Smart drugs: o aumento do uso de pílulas para ‘turbinar’ o cérebro no trabalho

Smart drugs: o aumento do uso de pílulas para ‘turbinar’ o cérebro no trabalho

Estresse, lapsos de memória, falta de foco, cansaço, sobrecarga no trabalho, baixa produtividade… a lista de problemas no seu dia a dia de trabalho é extensa. Qual profissional nunca sofreu com algum deles? E mais, quem nunca pensou como seria bom se existisse uma pílula para resolver estas questões? É neste cenário que um remédio para memória e concentração pode conquistar uma legião de fãs.

Também conhecidos como smart drugs ou nootrópicos, estes medicamentos têm como principal função aumentar a capacidade cognitiva. Por isso, os compostos tanto químicos como naturais se popularizaram em ambientes universitários, de empresas de tecnologia e agências. A venda dos suplementos que potencializam o cérebro já passou de US$ 1 bilhão no mundo todo, em 2015, como mostra este artigo do British Medical Journal.

Imagine então que você, como gestor(a), ficou sabendo que alguns dos seus funcionários usam drogas cognitivas ou remédio para memória e concentração. A situação parece um tanto inusitada no momento, mas pode não ser no futuro. E se você pudesse ingerir uma pílula para estimular seu cérebro e aumentar as receitas da sua empresa, você aceitaria? A seguir, aprofundaremos o tema, que, apesar de tabu para muitas pessoas, vem se espalhando entre empreendedores e ganhando destaque no Vale do Silício.

Veja tudo o que você vai encontrar neste artigo:

 
 

Concentração e produtividade têm tudo a ver. Conheça 10 técnicas de gestão do tempo testadas e aprovadas

 

Histórico e fama das smart drugs

O termo nootrópico, na verdade, não é novo. Foi inventado pelo psicólogo e químico Corneliu Giurgea, no início da década de 1970, ao sintetizar pela primeira vez o Piracetam para combater a ansiedade.

A partir da década de 1990, alguns remédios, como Ritalina e Modafinil – prescritos para déficit de atenção e hiperatividade -, começaram a ser usados por estudantes nos Estados Unidos, com o objetivo de aumentar a concentração nos estudos e conseguir melhores notas.

É fato que, em sua origem, essas smart drugs serviam ao propósito de tratar distúrbios como os mencionados acima, além de epilepsia, narcolepsia e Mal de Alzheimer. No entanto, com o decorrer do tempo, as pessoas saudáveis passaram a utilizar remédio para memória e concentração como estimulante para impulsionar seu desempenho no trabalho.

No Brasil, a Ritalina também se tornou conhecida anos mais tarde e teve aumento de 775% no consumo entre 2002 e 2013, segundo a pesquisa da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

>> Leitura recomendada: Como melhorar a concentração e evitar distrações?

Crise criativa e o NZT

As smart drugs devem muito da sua fama ao filme Sem Limites. Lançado em 2011 e protagonizado por Bradley Cooper, o roteiro conta a história de um escritor em crise criativa e que passa a ingerir uma pílula fictícia chamada NZT.

Com o comprimido, seu cérebro começa a funcionar em uma velocidade incrível, o que promove sua evolução profissional. O filme incentiva o aproveitamento de “um potencial inexplorado”, só que nem todas as informações sobre o cérebro procedem, conforme explica essa matéria da BBC.

 

Apesar do filme recente, os estudos sobre ampliar o limiar intelectual são mais antigos. Esta pesquisa de 1954 relata a experiência pessoal de Aldous Huxley, que usou compostos químicos para tentar entender e expandir sua mente. Depois do experimento, o escritor e filósofo inglês escreveu o livro As Portas da Percepção e concluiu que é possível potencializar o cérebro.

>> Leitura recomendada: Dicas para aprimorar o seu processo criativo

Quem procura um remédio para memória e concentração?

Entre os estudantes americanos, é comum utilizar a Ritalina e outros remédios para melhorar sua concentração em sala de aula. Esta pesquisa revela que 18% dos alunos de universidades de elite como Harvard e Yale usaram alguma substância durante o ano letivo.

As smart drugs também passaram a frequentar as bolsas de valores dos Estados Unidos e os negócios tecnológicos. Além deles, os banqueiros e advogados aderiram aos remédios inteligentes. O Modafinil, inclusive, já foi considerado, em 2008, a “droga escolhida pelos empreendedores”.

