Competências essenciais no trabalho remoto: você possui todas elas?

Competências essenciais no trabalho remoto: você possui todas elas?

Até muito pouco tempo, o trabalho remoto era visto por alguns gestores como algo inaceitável e por alguns colaboradores como algo desejado, mas impossível. Como sabemos, isso mudou drasticamente e o trabalho remoto deve continuar crescendo no pós-pandemia.

Um estudo feito com profissionais de todo o mundo sobre o futuro do trabalho, realizado pela Salesforce, mostrou que 52% dos profissionais estão dispostos a trocar de emprego para se manter em home office. O que esses respondentes têm em comum, ao contrário dos que afirmam não ter perfil para trabalhar longe do escritório, são as competências essenciais no trabalho remoto, ou seja, algumas habilidades que os fazem capazes de exercer suas funções em home office ou de qualquer outro local com prazer e facilidade, independentemente do contexto em que estão inseridos.

Para compreender melhor esse diferencial competitivo, é interessante pensar na palavra “faculdade”. Na raiz, ela significa capacidade, talento natural, além de designar instituição de ensino, que nos fornece, junto com um diploma, competências técnicas ou hard skills, responsáveis por um bom desempenho no dia a dia de uma profissão.

Além dessas, as outras habilidades requeridas pelas empresas, que não constam em ementas, estão ligadas ao significado genuíno de faculdade, são inerentes ao comportamento do ser humano. Por serem tão determinantes para um bom desempenho, são chamadas de soft skills ou competências essenciais, e cada ambiente de trabalho exige um conjunto diferente delas, inclusive o home office.

Esta forma de trabalhar, evidentemente, não será a única disponível no mercado, mas as estatísticas apontam que trabalhar remotamente, mesmo que algumas vezes na semana, é uma tendência que veio para ficar. Por isso, para se manter competitivo, é importante conhecer e desenvolver essas competências essenciais ao trabalho remoto. Neste artigo, listamos e detalhamos para você cada uma delas.

 

Trabalho remoto: uma evolução vertiginosa

A possibilidade do trabalho remoto vinha sendo estudada por empresas do mundo inteiro muito antes da pandemia, em 2020. Pesquisas anteriores a esse período já apontavam diversas vantagens desse modelo de trabalho – algumas ainda no campo da suposição, como a atração de talentos, a diminuição do turnover, a melhoria do trabalho em equipe e o aumento da produtividade entre os trabalhadores em home office.

Em 2015, uma pesquisa do Instituto Gallup mostrou que 37% das pessoas entrevistadas já haviam trabalhado remotamente pelo menos alguma vez em suas carreiras, um número quatro vezes maior, comparado a pesquisas feitas na década de 1990. E no ano seguinte, o Fórum Econômico Mundial, no seu relatório sobre o futuro do trabalho, apontou o remoto como “um dos maiores veículos de transformação” nas empresas.

>> Leitura recomendada: [Ebook] Trabalho remoto: benefícios, desafios & dicas

No entendimento das organizações que cogitavam essa possibilidade, haveria tempo para pensar em estratégias que garantissem o sucesso de um programa de “remotização”, como a adoção de ferramentas e capacitação dos envolvidos: gestores, colaboradores, colegas que continuassem trabalhando no escritório e até familiares precisariam receber treinamentos para saber como agir nas mais variadas situações do home office, inclusive receber a orientação sobre as competências essenciais no trabalho remoto.

Mas ninguém esperava que esse processo seria acelerado. Com a pandemia vieram as medidas emergenciais de isolamento social e o trabalho remoto deixou de ser uma tendência para o futuro para se tornar uma realidade imposta para quem estava preparado e para quem não estava.

As competências essenciais no trabalho remoto como solução aos desafios do home office

No censo de 2018, o IBGE registrou 3,8 milhões de brasileiros trabalhando em home office. Na pandemia, o levantamento do IPEA mostrou que a esse número se somaram mais 7,3 milhões de pessoas.

Para quem aderiu ao home office nesse momento caótico, o trabalho remoto virou sinônimo de isolamento e para muitos profissionais ficou difícil equilibrar todos os pratinhos. Além dos fatores de estresse já comuns em uma rotina de trabalho, haviam as incertezas do momento e todos os agravantes pandêmicos, que perturbaram a saúde mental de forma coletiva. E ainda: lidar com a solidão ou com a presença da família inteira em casa, incluindo crianças, o que prejudica a concentração e a gestão do tempo; a falta de estrutura para trabalhar, implicando numa má ergonomia etc.

Tudo isso gerou ainda mais estresse e uma sensação de exaustão mental, favorecendo falhas nos processos e um pior rendimento. Diante disso, é comum que vários profissionais tenham afirmado que não se adaptaram ou realmente não têm perfil para trabalhar remotamente.

