Competências socioemocionais como diferencial profissional competitivo

Competências socioemocionais como diferencial profissional competitivo

As competências socioemocionais são habilidades que nos ajudam a superar os desafios cotidianos de maneira saudável. Essas capacidades cognitivas são estimuladas ainda na infância, o que justifica mudanças no currículo escolar brasileiro para dar conta não apenas de fatores técnicos da educação, mas também sentimentais. Conforme as competências socioemocionais foram se tornando um diferencial competitivo no mercado de trabalho, um leque de treinamentos e cursos interdisciplinares entre as áreas de Psicologia, Administração e Negócios surgiram para selar as pontas soltas entre o saber e o ser.

Isso significa que na teoria podemos até compreender o que cada habilidade sentimental emprega e como beneficia nosso dia a dia, mas a prática pode ser mais complexa e acabamos seguindo por outro caminho que não necessariamente o mais saudável. Um dos motivos para essa falta de sinergia é que no Brasil o tema ainda anda a passos lentos, por mais que tenha ganhado um gás nos últimos anos, como mostra o estudo de Matheus Berlingeri “Competências socioemocionais e o mercado de trabalho: um estudo para o caso brasileiro”. Para ele, a área no país ainda não conta com muitas referências próprias, o que limita os dados sobre como essas habilidades podem ser empregadas de maneira assertiva à realidade brasileira e acaba por importar fórmulas prontas de países desenvolvidos e consequentemente com outros desafios. Para saber mais sobre as competências socioemocionais, acompanhe o artigo:

 

O que são competências socioemocionais?

As competências socioemocionais são as nossas capacidades de administrar as emoções para gerar equilíbrio na vida em sociedade. Essas habilidades se desenvolvem ainda na infância e estão diretamente relacionadas à capacidade de mediar conflitos, responder de maneira ágil aos problemas e colaborar com os demais. No entanto, quando dizemos que as competências socioemocionais florescem já nos primeiros anos de vida esse desenvolvimento pode ser menos linear do que parece.

Isso porque, crescer em um ambiente familiar acolhedor não está diretamente ligado a ter essas competências. Os primeiros estudos sobre resiliência na área da psicologia, por exemplo, nasceram da pesquisa empírica do norte-americano Norman Garmezy (1918-2009) com crianças expostas a eventos traumáticos, que mesmo passando por situações difíceis superaram os desafios como se nada tivesse acontecido. Já o psicólogo Marshall Rosenberg (1934-2015) fundou a abordagem de comunicação não-violenta a partir da experiência em escolas e universidades que aboliram a segregação racial nos Estados Unidos, permitindo o ingresso de estudantes negros. 

Esses dois experimentos têm ao menos dois aspectos em comum: as competências estavam sendo postas em prática e as pessoas que as adotaram de alguma maneira melhoraram suas vidas. Por isso, ao planejar desenvolver as capacidades socioemocionais é necessário pensar em movimentos práticos de como aplicá-las e refletir sobre como essas competências podem de fato melhorar o seu dia a dia.

Mas lembre-se de não adotar uma postura rígida, essas habilidades precisam fazer sentido para você e cada pessoa tem um jeito, expectativas e trajetórias. Por isso, se comparar de maneira impositiva com alguém que já conseguiu desenvolver as competências socioemocionais ou exigir de si mesmo alcançar algum nível de perfeição é receita para cair na Síndrome do Impostor

Para saber como aplicar a comunicação não-violenta no seu trabalho, assista ao webinar que nosso CEO, Antonio Carlos Soares, gravou com a facilitadora de diálogos, Debora Gaudêncio:

Quais são as principais competências socioemocionais?

