Marketing dirigido por dados: a tendência que junta criatividade e análise de dados a favor de melhores resultados

Marketing dirigido por dados: a tendência que junta criatividade e análise de dados a favor de melhores resultados

Muita gente criativa torce o nariz para a perspectiva de reunir ideias e números. Se você trabalha em agência de publicidade, deve ter ouvido que ter ideias é algo instintivo. Isso porque diz respeito a criar laços emocionais com os consumidores de um determinado produto ou serviço. É o mesmo pessoal que costuma temer a turma do big data, receoso de que a análise de dados acabe com a “alma” da criatividade. Só que existem algumas evidências de que não é bem assim. Práticas de marketing dirigido por dados vêm provando que criatividade e dados podem, sim, trabalhar juntos, trazendo grandes resultados para empresas, agências e clientes.

Na verdade, a noção de que data analytics e criatividade no marketing não podem se complementar está até defasada. De acordo com esta matéria da McKinsey, muitas agências e empresas já estão combinando o poder da intuição humana com os insights trazidos pela análise de dados.

Inclusive, os melhores profissionais vão dar um passo além e integrar o marketing dirigido por dados em toda a cadeia de valor. Da estratégia de marca e dos insights de clientes até o desenvolvimento de produtos, a criação de conteúdo, a precificação e, claro, a criatividade no marketing, propriamente dita. Ou seja, essa fusão está bem longe de “roubar” a alma de uma marca. Trata-se, ao contrário, de uma parte essencial da modernização do marketing para alavancar o crescimento.

>> Leitura recomendada: O que você precisa saber sobre Big Data Analytics

“Integradores” se saem muito melhor

A mesma matéria da McKinsey traz o resultado de uma pesquisa, que a empresa fez em conjunto com os organizadores do Festival Cannes e a Associação Nacional dos Anunciantes dos Estados Unidos. O estudo foi realizado com 200 CMOs (Chief Marketing Officers) e executivos sênior de marketing, e monitorou a performance de suas companhias.

Desse grupo, os profissionais que implementam o marketing dirigido por dados foram chamados de “integradores” — aqueles que unem dados e criatividade. Já os que entendem criatividade e data analytics como conceitos separados foram chamados de “isoladores”.

E os resultados foram significativos. Os integradores aumentaram suas receitas duas vezes mais que a média das empresas da Standard & Poor’s 500 (a lista das 500 maiores empresas do mundo, de acordo com valores de ações), em que predominam os isoladores. No total, os integradores cresceram pelo menos 10% ao ano, contra 5% das outras organizações.

Outro dado importante revelado pelo estudo é que, enquanto profissionais de marketing raramente consideram seus esforços criativos como “icônicos” ou de “primeira linha”, os integradores veem seus esforços como “engajadores”, “únicos”, e como participantes fundamentais da criação de valor para a marca.

>> Leitura recomendada: Dicas para a gestão de pessoas em agências

Como o marketing dirigido por dados está modernizando a área?

A pesquisa também traz as melhores práticas desses profissionais — e que podem servir de inspiração para a sua própria empresa ou agência aumentar os resultados.

São elas:

1. Eles tratam criatividade no marketing e dados como “parceiros”

Nas empresas desses integradores, as funções criativas estão se tornando cada vez mais orientadas por dados. O inverso também vale: as funções guiadas por dados também passam a ser mais e mais criativas. E as duas áreas em que essa fusão tem ocorrido com maior frequência são aquelas relacionadas à experiência do cliente e aos insights vindos de consumidores.

Em primeiro lugar, vamos abordar a experiência do consumidor. Essa é uma função supervisionada pelas pessoas que pensam estratégica e criativamente para atingir e superar as expectativas dos consumidores. Mas hoje, a análise de dados pode revelar intenções desses consumidores. Assim como destrinchar interesses que indiquem dores e necessidades não atendidas.

A McKinsey descobriu que os integradores “mineram” as informações de forma contínua e incansável em busca desses insights. Esse trabalho faz parte do aprimoramento da experiência do consumidor no dia a dia. Diferentemente do que ocorre em empresas que aplicam a análise de dados de forma complementar.

Na média, os integradores usam quatro ou mais tipos de técnicas para o marketing dirigido por dados. Tanto tradicionais (pesquisa primária e de terceiros, além de grupos de foco) quanto orientadas por dados (análise de jornada dos consumidores, análises avançadas e de inteligência artificial). Enquanto isso, os profissionais não integradores usam três ou menos táticas.

>> Leitura recomendada: Data driven business: guiando com base nos dados

2. Eles fazem da integração um “estilo de vida”

Os integradores do marketing dirigido por dados criaram estruturas que os permitem inovar mais rapidamente. Em uma taxa maior que a de seus colegas, eles “abraçaram” o agile marketing. Então, criaram times multifuncionais e relativamente autônomos para tarefas relacionadas aos objetivos do negócio.

O segredo parece estar, de fato, na constituição desses times. Neles, estão reunidos talentos do departamento de marketing e de outras áreas da organização, como TI e operações. Essas equipes ágeis permitem que pessoas com habilidades diferentes se sentem lado a lado para colaborar umas com as outras diariamente. Além disso, participam pessoas de departamentos jurídicos e financeiros para dar suporte à tomada de decisões mais rápida.

Essa integração diária e tangível traz resultados importantes por dois motivos principais:

  • 1º lugar: experts em dados tornam-se parte da primeira linha do time de marketing;
  • 2º lugar: times ágeis e integrados são capazes de fazer mais em menos tempo. E a ausência de gargalos entre departamentos permitem testes de produtos, de conteúdos, de mensagens e de propostas de valor.

 

Como resultado, o prazo de criação de novas campanhas e de outras iniciativas de marketing diminui de meses para semanas, ou mesmo dias. O estudo da McKinsey mostrou que, nos últimos 12 meses, integradores foram duas vezes mais bem-sucedidos do que isoladores no que tange a aumentar a velocidade dos trabalhos de marketing.

>> Leitura recomendada: Time intelligence para reunir dados impactantes

A ferramenta para você integrar tudo

Depois desse relatório da McKinsey, não há dúvidas de que o marketing dirigido por dados será o próximo grande passo a ser dado por qualquer empresa que pretenda manter a competitividade. Se esse é seu objetivo, você pode contar com uma ferramenta de gestão para realizar essa integração, engajar seus colaboradores e adaptá-los rapidamente a qualquer metodologia ágil.

O Runrun.it é a ferramenta que é o braço direito dos gestores. O software permite o gerenciamento de projetos de qualquer tamanho, organiza o fluxo das demandas e registra todas as discussões. Além de monitorar as entregas dos envolvidos.

A ferramenta ainda oferece um Dashboard customizável com métricas de desempenho e permite visualizar o desenvolvimento de todas as tarefas em tempo real. Com isso, você ganha tempo para se dedicar à gestão inteligente dos seus esforços de criatividade e marketing dirigido por dados. Faça já seu teste grátis: http://runrun.it

Gif_Signup-1-1-3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>