>> Leitura recomendada: Competências socioemocionais como diferencial profissional competitivo

Ou seja, se num cenário saudável, “normal”, sem restrições sociais a capacitação das pessoas e as competências essenciais no trabalho remoto já estavam sendo consideradas, a necessidade delas foi comprovada na prática. Por exemplo, em 2017, um estudo da Cardiff University apurou que 44% dos colaboradores que trabalham home office na maioria do tempo confessaram que não sabiam como relaxar após o término do expediente, contra 38% dos que trabalhavam no escritório.

Pudemos confirmar isso em uma pesquisa que fizemos sobre burnout, no fim de 2020, com 1500 trabalhadores, em que mais da metade estava trabalhando 100% de forma remota. Concluímos que houve um aumento da carga de trabalho e também do sentimento de solidão e mais:

Dados da pesquisa realizada pelo Runrun.it mostra a importância de desenvolver as competências essenciais no trabalho remoto
Dados apurados pela pesquisa do Runrun.it sobre estresse e Síndrome de Burnout nas empresas

Como a tendência é que os modelos de trabalho home office e híbrido só cresçam, é de suma importância possuir as competências essenciais no trabalho remoto em qualquer cenário. Profissionais que têm iniciativa, usam da criatividade, se adaptam fácil e fazem uma boa autogestão, sendo flexíveis com as demandas ganham mais destaques. Então, vamos a elas!

As emoções e as competências essenciais no trabalho remoto

Uma das capacidades mais demandadas ultimamente foi a de saber lidar com as emoções, primeiramente as suas e então com as dos colegas, reconhecendo o seu valor e o do outro. Saber entendê-las e como reagir a elas é fundamental, sobretudo na hora de dar feedbacks ou até mesmo em calls com a câmera desligada, sem o contato visual tão importante às relações.

Aqui estão as competências essenciais no trabalho remoto reunidas no âmbito da inteligência emocional.

Autodisciplina

Como vimos, a falta de um lugar adequado para o trabalho e a dificuldade na adaptação podem trazer desafios para as rotinas, justamente por requerer uma mudança de pensamento e organização das tarefas do dia. Distrações com a família ou solidão, dificuldade de se distanciar das redes sociais e a ameaça da procrastinação são grandes desafios dos profissionais em home office hoje, segundo uma pesquisa da Robert Half. Porém, mesmo para quem consegue ter um ambiente mais bem estruturado para trabalhar em casa, precisa ter uma postura profissional para lidar com todas as dificuldades. Disciplina é uma das competências essenciais no trabalho remoto, porque é necessário ter disciplina em relação aos horários, cumprindo prazos, estabelecendo uma rotina e eliminando distrações, e ter autocontrole dos sentimentos e emoções, respondendo a mudanças e problemas de forma ágil e racional.

>> Leitura recomendada: Mundo BANI: saiba como essa visão pode preparar sua empresa para novos desafios

Ética e profissionalismo

Não é porque você está em casa que pode aparecer em uma call de qualquer jeito, concorda? É preciso manter um código de respeito, apresentando-se de forma adequada ao meio profissional, respeitando os horários estabelecidos pela empresa, fugindo da procrastinação, e falando sobre trabalho com o colega apenas dentro do horário delimitado para isso.

Autoconfiança

Uma das competências essenciais no trabalho remoto, que representa a capacidade de confiar no seu potencial e acreditar em suas habilidades, para ter iniciativa e poder trabalhar sem a necessidade de um supervisor na sala ao lado.

Capacidades relacionais fundamentais

Segundo pesquisa da Global Line com 145 empresas multinacionais que atuam no Brasil, a socialização é o maior desafio do trabalho remoto, com 68% das indicações. Criar conexões e networkings fica mais difícil, por isso, uma das competências essenciais no trabalho remoto é justamente a capacidade de se comunicar de forma eficaz, como veremos agora.

Comunicação

Com a ausência dos diálogos presenciais, não basta saber se expressar bem e de forma coerente, é preciso dominar as tecnologias de telecomunicação disponíveis e saber a sua hora de falar e o seu momento de apenas ouvir. Reportar um problema, por exemplo, o quanto antes for feito melhor para resolvê-lo, e saber como comunicar um erro para alguém ou para o grupo é a grande soft skill. Da mesma forma, a escuta precisa ser sensível e atenta, com empatia e respeito. Talvez, essa seja uma das competências essenciais no trabalho remoto mais valorizadas.

>> Leitura recomendada: Comunicação não-violenta como ferramenta de diálogo e empatia nas empresas

Trabalho em equipe

Você está sozinho em casa, mas não quer dizer que trabalha só. Uma das competências essenciais no trabalho remoto é saber como trabalhar em equipe fora do escritório. Isso envolve ser colaborativo nos trabalhos em conjunto e ter a habilidade de deixar seus interesses individuais de lado para alcançar o objetivo em grupo. Trabalhar de forma colaborativa requer transparência. Somente através da boa comunicação é que as equipes que fazem autogestão conseguem organizar melhor as atividades do dia e entender quando a Tarefa A precisa ser feita primeiro do que a Tarefa B, por exemplo, já que a A é mais relevante para os objetivos da empresa no momento.

