Melhoria contínua na gestão: como as lideranças podem ajudar nesse ciclo

Melhoria contínua na gestão: como as lideranças podem ajudar nesse ciclo

Não tem outro jeito: a melhoria contínua na gestão — e em todas as esferas de uma empresa — é um processo complexo, cuja implantação requer disciplina e rigor em alta escala. No entanto, os exemplos de algumas empresas mostram que, sim, é possível desenvolver líderes em qualquer lugar, transformando essa disciplina em um hábito diário de seus times, incorporando-a definitivamente aos processos da organização. Vejamos, agora, um pouco mais desses casos, de modo a te ajudar a implantar a melhoria contínua também na sua empresa.

O fato é que, mesmo em organizações que investiram anos (e muitos recursos) na melhoria contínua, o impacto não tem sido aquele desejado. De acordo com este artigo da McKinsey, isto ocorre porque os líderes e gestores dessas empresas não mudaram fundamentalmente a forma como lideram e gerem o negócio.

>> Leitura recomendada: Gestão da qualidade: ferramentas para sua empresa atingir a excelência nos processos

O que faz um bom líder?

Se você perguntar a qualquer grupo de pessoas sobre os melhores líderes que já tiveram, é muito provável que ouça as mesmas descrições: são aqueles que entendem como e o que os seus times estão de fato entregando para os clientes, aqueles que dão feedbacks preciso de forma correta, os que ajudam a solucionar problemas, e os que criam um ambiente de trabalho seguro e emocionalmente saudável.

De fato: uma pesquisa realizada pela própria McKinsey embasa a importância desses princípios. Realizada com 189 mil pessoas em 81 organizações, a investigação aponta quatro comportamentos distintivos do bom líder (e, em consequência, fundamentais para a melhoria contínua da gestão): foco nos resultados, disponibilidade para apoiar os colaboradores, capacidade de procurar diferentes perspectivas e capacidade de solucionar problemas de forma efetiva.

De acordo com a consultoria norte-americana, quanto mais consistentes são os líderes e gestores nesses comportamentos (ou, em outras palavras, em transformar tais princípios em padrões nas suas empresas), maior será a melhoria contínua na gestão que vão obter.

>> Leitura recomendada: O perigo mora nos detalhes: dicas de como ser um bom líder no dia a dia

A importância da coletividade

Para que a melhoria contínua na gestão realmente decole na sua empresa, é preciso que você, como líder, entenda a importância do trabalho coletivo. Toda a organização deve se entender como um só time, um grande time, para executar essas disciplinas como “trabalho padrão de liderança”.

O texto da McKinsey traz duas empresas que estão tentando abordagens nesse sentido — aqui, já usando elementos de inovação digital: um dos maiores bancos do mundo e uma multinacional de alimentos com mais de cem mil funcionários. Ainda que sejam organizações de dimensões imensas, vale o exemplo de como ambas estão utilizando possibilidades como análise de dados para ajudar grandes grupos de lideranças a internalizar rotinas e hábitos para obter a melhoria contínua na gestão.

>> Leitura recomendada: People Analytics: A tendência que está transformando a gestão de pessoas

Mudança de comportamentos: de complicação a competência

Tanto o banco quanto a companhia de alimentos reconheceram que teriam que tornar os novos comportamentos (aqueles que deveriam ser mudados) mais fáceis de serem absorvidos pelas lideranças.

Assim, cada empresa criou uma espécie de estrutura de suporte ao líder para ajudar a clarear quais suas prioridades realmente são — enquanto ajudam a própria organização a entender quão bem o líder está executando essas prioridades.

Em ambos os casos, os gestores perceberam que seus times também estavam mudando hábitos, o que consolidou o esforço da melhoria contínua. Com o tempo, essa mudança de comportamento se tornou tão intrínseca ao trabalho que líderes pararam de entendê-la como algo separado ou adicional (um fardo, portanto).

Implantando a melhoria contínua na gestão por meio da formação de lideranças

No fundo, e tomando as empresas acima como exemplos, percebemos que transformar hábitos de liderança em padrão implicam três elementos essenciais:

1. Definir o que líderes fazem — todos os dias

Assumindo que os comportamentos desejados não sejam novos, o que diferencia as organizações é como algumas fazem como que esses hábitos se generalizem. Assim sendo, as que obtêm êxito começam por definir exatamente quais são os comportamentos esperados no dia a dia, em todos os níveis.

>> Leitura recomendada: Dicas infalíveis para você aprender como ser um bom líder

2. Ajudar os líderes a efetivamente usarem seus times

Mas só deixar clara a agenda de prioridades dos gestores não é o bastante: um líder que acompanha o trabalho de seu time sem entender o que está acontecendo não será muito útil. Por isso, ele precisa da melhor informação possível para desenvolver insights mais apropriados e efetivos.

Empresas estão gerando terabytes de dados, mas líderes sofrem para encontrar aqueles que vão realmente orientá-los na tomada de decisão. Portanto, ajudá-los a obter essas informações que podem ser críticas para a performance — e apresentá-las num painel simples e claro, como o KPI dashboard — permite que os líderes se preparem com mais rapidez e eficiência para qualquer interação.

3. Monitorar e aprimorar os comportamentos continuamente

O maior problema de definir novos padrões de comportamento é que isso pode engessar os processos, impedindo, por um tempo, a flexibilidade operacional e o fluxo mais ágil de informações. Assim, parte fundamental dessa mudança é que os novos padrões precisam ser continuamente examinados e melhorados.

No caso da empresa de alimentação, isso significou refinar a forma como líderes conduziam seus gerentes da linha de frente. Antes, os líderes celebravam o fato de que a resolução de problemas reduzia o risco de colapso de máquinas e o tempo de ociosidade das fábricas.

No entanto, essa metodologia rapidamente atingiu um plateau, e a resolução de problemas se tornou um ritual “vazio”, imediatista. A organização percebeu que seria preciso ir além dos gerentes da linha de frente: a mudança teria que envolver os próprios líderes, que tiveram que aprender a fazer as perguntas corretas e realizar o coach com seus liderados para que as melhores respostas fossem obtidas.

A partir do momento em que líderes se engajaram de forma integral para ensinar seus comportamentos aos liderados, a resolução de problemas se tornou um processo mais profundo, e as soluções que daí surgiram foram mais permanentes.

>> Leitura recomendada: Despertando o melhor de sua equipe e dos seus resultados: como se tornar um líder coach

Utilize uma ferramenta para implantar a melhoria contínua na gestão

Algumas ferramentas e softwares ajudam a organizar as etapas dos projetos da sua empresa. Para mudar efetivamente o comportamento de seus colaboradores e acompanhar a formação de lideranças, também é importante utilizar uma solução que permita acompanhar e medir as ações e resultados de cada fase.

O Runrun.it é uma ferramenta indicada para líderes que desejam aumentar o engajamento de suas equipes, já que registra todas as informações das atividades. Facilite a comunicação entre as pessoas, organize as demandas e saiba quando as tarefas e projetos serão entregues e quanto vão custar de fato. Faça o teste grátis desta ferramenta de gestão do trabalho: http://runrun.it.

Gif_Signup-1-1-3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>