 

Não há dúvidas do crescimento dessas pílulas e, para tentar suprir a demanda do mercado, já tem startups que oferecem remédio para memória e concentração no Vale do Silício.

>> Leitura recomendada: Déficit de Atenção e Hiperatividade no trabalho

Quem já testou as drogas inteligentes

Hoje CEO do Bulletproof em que aborda a otimização de desempenho, Dave Asprey explicou, em entrevista, que o uso já é comum nos cargos mais altos das empresas. “As pessoas inteligentes querem controlar sua própria biologia. Nós entendemos que podemos criar suplementos personalizados que auxiliem o cérebro a trabalhar melhor”, comentou.

>> Vídeo recomendado: Neste evento do VoiceAndExit, Asprey fala sobre como as drogas inteligentes o ajudaram e o tornaram mais eficaz.

 

Michael Schrage, pesquisador do assunto no Center for Digital Business do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), vê cada remédio para memória e concentração dentro de uma grande área de aperfeiçoamento de desempenho, junto com análise de dados, nutrição e comportamento. “Onde você pode desenhar a linha entre energético, seis xícaras de café e um medicamento de prescrição que o mantém mais alerta”, refletiu.

Já Tim Ferriss, empresário e investidor de empresas como Evernote, DailyBurn e Shopify, lidera um movimento para hackear a própria mente. Ele contou que mistura suplementos naturais e compostos sintéticos para encontrar os melhores estimulantes.

 

O jornalista britânico Johann Hari falou aqui sobre sua experiência com as smart drugs e como sentiu sua mente turbinada, trabalhando mais focado e mais rápido. Mas, por causa da falta de estudos sobre danos ao cérebro e os riscos futuros, interrompeu seu experimento.

Mas o remédio para memória e concentração funciona?

Em geral, as smart drugs propõem benefícios para evitar a perda de concentração, melhorar a capacidade de memória, aumentar a produtividade, diminuir o efeito das horas sem dormir e manter o controle do sono. Cada medicamento, contudo, pode ajudar você em variadas situações.

Proprietário do podcast Smart Drug Smarts, Jesse Lawler garante o funionamento das pílulas: “as smart drugs são apenas outra forma de tecnologia para potencializar nossa biologia básica”.

Embora Lawler assegure a eficácia do remédio para memória e concentração, ainda não há um consenso em relação aos reais efeitos – as pesquisas não apresentam resultados conclusivos. Uma parcela dos estudos mostra ganhos para pessoas saudáveis, enquanto outros não vêem vantagens. Isso sem contar a falta de informações sobre as consequências no longo prazo – após 10 ou 15 anos de uso.

Esta pesquisa do National Center for Biotechnology Information destaca a melhora da memória e do foco com o Modafinil. Porém, alerta para efeitos colaterais negativos, como privação do sono.

 

Professor de neurociência da Universidade do Texas, Lucien Thomson também coloca em dúvida a eficiência dessas drogas: “Se você tomar algo para melhorar a memória, por exemplo, estará afetando também outras funções cerebrais, com efeitos imprevisíveis”.

>> Leitura recomendada: Insights da neurociência para desenvolvimento pessoal

As smart drugs mais conhecidas

Já mencionamos anteriormente o Piracetam, a Ritalina e o Modafinil. Agora vamos conhecer melhor cada remédio para memória e concentração e algumas substâncias naturais:

1. Piracetam

  • Faz parte dos racetams, utilizados no tratamento de doenças neurológicas;
  • Remédio contra: epilepsia;
  • Usado para: aumento da atenção, da memória de longo prazo e facilidade de aprendizado;
  • Efeitos colaterais: sonolência e ganho de peso.
 

2. Ritalina (Metilfenidato)

  • Estimulante mais usado no mundo. É da família das anfetaminas;
  • Remédio contra: transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) e narcolepsia;
  • Usado para: melhorar a atenção e a concentração, facilitar a memória e o aprendizado, e deixar mais alerta;
  • Efeitos colaterais: pressão alta, arritmia, perda de sono e de apetite.
 

