Entenda como a gestão estratégica beneficia a saúde organizacional

Entenda como a gestão estratégica beneficia a saúde organizacional

A maioria das empresas estabelece planos ambiciosos e para tirar esse planejamento do papel a gestão estratégica entra em ação, para gerar sinergia entre as metas e a operação, fazer mudanças necessárias para alcançar os objetivos e gerenciar os recursos de maneira assertiva. 

As competências parecem bastante óbvias para se colocar em prática, mas na realidade muitas empresas não conseguem pôr a gestão estratégica em ação. O resultado dessa negligência é uma lacuna entre a ambição e o desempenho da empresa. No livro “A mentalidade do fundador” (2016), de Chris Zook e James Allen, mostra que sete entre oito empresas não conseguiram atingir um crescimento lucrativo. Ou seja: não apresentaram um crescimento real anual de 5,5% em receitas e lucros ao mesmo tempo em que obtinham seu custo de capital. 

Os autores apontam que o problema não é falta de planejamento, pelo contrário, 90% das 1.854 corporações que participaram do estudo desenvolveram planos estratégicos detalhados com metas muito mais altas. O desafio é fazer o acompanhamento e materializar as metas para a operação no dia a dia, assim os colaboradores que lidam diretamente com os clientes podem colocar em prática a estratégia almejada. Para evitar esses problemas na sua empresa, separamos algumas dicas para você adotar a gestão estratégica de maneira assertiva:

 

O que é gestão estratégica?

A gestão estratégica é um conjunto de ações que possibilitam melhores decisões e orientam as práticas de todos os setores ao longo do tempo. Isso acontece justamente porque essa ferramenta estratégica gera sinergia entre os fatores externos e internos, como ramo de atuação da empresa e cenário socioeconômico e político das regiões onde estão localizadas as filiais da organização.

Esses fatores que guiam a gestão estratégica devem estar disponíveis nos indicadores de desempenho da sua empresa, sendo eles:

  1. 1. Indicadores de produtividade – Qual é o rendimento e eficiência de cada colaborador? 
  2. 2. Indicadores de qualidade – O que fora da conformidade acontece nos processos da sua empresa? 
  3. 3. Indicadores de capacidade – Qual a capacidade de resposta de um processo?
  4. 4. Indicadores estratégicos – Quais metas definidas pelo board foram alcançadas?
 

No entanto, a gestão estratégica não para por aí. Para se tornar uma ferramenta competitiva, ela se baseia nessas informações analíticas e as transforma em ideias inovadoras para superar obstáculos, responder às mudanças de forma ágil mesmo diante das incertezas como da COVID-19 e gerenciar crises e recursos de maneira assertiva. 

Outro ponto destacado da gestão estratégica é a capacidade de alinhar em todos os setores e funções as metas do planejamento estratégico. Isso porque os objetivos definidos pelos diretores devem fazer sentido a todos os colaboradores da instituição, já que é o trabalho dos colaboradores que atingem as metas. 

Parece simples, mas essa é uma das maiores dificuldades das empresas. O artigo “The Office of Strategy Management”, publicado em 2005 na Harvard Business Review, aponta que, em média, 95% dos funcionários de uma empresa desconhecem ou não entendem sua estratégia. Se os colaboradores mais próximos dos clientes não têm clareza sobre a estratégia da instituição, certamente não conseguem implementá-la de forma eficaz.

Uma pesquisa lançada por nós do Runrun.it, em 2020, mostra que cerca de 50% dos colaboradores entendem de maneira clara as metas da empresa, a outra fatia fica no escuro podendo tomar decisões no achismo e colocar em risco o posicionamento e atuação definidas pela organização. Esses problemas de percurso e orientação podem ser resolvidos com a gestão estratégica, mas precisam caminhar de mãos dadas com a gestão de pessoas da instituição.

