O impacto da inteligência emocional no trabalho e na produtividade

O impacto da inteligência emocional no trabalho e na produtividade

*Guest post produzido pela equipe da Febracis

O desempenho de nossas atividades profissionais está relacionado a diversos fatores. Dentre eles, um se destaca e é fundamental em um processo de desenvolvimento e alcance de sucesso: a inteligência emocional no trabalho.

Mesmo que de forma inconsciente, muitos líderes já fazem uso de inteligência emocional para lidar com pessoas. É o que chamamos de “jogo de cintura”. O fator humano é fundamental no ambiente empresarial, sendo muitas vezes até mais impactante que o conhecimento técnico no mercado de trabalho.

Assim, atualmente, o controle das emoções no trabalho gera um grande diferencial na carreira de um gestor e na produtividade dos colaboradores. Muitas vezes, o profissional possui uma enorme habilidade técnica, mas deixa a desejar no relacionamento com a equipe, o que acarreta em diversos problemas na empresa e também prejudica sua carreira.

O conceito de inteligência emocional está diretamente atrelado ao controle das emoções diante das adversidades. Neste artigo, falaremos sobre como o desenvolvimento da inteligência emocional pode ser um importante aliado para o líder e para sua equipe. Vamos lá?

>> Leitura recomendada: 10 sinais de que você tem muito controle emocional

Os impactos da inteligência emocional no trabalho do líder

Lidar com as emoções é tão importante quanto desenvolver habilidades técnicas no trabalho. Para que um profissional se destaque, é preciso muito mais do que o domínio de sua função. É por isso que um gestor com um baixíssimo – ou alto – quociente emocional tem o poder de interferir diretamente no desempenho de uma equipe.

Para o gestor, os ganhos são as tomadas de decisão bem mais sensatas e sua autopreservação, o respeito e admiração da equipe, além do reconhecimento da diretoria.

E em relação à equipe…

O líder inteligente emocionalmente é aquele que sabe separar conflitos pessoais do andamento do trabalho e lida bem com situações inesperadas no dia a dia. Este tipo de líder desenvolve uma equipe mais colaborativa, criativa e apta a resolver problemas complexos (muitas vezes, sem o seu aval).

A transmissão de inteligência emocional para a equipe

Os líderes com alto quociente emocional são capazes de gerar alta performance no trabalho da equipe. Esses líderes também são as pessoas que estimulam os colaboradores a superar seus obstáculos pessoais, melhorar a cada dia que passa e, claro, serem altamente produtivos sem deixar a qualidade de lado.

O bom líder também sabe como falar com as pessoas e dar feedbacks construtivos, impulsionando o colaborador ao invés de pressioná-lo (o que infelizmente ainda é comum em muitas empresas). Com esse suporte, a equipe se sente mais motivada para realizar tarefas de alta complexidade e, até mesmo, para formar um núcleo intra empreendedor na organização. Esse ganho é fantástico!

>> Leitura recomendada: 6 dicas de motivação nas organizações para gestores

Relação entre quociente emocional e quociente de raciocínio

Já ficou claro que possuir inteligência emocional no trabalho é muito importante para o sucesso do líder e da empresa, certo?

No final das contas, o fator comum é que a maioria das pessoas que obtiveram sucesso em suas carreiras não foram aquelas que sempre tiveram as melhores notas escolares, ou foram consideradas racionalmente inteligentes, e sim as que tiveram uma boa compreensão de suas próprias emoções.

Evidentemente, o quociente de inteligência racional é importante no nível profissional, mas não é o ponto principal, como fomos levados a crer durante toda nossa vida.

Dessa forma, a inteligência emocional é a mola propulsora que faz com que profissionais não deixem suas emoções atrapalharem seu raciocínio e os ajuda a superar complexos desafios.

Afinal, um alto grau de ansiedade e estresse podem comprometer – e muito! – a tomada de decisão e a lógica. Segunda a empresa de saúde Mindlab, o estresse e a ansiedade reduzem a capacidade lógica de um adulto à de uma criança bem jovem.

Já no longo prazo, o estresse e a ansiedade afetam habilidades cognitivas importantes para qualquer trabalho: a capacidade de aprender, a memória e a atenção são as mais prejudicadas. Além disso, a ansiedade pode alterar definitivamente a química do cérebro, causando doenças como a depressão crônica.

Você pode ser intelectualmente brilhante, mas comportamentos inaptos te levará fatalmente a ter problemas em sua vida pessoal e profissional.

Não se assuste: A boa notícia é que o quociente emocional é mutável e qualquer pessoa pode começar a aprimorá-lo a qualquer momento, certo?