3. Modafinil

  • Conhecida também como Stavigile no Brasil, e como Provigil, Vigil, Modavigil, no exterior;
  • Remédio contra: narcolepsia e sonolência diurna por apneia do sono;
  • Usado para: aumentar atenção, concentração, memória verbal e numérica;
  • Efeitos colaterais: pressão alta, tontura, náuseas, perda de sono e de apetite, e arritmias cardíacas.
 

4. Adderall

  • Remédio contra: déficit de atenção. Tem efeito semelhante à Ritalina, porém é mais potente;
  • Usado para: aumentar a atenção e a concentração, facilitar a memória e o aprendizado;
  • Efeitos colaterais: ansiedade, impulsividade, arritmia, insônia e até risco de dependência com uso excessivo.
 

5. Ashwagandha (Withania somnifera)

  • Suplemento de ervas;
  • Usado para: combater a ansiedade e aumentar o foco;
  • Efeitos colaterais: dor de cabeça, queda da pressão arterial, úlceras no estômago e distúrbios da tireoide.
 

6. Bacopa monnieri

 
  • Planta nativa da Índia;
  • Usado para: melhorar a atenção, o aprendizado e a memória;
  • Efeitos colaterais: cólicas, náuseas, boca seca, fadiga, bradicardia, úlceras e obstruções gastrointestinais, e distúrbios da tireoide.
 

Aqui e aqui, você encontra mais compostos e potencializadores cognitivos.

Como ter acesso a esses medicamentos

A maioria dos remédios inteligentes só tem uso com prescrição médica. No entanto, já houve até um manifesto de pesquisadores de sete universidades americanas pedindo sua liberação.

No Brasil, as smarts drugs são controladas e precisam de prescrição. Então, é importante usar todas as informações disponíveis para saber sobre a procedência de cada remédio para memória e concentração, quais as substâncias presentes, o que pode fazer mal à saúde e os efeitos colaterais.

MindMed 

Em um artigo recente, a Fast Company abordou essa questão contanto a história da MindMed, uma startup do Vale do Silício, que estuda o uso de micro-dosagens e está em busca da legalização de ativos psicodélicos para o tratamento de vícios e potencialização da capacidade da mente humana. 

Apesar de os resultados atuais serem inclusivos, tanto do ponto de vista legal – o que claro, depende das leis de cada país e/ou estado – quanto da efetividade desses ativos e dos possíveis efeitos colaterais que essas drogas podem trazer para nós. 

Os estudos se concentram em um componente, o 18-MC, que teria o potencial para desligar uma pessoa dos vícios (em cocaína, metanfetamina, morfina, açúcar, álcool), da mesma forma que ligamos e desligamos uma lâmpada, como se fosse um interruptor. Porém, os testes de eficácia ainda não foram realizados em humanos. 

Além disso, existem as pesquisas com a micro-dosagem de LSD, algo que já pode ser considerado comum no Vale do Silício. Entretanto, essas doses devem ser administradas com cuidado, já que muitos trabalham e não tem tempo para uma “viagem de oito horas”, caso consumam uma dose maior do que a suportada pelo organismo. Porém, James Fadiman, amplamente considerado o pai da microdosagem, afirma que ao invés de uma viagem digna de Lucy in the sky with diamonds, o mundo teria uma aparência normal, só que com cores mais saturadas, como se você recebesse uma uma receita nova para o seus óculos. 

Porém, como já dito acima, não existe nenhum indício de que a MindMed tenha seus objetos de pesquisa liberados para consumo tão cedo, até mesmo levando em consideração que outras drogas que já provaram sua eficiência terapêutica e no combate de algumas doenças, como a maconha, são legalizadas em apenas alguns estados dos Estados Unidos.

Remédios falsificados e compra sem receita

Mas o pior cenário no acesso e consumo das smart drugs é o risco criado pelo mercado ilegal. A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que cerca de 15% dos remédios vendidos no mundo são falsificados.

 

E tanto os medicamentos falsos, como os sem registro e os contrabandeados trazem perigos à saúde. Segundo pesquisa da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), 9% dos brasileiros entrevistados disseram que já compraram remédios pela internet, e 28% admitiram adquirir medicamento de tarja vermelha ou preta sem ter receita do médico.

Onde entra a ética nesta história de smart drugs

Além das polêmicas em torno da eficácia, do acesso e da compra das pílulas, outro debate aborda a ética relacionada ao uso de remédio para memória e concentração. A questão levantada é até que ponto o aumento do desempenho cognitivo pode ser encarado como um “doping intelectual” nas universidades e nas empresas.

