Metodologia lean: descubra como enxugar os excessos da gestão

Metodologia lean: descubra como enxugar os excessos da gestão

A metodologia lean é um tipo de gerenciamento que visa evitar desperdícios – de tempo, verba, mão de obra etc. -, empregando, assim, apenas o estritamente necessário para a realização de um determinado trabalho, etapa ou processo. Vamos conhecer um pouco mais sobre ela? Veja o que você vai encontrar neste artigo: 

 

O que é a metodologia lean

Em uma tradução literal, o termo lean deve ser entendido como “enxuto”. Ou seja, trata-se de um método que institui o uso de nada além do que os recursos necessários para a realização de um determinado trabalho, etapa ou processo, evitando desperdícios. 

Um dos grandes benefícios é que essa metodologia, aplicada à gestão de negócios, minimiza desperdícios em diversas frentes. Seguindo os princípios lean, líderes e gestores são capazes de aproveitar melhor o tempo dos colaboradores e aumentar a produtividade de suas equipes tomando algumas ações como, por exemplo:

  • identificar e eliminar constantemente problemas que atravancam os processos
  • garantir que o fluxo de trabalho esteja claro para todos, eliminando ruídos na comunicação
  • indicar sempre quais demandas e entregas são prioritárias
  • fornecer o suporte necessário para que a equipe possa efetuar entregas contínuas e de qualidade
 

A metodologia lean está associada ao Manifesto Ágil, que também prevê uma série de práticas para enxugar e dar mais leveza aos processos de desenvolvimento.

Qual é a origem do termo

O conceito começou a ser utilizado na década de 1980 como “Lean Manufacture” (Manufatura Enxuta). Na época, carregava a filosofia de otimizar a produção de veículos da indústria japonesa. A Toyota, por exemplo, incorporou esse método após a segunda 

No entanto, foi o professor James P. Womack, do MIT (Massachusetts Institute of Technology), que tornou a cultura lean conhecida mundialmente, após a publicação de seu livro A máquina que mudou o mundo em 1990 – escrito em conjunto com Daniel T. Jones e Daniel Roos. Nesse livro, Womack detalhou seu estudo sobre a indústria automobilística – principalmente a Toyota.

Hoje em dia, esse modelo de gestão é empregado em diversos tipos de empresas de produtos e serviços, quando combinado a frameworks ágeis.

O que é lean startup

Lean startup é uma expressão concebida pelo americano Eric Ries, empreendedor do Vale do Silício. Ries cunhou e apresentou o conceito no livro A Startup Enxuta, publicado em 2011, tornando-se um best seller nos Estados Unidos. O livro foi escrito com base nos conhecimentos adquiridos por Ries, combinando técnicas de marketing, tecnologia, gestão e sua vivência em startup.

O objetivo criar uma metodologia mais universal, que pudesse ser aplicada a qualquer tipo de empresa – inclusive empresas de grande porte, como uma poderosa ferramenta para melhorar os resultados da organização. Assim, o livro pretende ensinar empreendedores e líderes de negócio a otimizar seus produtos e serviços de forma contínua e revisar seus processos internos, sempre levando o feedback do cliente em consideração.

Daí deriva, inclusive, a vertente do lean marketing, que é a aplicação desse entendimento enxuto aos processos do setor – com a otimização do uso de recursos financeiros, humanos e de tempo. Aqui, no blog, já abordamos o agile marketing.

Assim sendo, falar de lean startup e de lean marketing é, também, falar da metodologia lean. E agora vamos ver como você pode aplicá-la na sua gestão.

Como adotar a metodologia lean

Se você acredita que a metodologia lean funcionaria bem para sua empresa, há algumas etapas que você precisará executar para implementá-la na sua gestão. Neste artigo para a Harvard Business Review, Steve Blank menciona três princípios que devem ser seguidos:

1 – Enxugue o modelo de negócio com o Canvas

De acordo com Blank, mesmo que seu plano de negócios tenha sido baseado em meses de pesquisa, antes da sua real efetivação não há nada além de hipóteses – boas suposições – que precisam ser comprovadas na prática.

