Como os dados podem te ajudar a fazer uma avaliação de desempenho mais precisa

Como os dados podem te ajudar a fazer uma avaliação de desempenho mais precisa

Você já ouviu falar em People Analytics? Sim, a prática de aplicar análises avançadas e grandes quantidades de dados à gestão de recursos humanos – não importando o tamanho que uma empresa tenha. Se há cerca de cinco anos apenas algumas companhias de ponta (como o Google) adotavam a metodologia, hoje ela está cada vez mais presente no mundo corporativo. Isso ocorre porque o People Analytics vem se provando uma forma muito eficaz de conduzir as atividades relativas à gestão de talentos de uma empresa – como fazer uma avaliação de desempenho, por exemplo. E é sobre esse processo de uso de dados para a verificação da performance de seus colaboradores que falaremos agora.

>> Leitura recomendada: Conflitos administrados, colaboradores engajados: com uma avaliação de desempenho, sua empresa só tem a ganhar

O que é mesmo People Analytics?

Trata-se do processo de coleta, organização e análise de dados sobre o comportamento dos colaboradores. O intuito é o de contribuir para a tomada de decisão em uma empresa – antecipando tendências e aprimorando a estratégia.

Em outras palavras, People Analytics nada mais é do que o reconhecimento de que os colaboradores são o mais valioso recurso de uma empresa. E que, portanto, é necessário mensurar para entender o que os torna engajados, produtivos e felizes no ambiente de trabalho. Para saber conhecer tudo sobre o assunto, não deixe de ler este artigo e este, sobre como o People Analytics pode transformar um ambiente de trabalho.

O emblemático case de uma rede de restaurantes

Agora, para que você entenda o potencial dos dados para a avaliação de desempenho, traremos um estudo de caso inovador – até pelo caráter abrangente com que a ferramenta foi utilizada. Afinal, de acordo com este artigo da consultoria McKinsey, até agora, o People Analytics era mais utilizado com foco em talento especializado e em processos individuais de RH (o que se justifica pela natureza das empresas que foram pioneiras na prática).

Mudando esse paradigma, a empresa em questão (cujo nome foi mantido em sigilo) analisou dados dos colaboradores da linha de frente do atendimento. O objetivo foi o de aprimorar a performance do negócio como um todo, melhorando também o desempenho dos serviços e, claro, a satisfação dos clientes. Um objetivo devidamente cumprido, incluindo um aumento de 5% nas vendas.

E conhecer a forma como esses resultados foram obtidos é fundamental para entender o potencial de People Analytics para a avaliação de desempenho.

>> Leitura recomendada: Por que e Como fazer uma pesquisa de clima organizacional

O desafio: diminuir o turnover

Antes de adotar o People Analytics, os gestores da empresa haviam tentado todas as estratégias tradicionais para melhorar a experiência dos clientes. Mas esbarravam num desafio e tanto: o alto índice de rotatividade (saiba o que é turnover) anual. Operando por meio de franquias e também de unidades próprias, a cadeia enfrentava problemas com a troca de seus colaboradores.

Os líderes acreditavam que diminuir esse índice seria um fator-chave para aprimorar a experiência dos clientes – e, assim, aumentar a receita. Abaixo segue o passo a passo de como esse processo foi implementado:

1 – Defina o que importa

Estabelecer de antemão os resultados esperados é um passo indispensável para o People Analytics. No caso da rede de restaurantes, foi necessária uma rigorosa exploração dos dados e uma aprofundada discussão entre os líderes para que se estabelecessem três métricas principais: receita por unidade, média de satisfação do cliente e média de agilidade do serviço (essas duas, medidas turno a turno).

Esse exercício permitiu destacar algumas métricas de performance favoráveis, e outras que atrapalhavam a busca pelos objetivos.

2 – Preencha as lacunas de dados

Ao coletarem os dados de sua força de trabalho, os gestores perceberam algumas lacunas – que listamos abaixo, junto com as iniciativas adotadas para preenchê-las:

Seleção e onboarding: havia poucas informações sobre traços de personalidade dos contratados. Alguns líderes consideraram – corretamente – que conhecer esses traços ajudaria a explicar diferentes comportamentos e performances, influenciando o atendimento ao cliente final. Assim, com a ajuda de um especialista em psicometria, a empresa criou uma série de jogos online, o que lhes permitiu desenhar um retrato detalhado de personalidades e habilidades cognitivas dos colaboradores.

Em segundo lugar, havia lacunas em informações relativas à gestão diária. Medir a qualidade da gestão nunca é fácil, e a companhia não tinha uma cultura de realizar pesquisas. Então, para ocupar esse vácuo, a empresa utilizou uma ferramenta chamada Organizational Health Index (OHI). Criada pela McKinsey, a solução apresenta 37 práticas de gestão que contribuem para a saúde organizacional e o melhor desempenho de uma empresa.

A terceira lacuna era relativa ao comportamento e às interações dos colaboradores. Para resolvê-la, foram instalados sensores que monitoravam a intensidade das interações físicas entre colegas. Esses sensores capturam o movimento dos colaboradores pelos restaurantes, o tom das conversações, e o que eles gastam falando versus o tempo que gastam ouvindo colegas e clientes.

3 – Considere as características pessoais de cada um

No varejo e em qualquer outro segmento, alguns traços de personalidade podem causar impacto maior nos resultados almejados. Por meio do People Analytics, a rede de restaurantes conseguiu identificar quatro “arquétipos” entre os funcionários de sua linha de frente:

  • Um grupo, de líderes em potencial, apresentava várias características similares às de gerentes de lojas;
  • Outro grupo, de “socializadores”, era amigável e apresentava alta inteligência emocional;
  • E o terceiro e quarto grupos foram os de “executores” que, em menor ou maior grau, focavam-se em executar tarefas.
  •  

Mas minha empresa é muito menor do que uma rede de restaurantes!

Isso não é problema algum. Mais do que um sistema, o People Analytics é uma filosofia de gestão de talentos, podendo ser adequada a organizações de qualquer tamanho – seja para uma rede de restaurantes, seja para uma startup.

O objetivo é utilizar os dados para aprimorar a avaliação de desempenho de sua equipe, de modo a tomar as decisões mais efetivas. E uma ferramenta de gestão como o Runrun.it também pode ser de enorme auxílio nesse processo.

O Runrun.it para registrar todas as informações das atividades realizadas, fornecendo relatórios de desempenho para que você consiga verificar a produtividade de cada colaborador. Faça o teste grátis desta ferramenta de gestão do trabalho: http://runrun.it

 

Gif_Signup-1-1-3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>