 Para isso, as empresas têm adotado o Plano Estratégico de uma Página (OPSP, na sigla em inglês), uma ferramenta que alinha os objetivos corporativos em todos os níveis de uma empresa, a partir de uma linguagem acessível dos valores e metas da organização. 

>> Leitura recomendada: Transformática: fatores-chave para alcançar a maturidade digital nas empresas

Planejamento estratégico e gestão estratégica: qual a diferença?

Antes de seguir com o tema, é preciso distinguir para que serve o planejamento estratégico e onde entra a gestão estratégica. Os dois costumam ser confundidos, no entanto, as suas funções são diferentes e o primeiro só é efetivo com a atuação do segundo.

Em resumo, o planejamento estratégico define onde a sua empresa quer chegar a longo prazo. Para isso, envolve a construção de ideias que são transformadas em objetivos sólidos e gerenciados pelo plano de ação. Já a gestão estratégica diz respeito à implementação, análise, monitoramento e ajustes desse plano. A gestão e o plano de ação trabalham em sinergia, já que ambos buscam o mesmo objetivo: alinhamento dos recursos e ações da organização para alcançar as metas do planejamento.

Para definir os objetivos do planejamento estratégico, você pode adotar a metodologia OKR (Objetivos e Resultados-chave, em português), que inclui os colaboradores nessa decisão. Na metodologia, os diretores definem as metas macro, que servem de norte para a construção dos objetivos a serem construídos coletivamente pelas áreas junto com os respectivos funcionários. Esse movimento possibilita uma melhor comunicação sobre a estratégia da empresa, pois as pessoas sabem o que a instituição está valorizando e podem alinhar sua atuação a esses valores. 

Outro ganho é que nada melhor para as organizações do que terem metas formuladas por quem realmente coloca a mão na massa. Dessa forma, os objetivos são mais facilmente integrados à operação. 

Se você quiser saber como implementar o OKR na sua empresa, assista ao webinar que o nosso CEO, Antonio Carlos Soares, gravou com a CPO da GhFlyNetwork, Souzanne Dupont. É só dar o play:

Quais são os objetivos da gestão estratégica?

O primeiro objetivo da gestão estratégica que você precisa ter em mente é que ela permite que as áreas foquem no alcance das metas, enquanto uma equipe ou setor específico avalia as informações para fazer os ajustes e alocação de recursos de maneira eficaz.   

No entanto, as pessoas responsáveis pela gestão estratégica não ficam isoladas, pelo contrário. Elas precisam manter um contato com os gestores das áreas para estarem a par da realidade da operação, evitando uma tomada de decisão que não faz sentido para os setores diretamente afetados. A partir disso, a gestão estratégica oportuniza as seguintes vantagens competitivas para o seu negócio:

Análise dos pontos fortes e vulnerabilidades

A gestão estratégica permite uma visão 360 graus sobre a sua empresa, assim você consegue mapear os pontos fortes e fracos para definir os objetivos e fazer ajustes necessários para  alcançá-los ao longo do tempo. Isso só é possível por conta do monitoramento frequente da gestão estratégica, junto com o cruzamento dos indicadores e as informações qualitativas que o setor coleta com os gestores da áreas. 

De qualquer forma, esses pontos podem mudar ao longo do tempo por motivos internos e externos. Por exemplo: se a sua empresa utiliza algum recurso natural, essa sempre será uma vulnerabilidade, mesmo com todos os cuidados esse é um tema delicado. Agora, se uma das suas concorrentes se envolver em um escândalo nessa área, essa passa a ser um ponto forte neste momento, que precisa ser trabalhado pelos setores responsáveis.

Melhores resultados

Quando você passa a acompanhar de forma frequente e estratégica os indicadores de desempenho do seu negócio, consegue fazer ajustes para tirar todo o potencial de um recurso e elevar os resultados positivos da sua empresa. Além disso, com a gestão estratégica fica mais fácil antecipar ou resolver um obstáculo antes que ele cause um impacto negativo para o seu negócio. 