A situação é comparada aos esportes profissionais, que têm regras contra a utilização de substâncias que melhoram o rendimento dos atletas. Algumas entidades esportivas, como a americana National Collegiate Athletic Association, até baniram o uso de drogas inteligentes sem diagnóstico de TDAH.

O psicólogo Vince Cakic, da Universidade de Sidney, afirmou, em artigo para o Journal of Medical Ethics, que no futuro os estudantes provavelmente terão que se submeter a exames de urina. Porém, ele acredita que o consumo de drogas cognitivas deva ser considerado uma extensão natural do processo educacional.

É fato que a discussão está longe de acabar. A organização americana Intelligence Squared debateu com especialistas sobre a validade de universitários tomarem as drogas inteligentes, ou se é trapaça. Você pode ver o vídeo aqui em que eles tratam sobre os riscos e benefícios, quando deve ser permitido o uso e como as drogas podem evoluir a inteligência cognitiva.

E no dia a dia do trabalho como fica

 

As discussões sobre a ética incluem a rotina das empresas. Como os gestores devem se portar em relação ao tema? Como serão vistos os colaboradores com raciocínio, foco e atenção otimizados pelas smart drugs? Os colegas poderiam se sentir compelidos a consumir as pílulas para também turbinar o seu rendimento? E será que o melhoramento cognitivo com remédio para memória e concentração pode aumentar a pressão por resultados?

O que diz a legislação sobre as drogas inteligentes

No Brasil, na verdade, não há lei específica para remédio para memória e concentração. O problema é que, frequentemente, os medicamentos prescritos para tratar déficit de atenção ou hiperatividade acabam desviados para outras pessoas saudáveis. Ou pacientes simulam sintomas para conseguir a receita. Isso sem falar em receitas ‘compradas’ e nas vendas irregulares quando a farmácia aceita comercializar sem o receituário.

Nessas situações, existem penalidades previstas. A farmácia que vende remédios controlados sem receita pode ser advertida inicialmente, multada (entre R$ 2 mil e R$ 1,5 milhão), interditada e até ter o alvará cancelado.

Para o farmacêutico, há ainda um agravante. A venda sem receita de medicamento controlado, de tarja vermelha ou preta, configura crime, com pena de um a três anos de prisão. E, caso o remédio tenha alguma substância entorpecente presente na lista da Anvisa, se enquadra como tráfico de drogas, com pena de três a 15 anos de prisão.

 

Em outros países, existem certas regulamentações sobre as smart drugs. No Reino Unido, por exemplo, é legal possuir e usar o Modafinil sem receita médica. Já, nos Estados Unidos, é proibido.

Como potencializar a sua produtividade sem as smart drugs

Apesar do remédio para memória e concentração ser tentador, ainda existem algumas incertezas. E para quem procura outras maneiras de turbinar o seu dia a dia sem as smart drugs, um estilo de vida saudável ajuda a evitar problemas cognitivos. Os exercícios físicos, a alimentação adequada e o sono de boa qualidade são fundamentais para manter o corpo em ordem e a mente sã.

A meditação e a técnica de mindfulness são outras atividades que podem melhorar sua energia, evitar o estresse no trabalho e prevenir o esgotamento mental.

>> Leituras recomendadas:

 

Automação no trabalho para te ajudar

As atividades automatizadas ajudam no aumento da sua produtividade e do seu time. Para isso, você pode contar com um gerenciador de tarefas como o Runrun.it, um software de gestão em que você aperta o play na tarefa e o sistema produz um timesheet automático, gera relatórios gerenciais, ainda prevê atrasos de entrega e se o orçamento vai estourar. Além disso, a organização do fluxo de trabalho, a formalização das demandas e decisões melhoram a comunicação e tornam as relações mais transparentes.

Com o Runrun.it, você tem as ferramentas necessárias para evoluir os processos da sua empresa e atingir melhores resultados, gerenciando as tarefas, os custos e projetos, com eficiência. Use gratuitamente: http://runrun.it

remédio para memória e concentração

88 thoughts on “Smart drugs: o aumento do uso de pílulas para ‘turbinar’ o cérebro no trabalho

  1. Eu estou me preparando para uma prova há 2 anos, mas quando digo me preparar nao estou estudando como deveria….me disferço com grande facilidade, preciso me concentrar mas nao me concentro. nao consigo estudar se por exemplo tiver louça na pia, tenho uma especie de toc por limpeza entende? devo tomar algum remedio? marquei psiquiatra..mas sempre que vou dizem que é normal e bla ..bla..bla…nem sei mais o que pensar.

