Alinhamento estratégico: as pedras que estão no caminho da execução

Alinhamento estratégico: as pedras que estão no caminho da execução

Antes de começar a falar sobre a importância do alinhamento estratégico, vamos imaginar uma história bastante comum (e frustrante): uma empresa desenvolve uma estratégia para entrar em um novo mercado.

O plano parece infalível, com projeções financeiras animadoras. Mas na hora da execução nada sai como esperado e os resultados são desesperadores.

A diretoria da empresa, preocupada, solicita explicações. “O problema foi na execução”, dizem os gerentes. “Precisamos de mais recursos”.

O board rapidamente aprova um novo orçamento, fornecendo novos recursos. E o alinhamento estratégico permanece igual.

No entanto, após o novo prazo de implementação, o desempenho não passa perto do esperado. A resposta aos novos investimentos não aparecem, e os lucros não se concretizam.

Nesse momento, depois de perder tempo e dinheiro, os diretores de alto escalão já não acreditam que o problema seja na execução. E provavelmente, eles estão certos.

A questão está na lacuna entre esse alinhamento estratégico e a execução.

Uma pesquisa apresentada pela a Harvard Business Review (em que esse relato é trazido à tona) aponta que as empresas entregam, em média, apenas 63% do desempenho financeiro de suas estratégias.

E o pior dessa história: as causas desse gap muitas vezes são invisíveis para a alta administração.

Acontece que, ao tentar executar um plano aparentemente seguro, as lideranças podem tomar decisões equivocadas, perdem o controle da implementação e esquecem de rever o alinhamento estratégico. Ou têm medo de mudar o rumo no meio do caminho.

O resultado disso é desperdício de energia, de tempo e de dinheiro. E muita frustração.

Veja a seguir quais podem ser essas pedras que ficam no caminho entre estratégia e execução.

 

>> Leitura recomendada: Tempo é a matéria-prima mais importante das empresas de serviços

O que é alinhamento estratégico

O alinhamento estratégico da empresa acontece quando todos os setores orientam seus próprios programas com base no planejamento estratégico da empresa.

Juntamente com o plano de ação, o planejamento possui a estratégia que a empresa adota para crescer ou para manter-se competitiva, e orienta o caminho das atividades.  

O grande objetivo do alinhamento estratégico é unir todos os departamentos que estão envolvidos no negócio e fazê-los trabalhar em sintonia.

Assim, com todos caminhando na mesma direção, os recursos, sistemas e processos da empresa dão suporte ao cumprimento do planejamento tático.

Para se aprofundar no assunto, recomendamos ler aqui em nosso blog sobre o Balanced Scorecard (BSB), os “indicadores balanceados de desempenho” que irão te ajudar a definir estratégias e desenhar planos mais eficientes.

Como fazer o alinhamento estratégico

Como vimos, quando os valores das pessoas e as metas dos departamentos se alinham ao propósito e ao planejamento estratégico da empresa, tudo funciona com mais fluidez.

Por isso é importante realizar o alinhamento estratégico. Confira nestes seis passos a seguir:

  1. 1.Se ainda não tem, faça a relação da Missão, da Visão e dos Valores da empresa e certifique-se de que todos os colaboradores tenham conhecimento deles.
  2. 2.Crie um planejamento estratégico. Neste artigo do nosso blog você descobre todas as fases, processos e integrantes envolvidos para poder construí-lo.
  3. 3.Reúna todo o time e compartilhe com eles os pontos do planejamento.
  4. 4.Mantenha uma comunicação eficiente com as equipes, garantindo que todas as metas estejam sempre alinhadas com os objetivos estratégicos da empresa.
  5. 5.Crie um ambiente que motive as pessoas e que incentive a colaboração. Faça-os entender que a estratégia e as metas não são da empresa, são de todos. Essa é a essência do alinhamento estratégico.
  6. 6.Contrate pessoas que se alinhem com a cultura da empresa.
 