Esses melhores resultados são alcançados com a análise e também adotando uma liderança resiliente. Essa capacidade te ajuda a superar os desafios sem abalar completamente as estruturas do seu negócio e alinhar de maneira eficaz valores institucionais com a tomada de decisão das equipes. Como aponta o artigo “Strategic resilience during the COVID-19 crisis”, publicado pela consultoria McKinsey em 2020, as empresas que têm se mantido resilientes conseguem adaptar suas estratégias com mais agilidade e assertividade mesmo diante de uma crise sanitária, econômica e política como a que estamos vivendo.

Redução de riscos 

A partir da consolidação dos dois elementos acima, você consegue reduzir os riscos da sua empresa. É importante ser ambicioso na definição de metas, mas a ambição não deve ir na contramão dos seus recursos e impactar negativamente na imagem organizacional. Imagine elaborar um planejamento de marketing e no meio do caminho da sua consolidação descobrir que não tem equipe ou verba suficiente para dar continuidade de maneira eficiente? Todos esses problemas de percursos são antevistos pela análise da gestão estratégica. 

O que a sua empresa tem a ganhar com a gestão estratégica?

A partir dos objetivos da gestão estratégica já dá para reconhecer alguns benefícios competitivos para a sua organização. Além dessas vantagens, você consegue otimizar os recursos da sua empresa, pois eles são alocados de maneira estratégica, justamente para aproveitar todo o potencial. Essa otimização pode gerar:

  • Redução de custos;
  • Melhora a gestão do tempo das equipes;
  • Diminuição de gargalos;
  • Fortalece a inovação. 
 

Junto com isso, a gestão estratégica permite um maior alinhamento dos valores e objetivos entre todos os setores da sua empresa, o que beneficia a cultura organizacional. Uma das maiores vantagens para esse alinhamento é a tomada de decisão mais assertiva por parte dos colaboradores. Afinal, quando os times sabem com clareza as metas e as estratégias institucionais, os gestores não precisam monitorar constantemente o trabalho dos funcionários para alinhá-los ao posicionamento da empresa. 

Com isso, a gestão também é impactada de maneira positiva, pois com direcionamentos claros as equipes sabem onde dedicar seus esforços e os líderes podem dar feedbacks que valorizam as habilidades que estão de acordo à estratégia da empresa e o que ainda precisa ser refinado. 

Além disso, dessas vantagens para as equipes, o artigo “The future of strategic risk management in financial services”, da Deloitte, cita os seguintes benefícios para as empresas que adotam a gestão estratégica para evitar e mitigar os riscos:

  • Estabelecer governança para gestão estratégica de riscos;
  • Integrar as partes interessadas ​​pela estratégia e gestão de risco;
  • Implementar processos de revisão dos riscos;
  • Treinar líderes para gerir riscos de maneira ágil e assertiva;
  • Diagnosticar com antecedência o impacto dos riscos nas principais áreas do seu negócio.
 

>> Leitura recomendada: Conheça a gestão 4.0 e saiba como ela pode fazer sua empresa crescer

Dicas para adotar a gestão estratégica na sua empresa

Se você quer levar a gestão estratégica para a sua empresa ou aperfeiçoá-la, nós separamos algumas dicas para te ajudar. Como havíamos mencionado acima, é importante contar com uma equipe ou setor específico para gerenciar essas informações, justamente para que as áreas possam se dedicar ao trabalho que traz valor ao seu negócio e não em mudanças necessárias para trilhar o melhor caminho. 

Isso depende do tamanho da sua empresa também. Se o seu negócio ainda não conta com uma equipe, o ideal é começar delegando essa função a alguém. Se você tem uma equipe responsável, os passos seguintes são: diagnóstico, formulação da gestão estratégica, monitoramento e fortalecer a gestão. 