    1. Olá, Camila. Você está certa em buscar atendimento especializado neste caso. Para te ajudar, sempre pense nas suas prioridades, não conseguimos fazer tudo. Boa sorte na sua prova! 🙂

  2. Boa Tarde! Sofro de ansiedade e tal ansiedade tem me atrapalhado a fazer provas. Já cheguei a ir ao psiquiatra e relatar o meu problema, o mesmo não viu a necessidade de prescrever um medicamento, apenas me encaminhou a um psicólogo. Porém, sinto que se tivesse um medicamento me ajudaria mais, não que o psicólogo tem sido ruim, mas há momentos em que eu acho que vou pirar, acredito não ser capaz de nada.

    1. Oi Barbara, tudo bem? De acordo com seu relato, acredito que você possa procurar a opinião de um segundo profissional e manter o acompanhamento psicológico para te ajudar nesse momento!

      Abraços 🙂

    2. Olha, tenho TDAH e problemas com ansiedade. Passei uns bons anos me tratando só com psiquiatra/medicamentos e não vi muita evolução. A coisa só melhorou quando fiz terapia junto.
      Acho que pelo menos no começo é bom os dois juntos, então acho uma boa conversar sobre isso na terapia e procurar outro psiquiatra pra uma segunda opinião 😉

  3. Preocupada cá estou por perder a memória, pois estou no momento da Nha primeira gestação, não sei se é por isso que fico assim… Com os meus 22 anos esqueço tudo que fasso e dos planos, peço ajuda.🙏

    1. Oi Madalena, tudo bem? Existem alguns estudos que afirmam que é comum ter alguns lapsos de memória durante a gravidez. Porém, sempre consulte o seu médico para avaliar o seu caso específico!

    1. Olá Cristina, tudo bem? Antes de tomar qualquer medicação, por favor, procure um médio especializado para garantir que você não tenha efeitos colaterais.

      Abraços!

  4. Olá! Cheguei a ir em uma médica especializada em São Paulo, pelo convênio, que disse que eu tinha grandes sinais de possuir déficit de atenção (uns 90% de chance), mas que não poderia me diagnosticar sem um exame (que o convênio não cobre) que custa quase 20mil e que o tratamento só poderia ser feito através de psicoterapia especializada (também não coberta e também uma fortuna) pelo resto da vida. Saberiam me indicar onde poderia ir para conseguir realizar um exame diagnóstico que não me custasse os olhos da cara? Muito obrigada pela atenção!

    1. Olá, Paloma. Infelizmente não temos conhecimentos sobre valores de procedimentos ou clínicas especializadas. Só mesmo um médico poderia te ajudar nesse assunto.

    2. Olá, Paloma. Existe sim teste de concentração com preço acessível. Pode ser aplicado por um psicólogo o teste BPA. O melhor a fazer é conversar com um médico psiquiatra. Boa sorte!

    3. Olha, não sei que exame é esse de déficit de atenção que custa 20 mil. O que eu fiz foi um num centro psicológico, coberto pelo plano. Foram 5 sessões de 1 hora e meia durante uma semana. Uma série de testes de lógica, concentração, etc. No fim fui diagnosticado com TDAH.
      Quanto a pscoterapia, depende o que entende por “especializada”. Eu iniciei com a comportamental, que te ensinar certos “truques” para conviver com o TDAH, mas agora estou fazendo analitica, pra aprender a aceitar o TDAH e não me cobrar tanto, pra diminuir a ansiedade.

  5. Gostaria muito de tomar esse medicamento que é mais vendido no Brasil, pois faço faculdade e na hora de apresentar seminário fico nervosa e me dar um branco na hora de falar mas de vez em quando minha pressão fica alta. Por isso que não tomo.

    1. Oi, Adriana. As vezes é legal conversar com um médico a respeito disso, assim ele pode te indicar algo que ajude nesses momentos de ansiedade e nervosismo.