Relembrando a importância da Visão, Missão e Valores no alinhamento estratégico

O primeiro passo para o alinhamento estratégico é ter na empresa pessoas que conhecem e se identificam com esses três conceitos.

De acordo com o Sebrae, essa clássica ferramenta serve para “definir a direção estratégica da empresa: da integração das operações à estratégia da companhia e da motivação da equipe.”

Ela vem antes do próprio planejamento estratégico, pois sem ela é impossível pensar sobre o papel do seu negócio na sociedade e sobre o futuro da empresa.

Há diversas definições para estes termos, mas vamos considerar estes:

  • Missão: é o propósito de a empresa existir. Ela inspira a estratégia de crescimento, pois se relaciona com os objetivos, indicadores e metas da organização. Pergunte-se: que benefícios eu quero levar ao meu público? A resposta deve ser inspiradora e desafiadora.
  • Visão: é a situação em que a empresa deseja chegar em um período definido de tempo. Que objetivos você deseja alcançar nos próximos anos? Não se esqueça de definir indicadores e metas que façam a medição e mostrem se você está indo no caminho certo ou não. E não se esqueça de que são metas e não promessas.
  • Valores: são os ideais de atitude, comportamento e resultados que devem estar presentes nos colaboradores e nas relações da empresa com seus clientes, fornecedores e parceiros. Nem todas as empresas a definem, mas se você quer evitar turnover, por exemplo, não deixe de fazê-la e de considerá-la nos processos seletivos, na avaliação de desempenho dos colaboradores e na relação da empresa com clientes, fornecedores e parceiros.
 

Quais as consequências de não ter um alinhamento estratégico?

Quando o alinhamento estratégico não acontece, a empresa corre riscos de viver gerenciando crises, o que a faz perder oportunidades de mercado.

Equipes sem alinhamento estratégico não levam em consideração a Missão, Visão e Valores da organização. O ambiente interno torna-se confuso e os colaboradores podem se sentir inseguros, já que detectam essa inconsistência nos processos e percebem uma falta de visão de futuro.

Dessa forma, o clima organizacional vai ficando negativo, com profissionais desmotivados, que não prezam pela colaboração. A corporação fica sem personalidade, os resultados caem e o turnover aumenta.

Uma gestão estratégica preocupa-se com essa saúde organizacional e procura rapidamente fazer mudanças necessárias para alcançar realizar o alinhamento estratégico.

Vamos aprofundar um pouco mais sobre isso no tópico seguinte.

O que está no caminho entre o alinhamento estratégico e a execução

Agora, vamos trazer alguns possíveis gargalos que podem estar entre a estratégia e a execução dos seus planos, causando dificuldades no alinhamento estratégico. Com isso, você poderá fazer uma revisão da sua gestão.

1. Planos falhos desde o princípio

Michael Mankins, sócio da Bain & Company, afirma em outro artigo publicado na Harvard Business Review, que a lacuna entre estratégia e desempenho raramente é resultado de deficiências na implementação; é porque os planos são falhos desde o começo.

A visão de que a estratégia é eterna e imutável também paralisa os gestores, que preferem não mexer no alinhamento estratégico antes de ir até o fim – e fracassar nos resultados.

>> Leitura recomendada: 15 Segredos de um Planejamento Estratégico muito bem-feito

2. Estratégias com prazo a perder de vista

Um alinhamento estratégico precisa ter data para começar a ser executado e para terminar de ser implementado.

Sem determinar um prazo, sua estratégia se torna uma estrada sem fim. Com a dinâmica do mercado, se você não fizer mudanças rápidas, pode ser engolido pela concorrência.

Por isso, é importante dividir o tempo em que sua estratégia será executada, traçando objetivos e resultados trimestrais.

Envolva os líderes das áreas para que proponham as ações que julgam necessárias para atingi-los.

Para ter um fracionamento melhor definido, é possível usar uma metodologia como OKRs (Objectives and Key Results). Assim, fica mais claro quais são os objetivos macro da empresa (ou seja, sua estratégia) e todos entendem como seu trabalho impacta nos resultados.

