Quando a crise desata os laços

Quando a crise desata os laços

Por Sílvio Celestino*

Certas pessoas se apagam em momentos de crise. Acreditam que tudo vai mal e que, além do corte total de despesas, ação alguma é capaz de salvá-las das dificuldades. Ouvem por alto as notícias sobre a crise, mas não se interessam por saber que empresas estão surgindo, indo bem e crescendo. Você sabe de algum desses casos?

Para ilustrar o que estou dizendo, lembro que foi recentemente inaugurado um restaurante de comida italiana em São Paulo, com filas intermináveis na porta. No setor de papelaria, falta lápis de cor e a principal fabricante está trabalhando em três turnos para atender à demanda, que quintuplicou. A venda de café em cápsulas também está em alta. Portanto, há boas notícias nesse mar de problemas que enfrentamos, e tão enganoso quanto não acreditar na crise é supor que tudo vai mal e não há como reagir.

Duas saídas são possíveis. Para você, profissional, aprimorar o seu networking. Para sua empresa, investir em propaganda. Pensando em você enquanto pessoa ou enquanto empresa, uma pergunta deve ser respondida: Por que motivo alguém quer me contratar?

Ninguém acorda de manhã pensando em pegar um táxi. Não é essa a prioridade. A prioridade das pessoas é descobrir como chegar aonde precisam da melhor forma possível. Por isso, não se estranha que o serviço de táxi esteja em declínio e o Uber, em pleno crescimento. Você sabia que a finada Kodak inventou a câmera digital, mas decidiu abandonar o projeto? Ela acreditava que a fotografia em papel era uma necessidade. No entanto, a prioridade das pessoas estava em registrar seus momentos e contar suas histórias. O resultado é que os smartphones em associação com as redes sociais substituíram com relativa tranquilidade as antigas câmeras fotográficas.

Só não se esqueça de que, mais do que provar sua utilidade, é necessário cultivar um relacionamento de confiança com as pessoas, tanto um(a) profissional com seus colegas e superiores quanto uma empresa com seu público. Hoje em dia, praticamente qualquer pessoa ou empresa pode aparecer na internet, compartilhar suas ideias e opiniões. Agora, gerar conhecimento relevante e saber conversar com seu público é outra história. Por isso, todo(a) profissional deve prezar por desenvolver sua rede social.

Meu conselho é que você agregue executivos que estejam um ou dois níveis acima de você em suas carreiras e que sejam capazes de influenciá-lo(a) com novas ideias. Mas não se restrinja a esse convívio. Não receie estar perto de gente interessante, de gente que faz você questionar o mundo do modo como o conhece. Agora, lembrar-se de seus amigos só quando as coisas não vão bem é uma péssima ideia, assim como uma empresa que deixa de investir em marketing para economizar. Sem criar e preservar vínculos, não há pessoa ou organização que suporte atravessar a crise, ver o seu fim e tornar a crescer.

 

silvio_celestino_blog

Sílvio Celestino é colunista do Blog do Runrun.it, autor do livro Conversa de Elevador – Uma Fórmula de Sucesso para sua Carreira e sócio-fundador da Alliance Coaching. @silviocelestino.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>