Existe um leque de competências socioemocionais, algumas vezes o que muda é a nomenclatura, mas o objetivo é o mesmo, ou é específica a uma profissão ou momento, como é o caso da vulnerabilidade na liderança. Essa capacidade, que significa criar conexões sólidas com os colaboradores, começou a fazer mais sentido em meio às transformações da pandemia. Diante disso, as instituições têm investido em treinamentos para que as lideranças integrem às suas competências de gestão, habilidades capazes de reter talentos e melhorar o clima organizacional. Para te ajudar a conhecer essas competências, separamos aqui as principais capacidades que você não pode perder de vista:

Autoconhecimento

O conceito de autoconhecimento, segundo a psicologia, significa o conhecimento sobre nós mesmos. Essa habilidade faz com que você alcance o controle sobre suas emoções, independente de serem positivas ou não. A capacidade é a primeira da lista justamente porque permite que você descubra suas qualidades, capacidades e os pontos que devem ser melhorados. 

Autoestima

Quando você consegue desenvolver o autoconhecimento, está a um passo da autoestima. Essa competência socioemocional está ligada à capacidade de entender seus pontos fortes e vulnerabilidades, sem que isso prejudique a sua confiança. 

Autoconfiança

Assim que você desenvolve a autoestima, naturalmente alcançará a autoconfiança, isso porque quando você tem ciência sobre as qualidades também tem segurança sobre seu potencial e confia no seu trabalho entregue.   

Autonomia

Também conhecida como pró-atividade e iniciativa, essa habilidade contribui para que você seja autônomo no desenvolvimento das suas tarefas, respondendo de maneira ágil e assertiva aos desafios de uma atividade. Da mesma forma, a autonomia também é reconhecer a responsabilidade pelo próprio desenvolvimento do trabalho e consequentemente da carreira, se distanciando da percepção de que você precisa de determinado fator externo, como empresa ou gestor, para de fato progredir na profissão. 

Responsabilidade 

Falando em responsabilidade, desenvolver essa habilidade é essencial para tomar melhores decisões. Isso porque cada escolha tem suas consequências, por isso elas precisam ser decididas com base em nossos valores pessoais e éticos. Além disso, ter responsabilidade é essencial para trabalhar bem em equipe e saber o quanto de tarefas você consegue se incumbir sem diminuir a qualidade da entrega e evitar a sobrecarga de trabalho.

Ética

A ética é uma competência que nos ajuda a decidir o que é certo e errado e evitar julgamentos desleais dos colegas. É a partir dessa habilidade que conseguimos tomar melhores decisões embasadas naquilo que nos fazem bem e desejamos alcançar.  

Empatia

A empatia proporciona um olhar para o outro buscando compreender suas decisões e maneiras de ser sem julgamentos. Essa competência socioemocional permite que você lide melhor com seus pares. Diferente da noção etnocêntrica, que tenta entender o outro a partir daquilo que você entende como certo ou ideal, a empatia não interfere no funcionamento de ambas as partes, mas sim melhora o relacionamento entre as pessoas.

Liderança

Essa habilidade não diz respeito sobre como ser um bom líder, no sentido de como exercer as funções técnicas de um gestor, mas sim sobre a capacidade motivar, influenciar e comandar um grupo de pessoas para atingir metas. Desenvolver essa competência socioemocional é essencial se você pretende ser líder, já que assim demonstra para a sua empresa a capacidade de gerir pessoas

Comunicação

Essa competência socioemocional diz respeito à capacidade de se expressar de maneira clara, concisa e segura para os demais, evitando ruídos na comunicação a partir da organização dos pensamentos de maneira direta e completa, não deixando as informações pela metade ou ambíguas. 

Paciência

A paciência é a habilidade de manter um controle emocional equilibrado independente dos erros ou fatos indesejados que tenham ocorrido, permitindo que você tome as melhores decisões sem que as mesmas sejam motivadas pela ansiedade ou nervosismo. 

Organização

Essa competência socioemocional permite transmitir e trocar informação de forma adequada e eficiente, fazer a gestão das suas tarefas de maneira a alcançar as metas sem que isso te custe jornadas de trabalho mais longas, perdas de prazo e desencontros de informações. Para isso, você pode contar com recursos como checklist e outras técnicas para melhorar a sua gestão do tempo.

Flexibilidade/adaptabilidade

Para responder ao dinamismo do mercado de trabalho, é necessário ser flexível e adaptável às transformações do cenário e carreira. Dessa maneira, você consegue aderir às mudanças sem que isso impacte profundamente as suas estruturas. Um dos exemplos é o reskilling de competências para permanecer em sinergia com as exigências da sua profissão.

