Water Scrum Fall: um “paradoxo” que tem ajudado empresas a adotar a metodologia ágil

Water Scrum Fall: um “paradoxo” que tem ajudado empresas a adotar a metodologia ágil

Se você visita nosso blog com frequência, deve estar acostumado(a) a topar com conteúdos sobre agile – aí incluída a estrutura de desenvolvimento chamada scrum. Sim, aquela que divide projetos em ciclos (geralmente mensais) chamados sprints. Agora vamos conhecer melhor uma outra forma de aplicar a metodologia nos seus processos, que pode parecer um tanto paradoxal: Water Scrum Fall.

Scrum em cascata? O que é isso?

De forma simplificada, vejamos o que significa cada um dos termos:

Water: Define o processo de planejamento inicial do projeto que ocorre comumente entre o setor de TI e o negócio.
Scrum: É a abordagem iterativa e adaptativa para realizar o plano geral que foi gerado da fase anterior (“Water”).
Fall: Um ciclo de lançamentos controlados e pouco frequentes, que é regido por políticas organizacionais e limitações de infraestrutura.

Ou seja, Water Scrum fall é uma abordagem híbrida do ciclo de gestão de processos, que combina os conceitos de Waterfall e Scrum. O que é curioso, porque ambas as metodologias são contrastantes, o que pode trazer problemas para um projeto.

Mas vamos entender a metodologia mais a fundo – e porque ela vem sendo tão utilizada por empresas de TI.

Waterfall – o desenvolvimento como um único grande projeto

Esta é uma das mais tradicionais formas de se gerenciar projetos de desenvolvimento. A abordagem surgiu nos anos 1970, e estabelece que todas as etapas de um projeto sejam seguidas de forma sequencial. Mas o modelo pode gerar muitos problemas de gestão, pois uma etapa só é iniciada quando a anterior for inteiramente concluída.

De forma mais abrangente, um time que utiliza a metodologia Waterfall entende o processo de desenvolvimento de um produto como um projeto de grandes dimensões. Ao final de todo o trabalho, o time libera o software funcional para uma equipe de operações e de manutenção. E o líder ou gestor (também conhecido como product owner) é quem vê o produto totalmente finalizado.

Scrum – outro pensamento sobre o desenvolvimento

Já o framework Scrum oferece outra abordagem sobre o desenvolvimento. Criada por Jeff Sutherland nos anos 80 como um processo de desenvolvimento iterativo e incremental, este é um dos métodos mais populares de implementação do agile. Baseia-se na realização de “sprints”, como dissemos, que são ciclos periódicos de resolução de pendências e em reuniões fixas. Normalmente os sprints têm 2 ou 4 semanas, e as reuniões são diárias (“daily”).

Ele traz como característica principal o componente humano do processo de desenvolvimento. Entre suas vantagens, está a possibilidade de trabalhar com menor participação do cliente. Além disso, o Scrum mantém a equipe motivada e o resultado mais refinado por priorizar qualidade em vez de um prazo reduzido.

Para saber mais, leia nosso artigo com formas de aplicação da metodologia ágil.

Water Scrum Fall: o primeiro passo de muitas empresas na metodologia ágil

Assim, como você pode perceber, ambas as metodologias são contrastantes. Mas a reunião de ambas sob o conceito de Water Scrum Fall vem ajudando diversas empresas a começarem a implementar a metodologia ágil em suas operações.

Porque essas organizações acabam introduzindo o método Scrum no meio de suas entregas (por isso é Water-SCRUM-Fall, e não Waterfall SCRUM) – a fase de construção do projeto. E, conforme amadurecem, as empresas expandem o Scrum para outras etapas do projeto.

O que fazer antes de adotar a metodologia

É fato que Water Scrum Fall tem seus problemas – justamente por contrapor metodologias antagônicas, o que pode confundir a equipe e atrapalhar as entregas.

No entanto, esta matéria do site especializado em desenvolvimento InfoQ traz algumas iniciativas que podem contribuir para que a implementação traga bons resultados.

São dicas para que sua equipe de desenvolvimento enfrente a realidade do Water-Scrum-Fall e consiga maior agilidade. Como:

  • Preparação da equipe: um time de Scrum devidamente preparado deve incluir todas as pessoas necessárias para a entrega de um software funcional. Isso significa, basicamente, desenvolvedores, analistas de teste e analistas de negócio trabalhando em prol de um objetivo comum;
  • Colaboradores estimulando colaboradores: para que a implantação seja bem sucedida, é indispensável que desenvolvedores contestem o status quo de implantações pouco frequentes em produção e impulsionar a criação de melhores processos e práticas de liberação de releases dentro da equipe;
  • Começar o quanto antes: com frequência, investir muito tempo em detalhes no início do projeto não irá aumentar a qualidade da release; ao contrário, é um desperdício.
  • Evite documentos, ou deixe-os sucintos: é fato que documentos são meios não muito eficazes para gerar um software funcional. Além disso, todo documento criado deve conter somente o suficiente para apresentar o contexto do problema e permitir um planejamento de alto nível para que o trabalho de desenvolvimento comece.

 

Agilidade na ponta dos dedos e controle total do projeto

Você quer aplicar os conceitos da metodologia ágil na sua empresa? Além de conhecer melhor os fundamentos do Water Scrum Fall, seu time pode contar com um dos softwares de gestão mais modernos do mercado, o Runrun.it.

Com ele, você consegue gerenciar suas equipes, organizar suas tarefas e estabelecer prioridades de trabalho. Com os princípios agile já embutidos, fica muito mais fácil praticar as técnicas de gestão mais adequadas para o seu negócio. Teste grátis hoje mesmo: http://runrun.it

Posts que você também vai querer ler:

Gif_Signup-1-1-3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>