      1. Olá. Bom dia ! Gostaria de falar com vc . Eu estou com problema eu estou esquecendo as coisas. Tirei CNH e quando fui dirigir não lembrava mais de nada ! Isso está acontecendo sempre

        1. Olá Aline, tudo bem? Muitos fatores podem fazer com que tenhamos problemas de concentração ou mesmo de memória! Por isso, meu conselho é que você procure um médico para entender como está sua saúde física e mental!

          Abraços e se cuide!

  6. Boa noite tenho lapsos de esquecimento e também não Concigo gravar os estudos para concursos .
    Gostaria de saber oque devo fazer .
    Desde de já obrigado .

    1. Jenderson, acredito que o melhor a fazer é procurar um médico especialista que possa avaliar qual a melhor solução para você e se algum tipo de medicamento pode te ajudar nisso.

  7. Cuidado ao tomar estes medicamentos e principalmente levar esse assunto à uma consulta com psiquiatra, voce pode receber uma prescrição de um medicamento forte e perigoso sem a menor necessidade ates disso consulte um clinico geral pra te avaliar com um hemograma e exames de vitaminas pois as vitaminas D e B12 em baixas concentrações no sangue dão apatia fadiga, falhas na memórias, as vezes o problema pode ser mais simples.

    1. Oi, Deb! Você está totalmente correta: antes de tomar qualquer um desses medicamentos é necessários passar por médicos especialistas e fazer os exames indicados.

    1. Kiin, o melhor a fazer é procurar um médico especialista que possa avaliar sua necessidade e te prescrever o melhor medicamento para o seu caso.

  8. Olá, bom dia! Interessei seu blog sobre remédio para memória e concentração. No meu caso, estou fazendo curso de doutorado, a minha memória ficou mais lenta para produzir as palavras ainda menos concentração, então preciso de saber qual a indicação de remédio para melhorar memória, produzir mais palavras, aumentar inteligência e mais concentração? Desde já agradeço.

    1. Hely, doutorado é difícil mesmo, viu! Acho que o melhor seria procurar um médico especialista que possa te avaliar e indicar o melhor medicamento para sua necessidade.

  9. Bom dia não consigo me concentrar leio livro entendo na hora mas depois tenho que ke novamente pra entrende denovo assistir na hora faço comentários mas depois esqueço tudo de novo prova e bem difícil pra mim até pra escrever repito muitas palavras qual e os melhor pra mim até pra atenção foco eu sou muito ruim e isso me atrapalha muito como é chato aos 48 anos de idade qual médico devo ir e oque eu falo pra ele me passar o remédio e ruim ser assim

    1. Oi, Kátia. Você pode consultar um psiquiatra. Ele poderá te avaliar e indicar o medicamento melhor para o seu caso, se for necessário.

    1. Oi, Jorge. Nesse artigo, falamos sobre vários medicamentos diferentes. Sobre qual especificamente você está interessado em saber mais?

    1. Olá Fernando. Essas ervas tem efeitos colaterais semelhantes como tontura, náusea e boca seca, mas a resposta varia de acordo com o organismo de cada um.

  10. Ola. Estou estudando para uma prova de alemão, mas também devido à minha idade, 48 anos, me encontro com muita dificuldade de memorização e concentração. Já usei Ginkgo Biloba, sem grande efeito. Qual seria a melhor indicação para meu caso?

    1. Olá, Cláudia. Acredito que o melhor seria procurar um médico especialista para averiguar a necessidade de usar algum medicamente. Aprender novas línguas é difícil mesmo, mas continue se esforçando nos estudos. Estamos na torcida por você. 🙂

  11. Meu filho tem10anos e é portador da síndrome de Dwon,na escola ele não se concentra em fazer as atividades e não consegue pegar no lapis tem algun desses remedio q posso dar! Obrigada

    1. Olá, Gracione. Acredito que o melhor seria levar seu filho para consultar um médico especialista. A automedicação é algo perigoso e, no caso de crianças, ainda mais.

    1. Oi, Edio. Procure um médico especialista para te dizer se essa medicação já se encontra disponível em moçambique e se ela é ideal para o seu caso. 🙂

  12. Não consigo me concentrar nem quando leio daí 5 minutos esqueso o que leio ou o que assisti as vezes até o que falei e fico meio voada o que sugerem

    1. Olá, Edna. Obrigada pelo seu comentário. Alguns dos medicamentos citados no post como o Piracetam e o Modafinil podem te ajudar a se concentrar melhor na leitura. Mas, antes de tomar qualquer medicação, você deve consultar um médico que analise seu caso e prescreva o mais ideal.