Diagnóstico

Antes de elaborar uma nova gestão estratégica, é necessário fazer um diagnóstico das atuais ações para avaliar seus resultados, analisar os objetivos já definidos para verificar a necessidade de alterá-los agora ou se é possível aguardar até o próximo ciclo de elaboração. Esse diagnóstico é importante porque algumas das suas estratégias podem ser efetivas, então, nem tudo precisa começar do zero. 

Se você não tem um hábito de acompanhar seus concorrentes, vulnerabilidade e pontos fortes internos e externos da sua empresa, esse exame precisa fazer parte do seu diagnóstico. Para isso, você pode adotar a análise SWOT (Strengths, Weaknesses, Opportunities, and Threats), que consiste em um exame detalhado da situação da empresa. 

O principal objetivo dessa análise é dar um diagnóstico estratégico que deve prever condições negativas e firmar diretrizes que façam a ação se destacar. Isto porque combina fatores externos (as forças e as fraquezas) aos externos (as oportunidades e as ameaças).

Formulação da gestão estratégica

Após esse diagnóstico, você passa para a construção da base do seu plano de ação. Esses direcionamentos precisam ser flexíveis para absorver modificações sem a necessidade de reformular o plano por completo. A base também garante prever direções, afinal a gestão estratégica não pode ser resumida em apagar incêndios.

Além disso, é importante você guardar as informações das ações planejadas e realizadas para servir de base para os planos futuros. Esse histórico poupa um tempo precioso da sua equipe e ainda evita que você precise lidar com a incerteza, já que tem uma base de informações com o que deu certo e insights para as próximas ações. É essencial que a sua empresa esteja disposta a aprender com as ações, nem tudo pode gerar o resultado esperado, mas você pode sair do escuro sobre as decisões de compra dos seu público e explorar outros campos, por exemplo. 

Monitoramento

Conforme você for implementando as ações da melhor maneira para a sua empresa, é necessário fazer o acompanhamento das métricas e indicadores para saber como o seu público, equipes e setor está reagindo às suas estratégias. É justamente o monitoramento que garante a excelência dos seus métodos. 

Nessa etapa, é essencial que a equipe responsável pela gestão estratégica não fique isolada e tenha um contato frequente com os gestores das áreas para alinhar ações à realidade das equipes. Você pode fazer isso por meio de reuniões semanais ou mensais, assim você deixa todos na mesma página. 

Fortalecer a gestão

Para a gestão estratégica funcionar bem, é preciso que a relação de líder e equipe esteja fortalecida, afinal, como falamos, são os colaboradores que colocam as ações em prática e alcançam os objetivos. Para isso, você pode contar com um software de gestão como o Runrun.it. A ferramenta melhora a comunicação e a colaboração entre time e setores, além de deixar todos na mesma página com a gestão à vista a partir das funcionalidades de kanban e cronograma interativo. Dessa forma, você consegue acompanhar o desenvolvimento de projetos e ações em tempo real e solicitar ajustes de maneira rápida. 

Além disso, os gestores conseguem atualizar os responsáveis pela gestão estratégica com mais agilidade e assertividade sem precisar conferir as informações inúmeras vezes com os colaboradores que estão dedicados às funções que trazem valor à sua empresa. Crie a sua conta e teste grátis: http://runrun.it

gestão estratégica” width=  

Link de artigos e livros citados:

 

3 thoughts on “Entenda como a gestão estratégica beneficia a saúde organizacional

  1. É possível “terceirizar” a gestão estratégica? Se não tenho nenhum profissional específico e com conhecimento para realizar essas atividades, quais seriam os possíveis benefícios de ter um terceirizado e/ou consultoria realizando esse trabalho? E quais seriam os desafios?

    1. Olá, Rômulo. Sim, se você não possui um profissional para desempenhar essa tarefa, é possível contratar uma consultoria para lhe ajudar a colocar a gestão estratégica em prática. No entanto, é preciso que esse serviço esteja bem alinhado com a cultura organizacional da sua empresa, para que a implementação seja condizente com as metas e expectativas planejadas para a sua empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>