Criatividade

A criatividade por muitas décadas esteve associada somente às áreas criativas da empresa, mas cada vez mais há a exigência para que profissionais de todos os setores desenvolvam essa habilidade para ter ideias inovadoras. Um dos motivos é que as equipes passaram a ser mais interdisciplinares, logo, todos os colaboradores passaram a trocar conhecimentos antes mais restritos às suas áreas de formação. 

>> Leitura recomendada: Criatividade e inteligência de dados: desbloqueie o potencial da sua equipe

Resiliência

A resiliência é uma das competências socioemocionais mais valorizadas com as rápidas transformações do Mundo VUCA. Essa habilidade permite encarar a realidade por parâmetros otimistas e estratégicos, além de desenvolver a capacidade de improvisar para superar os obstáculos.

Distante, mas conectado: competências socioemocionais no home office 

A adesão massiva ao home office gerou transformações profundas no mundo do trabalho. Nesse sentido, algumas competências socioemocionais se tornaram mais relevantes do que outras para manter o fluxo de trabalho funcionando de maneira produtiva. Para que você não perca de vista essas soft skills essenciais no trabalho remoto, nós separamos as principais:

Senso de prioridade

Fora do escritório o entendimento sobre o que é mais urgente pode estar fragilizado. Para isso, é importante conhecer as especificidades da sua empresa para compreender o que costuma ser prioridade, ter um bom planejamento de projeto pode te ajudar quando precisa delegar tarefas e organizar a pauta da sua equipe. Mas para não correr nenhum risco de falha de comunicação ou entendimento, você pode adotar um gerenciador de tarefas como o Runrun.it, que oferece o recurso de sinalizar quais demandas são prioritárias e de acompanhamento de prazos, assim todos ficam na mesma página. 

Concentração

Por um lado, muitos profissionais têm relatado menos dificuldade de se concentrar no home office, como indica uma pesquisa realizada por nós do Runrun.it sobre clima organizacional no trabalho remoto, mas outros têm buscado formas de manter a concentração, já que há inúmeras distrações em casa. Esse cenário é o que motiva, inclusive, a adoção ao trabalho híbrido, justamente para que os colaboradores consigam se dedicar com mais afinco às tarefas complexas no escritório.  

Buscar coworkings pode ser uma solução para alcançar essa competência socioemocional, mas você também pode buscar na psicologia positivista algumas dicas para manter o estado de flow, e, consequentemente, a concentração total para extrair todo o seu potencial.

Automotivação

A automotivação é indispensável a todo profissional, mas no home office essa competência socioemocional ganha ainda mais relevância, isso porque sem os rituais de ir até o escritório e conviver com a equipe, as pessoas podem perder a motivação e sua conexão com as funções exercidas e enxergar essa rotina como uma atividade impositiva. Para isso, estabeleça metas e crie uma rotina pré e pós jornada para manter hábitos que o engajam no trabalho.

Software para gestão de tempo e tarefas

Para você e a sua equipe conseguirem desenvolver habilidades de gestão do tempo e capacidade de priorização, a sua empresa pode adotar uma ferramenta em formato SaaS (software as a Service) como o Runrun.it. A plataforma te ajuda a acompanhar e a medir o tempo de execução de cada colaborador pelo tempo necessário para a entrega de uma atividade com qualidade. Assim você pode determinar prazos mais realistas e organizar a pauta da equipe de forma assertiva e alinhada às habilidades técnicas de cada profissional. 

Além disso, com o software de gestão você consegue ter uma visão do todo dos seus projetos em andamento e finalizados por meio de um dashboard personalizável com as métricas mais importantes para você acompanhar de perto o trabalho da equipe e o histórico com as informações de produtividade. Dessa maneira, você consegue ter em uma única tela as informações necessárias para tomar as melhores decisões na hora de priorizar as atividades: http://runrun.it

competências socioemocionais” width=  

Link de estudo citado:

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>