>> Leitura recomendada: Qual o seu tipo de inteligência? Leia o artigo “Teoria das Inteligências Múltiplas: tudo para sua performance pessoal e profissional” e descubra!

Como melhorar a produtividade e o desempenho da equipe?

Agora que já sabemos do impacto da inteligência emocional no trabalho, chegou a hora de dar algumas dicas de como desenvolver essa habilidade, que hoje é tida como uma das mais importantes para o desenvolvimento profissional.

Abaixo, vamos listar as principais competências que um líder precisa desenvolver:

Autoavaliação

Inicialmente, o líder deve se analisar, verificar seus pontos fortes e fracos, e, principalmente, ter consciência de suas maiores fraquezas.

Saiba que profissionais de sucesso raramente exageram seus pontos fortes: eles têm perfeita consciência de seus pontos fracos e não querem escondê-los, muito pelo contrário, querem conhecê-los.

São seguros de sua capacidade, mas nunca arrogantes ou irredutíveis.

Em contrapartida, pessoas sem autoconhecimento fazem justamente o contrário, exagerando seus pontos fortes e negligenciando os pontos fracos. Isso resulta na não superação de suas falhas.

Sendo assim, o autoconhecimento é o primeiro passo para o desenvolvimento da inteligência emocional. O importante é ser honesto consigo mesmo e trabalhar constantemente para melhorar. Desistir nunca!

Gerenciamento e Análise

Depois de ter a consciência sobre os pontos fortes e fracos, é hora de evitar as reações negativas em seu dia a dia, já que agora você as conhece.

A partir daí, você irá fazer um gerenciamento do que é benéfico e maléfico em sua personalidade profissional.

Foco Comportamental

Diariamente, busque produzir algo interessante sem interrupções e sem distrações com as redes sociais, por exemplo.

Isso fará com que você fique condicionado a executar certas tarefas com muito mais facilidade.

Atenção ao meio

Procure sempre observar as pessoas ao seu redor. Veja como os outros reagem diante das situações que se apresentam e o que aquilo acrescenta a você. Isso porque, quem é inteligente emocionalmente, também é uma pessoa poderosa empaticamente.

É fundamental também reparar se você está se saindo bem ou não no relacionamento com as pessoas da sua empresa. Isso vai ajudar a entender o que motiva e até mesmo desmotiva as pessoas.

Observação: Achar que está agradando sempre, sem ligar para o sentimento das pessoas ao redor, é, sem dúvidas, um fator de fracasso.

Foco Proposital

Inteligência emocional tem tudo a ver com produtividade. Sendo assim, foco proposital é uma a forma de ressignificar cada uma das atividades diárias. É contar com “uma recompensa” em forma de estímulo, depois de realizar cada atividade, ou vencer um obstáculo.

Se você quer ser produtivo, determine o propósito de cada afazer e o que isso trará de ganhos em seu trabalho.

Gratidão

Procure demonstrar esse sentimento no cotidiano: as pessoas se sentirão mais à vontade para fazer o mesmo com você.

A gratidão gera felicidade. A felicidade libera uma onda de bem-estar e tranquilidade no cérebro, fazendo com que a ansiedade, o medo de errar, a insegurança e o estresse sejam ferozmente combatidos.

O desenvolvimento de um líder

Todas as características e formas de agir que vimos acima são imprescindíveis para aquele que pretende ser um grande líder, melhorar seus resultados pessoais e aumentar o desempenho e produtividade de sua equipe.
Existem algumas maneiras de alcançar um bom quociente de inteligência emocional no trabalho.

Uma delas é o curso Business High Performance realizado pela Instituição de Coaching Febracis. No curso, os gestores aprendem a treinar seu time corretamente, a recrutar os melhores candidatos, a entender as expressões corporais dos colaboradores, a desenvolver um time forte e motivado e também a dar feedbacks construtivos.

O Business High Performance tem como objetivo ajudar o gestor a criar sintonia com o time e, por meio disso, alcançar as tão sonhadas metas da empresa. Tudo isso diminuindo o desgaste do próprio gestor e da equipe.

Já o Runrun.it é a ferramenta de gestão ideal para dar suporte e tração ao trabalho do líder. A plataforma é uma solução inteligente e estratégica para gerir tarefas da equipe, projetos e o fluxo de trabalho.

Com ele, as demandas da equipe ficam mais organizadas e com a priorização adequada, diminuindo as chances de deixar atividades importantes de “lado”. O Runrun.it também é muito útil para ajudar o líder a acompanhar o tempo de execução das tarefas e, assim, definir o planejamento, prazos e manter o time nos trilhos, sem sobrecargas, sem demandas improdutivas e furos na comunicação.

*Guest post produzido pela equipe da Febracis

Gif_Signup-1-1-3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>