Assim, em vez de consolidar um longo relatório de plano de negócios, você deve usar uma ferramenta chamada Canvas para montar o seu business model. Basicamente, trata-se de um diagrama que mostra, de forma integrada e visual, todos os aspectos relevantes em uma empresa. Assim, o Canvas serve de ponto de referência e linguagem comum na hora de trabalhar cada nova hipótese. 

Modelo de canvas

O Canvas é dividido em nove blocos e cada bloco é acompanhado de algumas perguntas que ajudam a definir seu conteúdo: 

  1. 1. Parcerias Principais: quais são seus principais parceiros e fornecedores e quais atividades vocês podem desenvolver juntos?
  2. 2. Atividade-Chave: quais são as atividades mais relevantes para o seu negócio
  3. 3. Recursos: Quais são os principais recursos que seu negócio requer? 
  4. 4. Estrutura de custos: Quais são os custos mais importantes inerentes ao nosso negócio?
  5. 5. Proposta de valor: qual  problema está sendo resolvido ou que necessidade está sendo suprida por meio de seu produto ou serviço?
  6. 6. Relacionamento com os clientes: que tipo de relação você deseja estabelecer e como ela se integra ao seu modelo de negócio?
  7. 7. Canais de comercialização: através de quais canais nossos clientes querem ser alcançados?
  8. 8. Segmento de Clientes: quem são nossos clientes?
  9. 9. Fluxo de Receita: qual valor os clientes estariam dispostos a pagar e como eles gostariam de pagar? 
 

>> Leitura recomendada: Canvas online: em que cenário sua empresa pode se beneficiar

2 – Teste as possibilidades com o Customer Development

Após estruturar tudo com o Canvas, você deve testar suas hipóteses com uma abordagem chamada de “desenvolvimento com clientes”, ou customer development. Para isso, você precisará trocar informações com potenciais usuários, compradores e parceiros para pegar suas opiniões sobre todo e qualquer elemento do modelo de negócios. Inclua, aí, características do produto ou serviço, preços, canais de distribuição e estratégias econômicas de aquisição de clientes.

3 – Adote o desenvolvimento ágil

Por fim, de acordo com Steve Blank, a metodologia enxuta orienta que você implemente o chamado “desenvolvimento ágil” em sua empresa. A metodologia ágil surgiu na indústria do software para fazer frente às práticas convencionais de gestão de projetos, como a Waterfall. Em vez de fazer apenas uma entrega do produto final, no desenvolvimento ágil são feitas várias entregas de versões do software ao longo do projeto, visando uma maior colaboração com o cliente, priorizando as suas necessidades.

Os princípios do ágil são:

  • Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas.
  • Software em funcionamento mais que documentação abrangente.
  • Colaboração com o cliente mais que negociação de contratos.
  • Responder a mudanças mais que seguir um plano.
 

Hoje, o ágil já ultrapassou as fronteiras da TI e os princípios ágeis são aplicados em empresas e organizações de diversas áreas. É aí que entram os frameworks, como Scrum e Kanban. Eles oferecem uma série de práticas que auxiliam as equipes a desenvolver seus projetos de acordo com os princípios ágeis, ou seja, evitando a perda de tempo e de recursos, e integrando melhor a equipe. 

Uma ferramenta para enxugar suas operações

O Runrun.it pode ser uma ótima ferramenta para você colocar a metodologia lean em prática. Nesta plataforma de gestão do trabalho, é possível ver quanto tempo os colaboradores estão investindo em cada tarefa e, assim, indicar quais demandas e entregas são prioritárias, assegurando que todos estejam engajados nos mesmos objetivos e evitando o desperdício de tempo.

Além disso, o software oferece monitoramento em tempo real de todas as tarefas e projetos. Tendo uma visão do todo, você consegue rapidamente identificar e eliminar eventuais gargalos nos processos, de maneira constante. Interessado? Faça o teste grátis hoje mesmo: http://runrun.it

metodologia lean

One thought on “Metodologia lean: descubra como enxugar os excessos da gestão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>