  13. Boa tarde como faço para comprar o medicamento para melhorar na concentração e na memoria?, que seja medicamento de confiabilidade e com resultado a curto prazo e longo prazo

    1. Oi, João. Para adquirir qualquer um desses medicamentos que citamos, consulte um bom médico para que ele te prescreva o melhor para o seu caso e, com a receita em mãos, pode adquirir em qualquer farmácia de sua confiança.

  14. Tenho problema de conc3ntracao é na hora que vou fazer uma prova minha memória fica neutra não consigo raciocinar. Qual o melhor remédios destes acima é o melhor para meu caso.

    1. Olá, Ângela. Obrigada pelo seu comentário. Alguns dos medicamentos acima como o Piracetam e o Modafinil podem te ajudar a se concentrar melhor nas suas avaliações. Mas, antes de tomar qualquer medicação, você deve consultar um médico que analise seu caso e prescreva o mais ideal.

  15. Minha vó está com falta de memória as vezes troca os lugares onde está, troca os nomes das pessoas, isso acontece as vezes, tem algum remédio que ela poderia tomar.
    Abraço.

    1. OI, Vanderson. Medicamentos como Piracetam e Modafinil são alguns dos que podem ajudar na concentração e na memória. Mas o ideal é que ela consulte um médico antes de tomar qualquer medicação.

  16. Vou prestar um concurso, estou estudando muito,mas não consigo memorizar quando volto no que já li não lembro.
    Qual desses medicamentos seria o mais indicado para memória?

    1. Oi, Elisangela. Os remédios mais recomendados para melhorar a memória são: Piracetam, Ritalina, Modafinil e Adderall. Mas é importante consultar um médico antes de fazer uso de qualquer medicamento.

    1. Olá, Elcy. Tanto o Piracetam como o Modafinil podem ajudar na melhora da memória de curto e longo prazo. Mas o ideal é que você consulte um médico antes de fazer uso de qualquer medicamento.

  17. Ola gostaria de saber qual remedio mais indicado pra concentração e rapido aprendizado, pois estou em uma rotina super exaustiva,e sinto que preciso de ajuda pra lhe da com todas e absorver o maximo possivel de cada uma delas.
    Ass:josimeire

    1. Olá, Josimeire. No post, demos exemplos de alguns medicamentos que prometem melhorar a concentração, como Piracetam, Ritalina e Modafinil. Mas o ideal é que você consulte seu médico a respeito para saber qual é a melhor opção para você.

  18. Estou precisando de um remédio potente. Estou estudando para concursos mas como trabalho fora, sobra pouquíssimo tempo e sem falar no esgotamento físico e mental. Comecei a tomar o Cognitus (Bacopa Monnieri) espero ter o resultado desejado.
    Muito obrigada pelos esclarecimentos de cada medicamento.

  19. Boa noite pessoal eu irei fazer uma prova pra PM e tomo modafinil controlado queria saber se ele iria me prejudicar no exame toxicológico?

    1. Olá, José. Grande parte dessas drogas são detectadas no exame toxicológico. Porém, para ter certeza, o melhor seria consultar seu médico sobre o assunto.

  20. Tenho problemas com as coisas recente nãoesqueço de nada mas fica parecendo antigas na minha cabeça por ex o hontem fica parecendo antigo não parece ser recente sera quê algum remédio desse pide me ajudar?

    1. Valdeci, é possível que remédios para memória e concentração possam lhe ajudar. Entretanto, o ideal é que você converse com o seu médico para que ele possa lhe indicar a melhor opção.

  21. tenho problema de concentraçao gostei muito da materia,ao mesmo tempo gostaria de ajuda tenho sonho de fazer uma faculdade + tenho pavor de nao conseguir acho que tenho problema desde criança.

  22. eu dez de garoto sempre fui ruim na escola, mais agora estou com sessenta e cinco anos e tenho muita dificuldade de aprender alguma coisa eu leio um livro e depois não entendo nada e não gravo nada

    Jorge Ribeiro Gomes

    1. Oi, Dayenne! Esperamos que você possa seguir algumas dicas que trazemos aqui no blog para resolver seu problema sem precisar recorrer aos remédios. Sucesso!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>