vice-reitor da Universidade de New York, Clay Shirky, apresenta em seu livro A cultura da participação (2011) dezenas de exemplos de pessoas que trabalharam em equipe em projetos voluntários porque estavam motivadas pela própria natureza da atividade em si e não apenas por recompensas externas. 

Para as empresas, as motivações internas e externas precisam caminhar juntas para fortalecer o trabalho em equipe. Por exemplo, as atividades que os times desenvolvem dão uma sensação de propósito, além disso, eles precisam estar satisfeitos com os benefícios e remuneração. Mas, então, quando falamos sobre a capacidade de trabalhar bem em equipe, sobre quais habilidades estamos falando?

Três professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) responderam essa dúvida em um artigo. Eles apresentam os seguintes elementos para fortalecer o trabalho em equipe:

  1. 1. Possibilitar relações de complementaridade, interdependência e sinergismo;
  2. 2. Compartilhar objetivos, decisões, responsabilidades e resultados;
  3. 3. Ter clareza nas metas e objetivos;
  4. 4. Construir um plano de trabalho em conjunto;
  5. 5. Feedbacks regulares;
  6. 6. Dividir com o grupo os momentos de fracasso e sucesso;
  7. 7. Fortalecer a comunicação;
  8. 8. Promover a escuta;
  9. 9. Levar em consideração as experiências e os conhecimentos de cada colaborador;
  10. 10. Definir objetivos instigantes e desafiadores para cada membro do time.   
 

Neste processo de considerar as expectativas e o conhecimento de cada colaborador, algumas práticas podem ser adotadas. A vulnerabilidade na liderança, por exemplo, abre espaço para as pessoas expressarem seus desafios e pode ser um caminho para criar conexões entre o time. Já a comunicação não-violenta é outra ferramenta cada vez mais utilizada pelos gestores  para gerar diálogos mais harmoniosos e eficazes, isso porque ela impulsiona um olhar para si, ou seja, identifica os próprios sentimentos, promove a escuta e a empatia com o outro e considera o cenário externo ou da organização para firmar interações transparentes e livres de julgamentos.  

Para saber mais sobre comunicação não-violenta, você pode conferir abaixo o webinar que fizemos com Deboa Gaudêncio, facilitadora de diálogos: 

>> Leitura recomendada: Como a liderança resiliente eleva a inovação e a gestão de risco nas empresas?

Benefícios do trabalho em equipe para colaboradores e empresas

O trabalho em equipe gera ganhos tanto para as empresas quanto para os colaboradores. É possível ver as vantagens a partir do processo de inovação descrito pelo historiador da Universidade de Essex, na Inglaterra, Peter Burke. No livro O que é história do conhecimento? (2016), ele narra que inovar significa adaptar uma ideia ou técnica pré-existente para novos fins e para as empresas representa ainda o aprimoramento de produtos e serviços para manter a competitividade. No entanto, esses enfoques nascem a partir do encontro de pessoas e áreas diferentes. Por isso, fortalecer a cooperação do trabalho em equipe, além de melhorar o clima organizacional, pode tornar a sua empresa mais competitiva.

Para além da inovação, a professora da Universidade Potiguar (UnP), no Rio Grande do Norte, apresenta em um artigo, publicado no Portal Administradores, uma minuciosa lista de benefícios que o trabalho em equipe propicia às empresas e aos times. Sendo eles:

  • Comprometimento com o sucesso do grupo em alcançar metas;
  • Apoio e colaboração;
  • Comunicação aberta e clara;
  • Compartilhamento de conhecimentos;
  • Aplicação mais eficiente de recursos, talentos e habilidades;
  • Decisões conjuntas;
  • Economia de tempo;
  • Engajamento para o aumento da qualidade e precisão;
  • Melhora na produtividade e organização.
 

>> Leitura recomendada: Como líderes podem manter a motivação em home office

Software de gestão para unir a equipe mesmo a distância

Como vimos neste artigo, a comunicação é um dos pontos fundamentais para fortalecer o trabalho em equipe. Para isso, a sua empresa pode contar com um software de gestão como o Runrun.it, que permite centralizar as informações, distribuir demandas para sua equipe, acompanhar em tempo real o progresso dos projetos e dos prazo de entregas, possibilitando a “visão do todo” do desempenho das atividades e evitando a microgestão, que pode deixar os colaboradores estressados e, justamente, na contramão do trabalho em equipe. Com o home office, ganhando cada vez mais espaço, é preciso desenvolver estratégias para que os times continuem sendo vistos pelos líderes.

Além disso, a Forbes indica, neste artigo, que o uso da tecnologia em nuvem e das ferramentas SaaS (software as a service) é uma das 10 principais tendências da transformação digital, que são uma opção para garantir a segurança das informações e o acesso remoto. O Runrun.it é uma plataforma brasileira de gestão do trabalho, no formato SaaS, ideal para acompanhar o trabalho independente de onde você e sua equipe estejam. Assim, fica fácil colocar todos na mesma página, mantendo a comunicação clara e transparente. Crie uma conta gratuita e teste agora: https://runrun.it 

trabalho em equipe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>