Habilidades disciplinares imprescindíveis

No home office, muitas vezes, ganhamos autonomia para decidir quais atividades realizar primeiro e até conseguimos ter um pouco mais de flexibilidade nos horários. Para que isso não se transforme em problemas, vamos conhecer mais algumas competências essenciais no trabalho remoto.

Autogestão

Ser multitarefas não significa ser produtivo, por isso, para fazer um autogerenciamento é preciso equilibrar a sua vida pessoal com a profissional, gerir o tempo, organizar sua rotina e o seu fluxo de trabalho, ter consciência das responsabilidades e atitude para alcançar as metas. Nesse aspecto, um gerenciador de tarefas, como o Runrun.it, pode ser essencial.

>> Leitura recomendada: Alcance um novo nível de eficiência com a produtividade 4.0

Concentração

Numa pesquisa que fizemos sobre o clima organizacional nas agências, no início de 2020, constatamos que 48% dos entrevistados acharam mais difícil focar nas atividades no trabalho remoto. Superar as distrações e manter o foco nas tarefas e projetos são competências essenciais no trabalho remoto para ser produtivo e evitar a perda de tempo.

Adaptação

Trabalho remoto e flexibilidade andam juntos, não apenas na questão do horário. Imprevistos podem surgir e quando não temos o escritório físico da empresa para contar, é preciso ter soluções práticas para o que vier a acontecer. Conseguir se adaptar a qualquer mudança necessária é definitivamente uma das grandes competências essenciais no trabalho remoto. 

>> Leitura recomendada: Como a liderança resiliente eleva a inovação e a gestão de risco nas empresas?

Responsabilidade

O trabalhador remoto precisa ser uma pessoa confiável, para isso, além de ser eficiente, ele deve ser capaz de se responsabilizar pelos próprios atos, pelas consequências destes, sem transferir culpas. Além disso, o comprometimento com a empresa, com os colegas e com os prazos é indispensável.

Soft skills estratégicas

Solucionar problemas de forma prática é uma qualidade muito valorizada em qualquer profissional e ela também é uma das competências essenciais no trabalho remoto. Para conquistá-la, é preciso ter algumas outras, confira abaixo.

Pensamento crítico

Sempre se espera que os profissionais remotos tenham uma certa autonomia para tomar  decisões. Pensar com criticidade envolve habilidades para analisar e compreender problemas e conflitos, para resolvê-los da melhor maneira possível com rapidez, por isso está entre as competências essenciais no trabalho remoto.

Educação continuada 

O lifelong learning é uma filosofia muito em voga e refere-se ao aprendizado contínuo. Ter desejo e motivação para aprender sempre mais é uma das competências essenciais no trabalho remoto considerada um diferencial. Essa atitude reflete uma mentalidade de crescimento, a vontade de buscar coisas novas, adotar novas ferramentas e desenvolver cada vez mais o seu potencial.

>> Leitura recomendada: Transdisciplinaridade e a habilidade de conectar áreas bem diferentes

Como identificar as competências essenciais nas pessoas?

Caso o gestor queira analisar os funcionários ou basear as suas contratações nas competências essenciais no trabalho remoto, já existem avaliações nesse sentido, que prometem medir com precisão a presença ou ausência delas nas pessoas. Algumas empresas especializadas aplicam testes baseados na Axiologia, ciência que estuda os valores no sentido moral, desenvolvida pelo psicólogo alemão Robert S. Hartman e depois expandida para o campo das competências individuais pelo psicólogo norte-americano David Mefford.

Na pesquisa que fizemos, vimos que a maior parte dos colaboradores em home office sentem que os líderes confiam no trabalho que está sendo desenvolvido por eles, somente 16% sentiram que a microgestão aumentou. Então, se o objetivo é desenvolver ainda mais as competências essenciais no trabalho remoto, os gestores são a maior figura motivadora do time. Eles podem trazer esse assunto para ser discutido abertamente em rodas de conversa, sugerindo cursos, leituras, promovendo tech talks ou através da avaliação 360°. Uma coisa é certa: todas essas soft skills podem ser adquiridas com o tempo.

>> Leitura recomendada: Gestão no trabalho remoto: os principais desafios e as melhores práticas

Uma ferramenta essencial no trabalho remoto

Sua equipe já pode estar bem encaminhada em relação às competências essenciais no trabalho remoto, mas deixar todos na mesma página tem sido difícil para você? Então, está no hora de conhecer o Runrun.it, uma plataforma de gestão eficiente e na nuvem que vai organizar as tarefas e projetos da sua empresa de forma simples e rápida. No Runrun.it você monitora as interações e a troca de informações e tem acesso a relatórios gerenciais da sua equipe que irão ajudar no desenvolvimento de planos de ação e na criação de estratégias. Trabalhar de forma remota fica mais fácil com o Runrun.it. Crie a sua conta e teste grátis: https://runrun.it.

 
competências essenciais no trabalho remoto” width=

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>