Ao compartilhar esses objetivos inter-relacionados, que podem ser alcançados de forma individual ou coletiva, é feito um alinhamento estratégico e sua empresa consegue manter  entregas rápidas e tomar decisões agilmente, sem precisar esperar por uma reunião de board para corrigir a rota.

>> Leitura recomendada: Como traduzir a estratégia em OKR: minha experiência empreendendo no Runrun.it

3. Os colaboradores não conhecem as prioridades

Um ponto muito comum que impede a execução do seu plano e o alinhamento estratégico é não ter uma visão do que é prioridade dentro da estratégia da empresa.

Quando as lideranças não sabem o que é importante, os colaboradores trabalham sem foco e não atingem o que é mais prioritário para chegar às ações que levam ao objetivo esperado.

Para implantar a estratégia, é preciso encontrar uma ferramenta de priorização das tarefas. Com um software de gestão do trabalho, é possível automatizar essa priorização.

No Runrun.it, os colaboradores podem trabalhar em projetos paralelos de forma organizada, registrando o tempo alocado em cada atividade.

As projeções se tornam realistas, pois o sistema registra cada minuto trabalhado e traz projeções em tempo real.

4. Estratégia não alinhada com a cultura

Uma estratégia que não está alinhada com a cultura da empresa rapidamente perderá o foco na execução.

Pior que isso, os fracassos de planejamento e execução podem mudar a cultura da empresa.

Segundo a Harvard Business Review, a lacuna entre estratégia e execução promove uma cultura de baixo desempenho.

Isso é, em muitas empresas, os colapsos de planejamento e execução são reforçados por uma nova cultura de apagar pequenos incêndios.

Ao invés de se esforçar para garantir que os compromissos sejam mantidos, os gerentes, esperando o fracasso, procuram se proteger das eventuais consequências e gastam tempo cobrindo seus rastros.

A organização se torna menos autocrítica e menos intelectualmente honesta sobre suas deficiências. Consequentemente, perde sua capacidade de executar.

Conforme o artigo, essa mudança ocorre rapidamente e, uma vez que ela tenha se enraizado, é muito difícil reverter.

>> Leitura recomendada: [Ebook] Cultura de resultados: só se gerencia o que se mede

5. Não existe metodologia nem tecnologia para executar

Sem escolher uma metodologia, como já dissemos, você também pode criar uma grande lacuna entre estratégia e execução.

O mesmo vale para a tecnologia. É preciso agir com velocidade e adaptabilidade na execução e isso só um software de gestão oferece para a sua empresa.

Com a tecnologia certa, é possível realizar o alinhamento estratégico e a gestão dos projetos  em tempo real e acompanhar de perto o andamento de cada tarefa.

No caso do Runrun.it, a funcionalidade do Dashboard centraliza as informações mais relevantes, de forma direta.

No Dashboard do Runrun.it você cria suas próprias métricas e, utilizando filtros, seleciona somente o que interessa e arrasta os blocos para onde quiser.

Com isso, consegue controlar o tempo investido nas tarefas e clientes, prever gargalos e prazos estourados e aumentar a produtividade da empresa.

>> Leitura recomendada: 7 exemplos de automatização no Runrun.it

6. Falha na comunicação

A comunicação é um fator-chave para que você diminua o gap entre estratégia e execução. 

Isso porque sem comunicar objetivos a estratégia não sai do papel; sem alinhamento estratégico constante com a equipe as ações podem ficar sem rumo e os projetos sem prioridade. 

Além disso, os líderes precisam ouvir aqueles que têm a responsabilidade de fazer a operação acontecer no dia a dia.

Abra o diálogo:

– Quais são as dificuldades dessas pessoas?

– Qual é o escopo de trabalho delas?

– Quais recursos estão em falta?

Também é importante manter toda a comunicação interna formalizada, para evitar erros, retrabalho, conflitos e desmotivação.

É preciso adotar medidas que eliminem os riscos do “telefone sem fio”. Formalizar a comunicação é uma forma de anular os ruídos entre gestores e colaboradores e de garantir o alinhamento estratégico.

>> Leitura recomendada: Veja como desenvolver uma comunicação eficaz

7. Não existe visibilidade dos resultados da operação

Por fim, um grande vilão do alinhamento estratégico é não ter ferramentas de gestão que deem visibilidade para a operação e para saber o que, de fato, está sendo realizado.

Ao ter acesso a dados confiáveis e atualizados, a pessoa responsável pela gestão terá os insumos para tornar a sua equipe mais engajada na estratégia.

Isso porque com dados consolidados em mãos é fácil de fazer correções rápidas para manter a empresa na direção desejada.

O Runrun.it permite que você monitore, em tempo real, todas as demandas e projetos realizados.

Com o time intelligence, o software dá a visibilidade das métricas em forma de dados e informações importantes para gerar decisões.

Para ajudar no alinhamento estratégico, cultura, discurso e prática, você pode usar a gestão à vista.

Por meio de dashboards espalhados pela empresa, você apresenta as metas junto aos indicadores de produtividade e indicadores de desempenho mais importantes. Isso torna a operação muito mais transparente.

As vantagens e os perigos do conceito “fail fast”

O pensamento de errar e corrigir rapidamente (“fail fast”) pode ser positivo em pequenos projetos, pois permite mudanças aceleradas.

Mas, por outro lado, oferece riscos, porque nem todas as empresas têm estrutura e fôlego para falhar constantemente. E é bem possível que você falhe na execução se, por exemplo, não fizer o controle de horas ou não centralizar seus projetos em uma ferramenta.

Segundo o consultor estratégico de negócios Patrick Gray, em artigo publicado no Tech Republic, as melhores empresas procuram evoluir e progredir através de testes e aprendizado. 

“Pode parecer uma diferença semântica, mas testar e aprender é significativamente diferente do que falhar rapidamente”, diz ele.  

Uma forma de agir rapidamente é aplicar um framework de cultura de experimentação. Esse conceito essencial ao alinhamento estratégico envolve a implementação de novas ideias ou soluções em toda a organização, sem restringir isso a apenas alguns departamentos.

A ideia central é montar um processo de experimentos que tenham hipótese, observação, mensuração e aprendizado em cada teste.

Além disso, a experimentação precisa ser adotada em toda a empresa. E os gestores, juntamente com os executivos, precisam ter uma mentalidade aberta às opiniões de todos. 

Isso permite criar uma flexibilidade maior no alinhamento estratégico da sua empresa.

Uma tecnologia que te acompanha da estratégia à execução

O Runrun.it é a tecnologia em gestão de trabalho que irá te ajudar com o alinhamento estratégico. 

O software atua em todas as pontas do gerenciamento de uma empresa: 

  • no fazer a operação, organizando a estratégia e melhorando a produtividade geral das equipes; 
  • no medir os resultados, mapeando custos/prazos e entendendo melhor as métricas que devem ser controladas, o que ajuda a definir metas e reconhecer talentos; 
  • e no saber a estratégia, desenvolvendo projetos que realmente coloquem a estratégia na prática.
 

Através dos relatórios do Runrun.it, você tem dados precisos para controlar os custos da empresa e o trabalho das equipes.

Afinal, você é quem decide quais são os clientes e projetos mais estratégicos, e não pode deixar que seus recursos sejam investidos no que for menos importante.

Faça o teste grátis: http://runrun.it

 

Conteúdos mencionados:

https://hbr.org/2005/07/turning-great-strategy-into-great-performance

https://hbr.org/2017/11/5-ways-the-best-companies-close-the-strategy-execution-gap

https://www.techrepublic.com/article/why-fail-fast-is-a-terrible-business-philosophy-for-most-companies/

 
alinhamento estratégico”=

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>