Como o growth hacking te ajuda a crescer para cima e não para os lados?

Como o growth hacking te ajuda a crescer para cima e não para os lados?

Growth hacking é uma estratégia de crescimento rápido e sólido que coloca no mesmo plano de atuação táticas das equipes de desenvolvimento de produto, atendimento e marketing. O conceito foi criado, em 2010, por Sean Ellis, fundador da GrowthHackers, que oferece serviços e cursos na área. O empresário, que já atuava em growth, observou os pontos em comum das empresas mais bem-sucedidas em atração e retenção de clientes.

A análise rendeu insights sobre como o growth hacking pode potencializar a jornada do cliente a partir de uma metodologia estruturada do quê, como, onde e quando o seu negócio pode alcançar pessoas que têm fit com o seu produto. Essa entrega de valor gera engajamento orgânico e sustentável para a imagem da sua marca, sendo justamente esse o diferencial do growth hacking. A cultura de crescimento na perspectiva da estratégia tem começo, meio e manutenção constante para não acabar, ou seja, não é uma proposta de crescer sem se fortalecer. Se você quer saber mais sobre esse tema, acompanhe as dicas do nosso artigo:

 

O que é growth hacking?

Growth hacking é uma estratégia de crescimento sólido, acelerado, com táticas de satisfação plena do cliente. Para isso, o método coloca em atuação as áreas de desenvolvimento de produto, atendimento e marketing para colaborarem juntos na coleta e manuseio de dados, que se transformam em poderosos insights para o seu negócio. 

Um dos principais diferenciais do growth hacking para outras estratégias de crescimento, é que ele está preocupado na qualificação do progresso da sua marca. Isso significa um levantamento de informações multidimensional sobre quem são os seus leads, o que esperam do seu produto ou serviço e como manter os seus clientes satisfeitos com o valor entregue. A partir do momento que a sua empresa compreende o valor que seus consumidores obtêm com o seu produto ou serviço, consegue descobrir a sua North Star Metric, a métrica mais importante do seu negócio que guia as demais.

Nesse sentido, para o growth hacking, as métricas da vaidade (seguidores, por exemplo) têm um peso muito pequeno na análise de engajamento, pois a estratégia se sedimenta no objetivo de alcançar pessoas que têm fit com a marca, cultivando uma relação próspera entre empresa e cliente. Para isso, o método se baseia em um processo de seis elementos.

1 – Hipótese

Antes de tomar decisões, é preciso traçar hipóteses baseadas em um histórico já mapeado sobre como as mudanças podem impactar a jornada de compra ou a experiência dos clientes. Um exemplo é: “Reduzir os campos obrigatórios no formulário de Landing Pages gera um aumento de X% na taxa de conversão”.

Observe que no exemplo há um dado, o que torna o objetivo sólido e facilita você atribuir uma meta para o setor, ao menos para avaliar o desempenho da equipe. Da mesma forma, as hipóteses de growth hacking são focadas em customer experience. Isso é possível já que a automação de processos assumiu tarefas burocráticas e de larga escala, permitindo tempo para desenvolver dinâmicas mais humanizadas em toda a jornada do cliente.

2 – Métricas

Da mesma forma que a hipótese tem um dado para avaliar o desempenho, são métricas transparentes que guiam as decisões. Nesse sentido, se o ponto crítico do growth hacking é a conversão de leads no site, a demanda é transformada em KPI, que gera experimentos e, em seguida, resultados com potencial de atrair mais visitantes qualificados para o site. Growth hacking mira em KPIs porque essa medida torna o objetivo sólido e palpável, facilitando a construção de uma cultura de resultados e tomada de decisão eficiente.

3 – Equipe de growth hacking

As equipes de growth hacking são tanto interdisciplinares como familiarizadas com essas áreas de conhecimento. É cada vez mais comum que os times de growth hacking sejam profissionais de alta performance, para conseguirem colocar em prática a criatividade e a inteligência de dados de maneira sinérgica e assertiva.

Além disso, é importante que a equipe tenha autonomia para tomar decisões, aprovar ferramentas e realizar um experimento para tornar esse processo de gestão de desempenho ágil.

4 – Ferramentas envolvidas

Para manter uma base de informações consistente e atualizada, a área de growth hacking conta com ferramentas como Google Analytics, Google Search Console, Keyword Explorer e SEMrush, essas servem para a análise de SEO, palavras-chave e exame da concorrência. Outras ferramentas essenciais são as de análise de experiência do cliente, com feedbacks em tempo real, e as de redes sociais, como Facebook e Twitter Analytics.

5 – Workflow

O workflow da equipe de growth hacking é bem estruturado para fazer o acompanhamento dos experimentos de teste de hipóteses que estão rodando e analisar constantemente as informações dos canais de comunicação do seu negócio para não perder o timing.

Você pode montar o fluxo de trabalho da sua equipe com o Runrun.it, um gerenciador de tarefas no qual você consegue integrar todos os setores da empresa em uma só plataforma e acompanhar as demandas no modo kanban, lista ou gráfico de Gantt. 

growth hacking
No modo Kanban, você acompanha em uma única tela o que precisa ser feito e em qual etapa a tarefa atribuída está 

>> Leitura recomendada: 8 táticas para a gestão de múltiplos projetos não ser uma dor de cabeça

6 – Acompanhamento

Por fim, há o acompanhamento da equipe sobre os resultados e aprendizados dos experimentos e relatórios coletados. O ideal é que essas reuniões com todos os envolvidos sejam semanais, justamente para realizar mudanças rápidas. Se você quiser saber como melhorar a sua gestão de projetos, veja como a metodologia Scrum pode ser adotada na sua empresa.   

Dicas para aplicar o growth hacking

Muito melhor do que ficar listando táticas é conhecer as dicas do estrategista de marketing e autor de Growth Hacker Marketing (2014) Ryan Holiday para uma boa aplicação do growth hacking. Tendo como base central o pensamento de que “tudo o que traz (e mantém) clientes é marketing”, ele compartilha orientações valiosas e aplicáveis para gestores em diferentes etapas de negócio.

Trata-se de um passo a passo que leva em consideração o conceito de growth hacking desde a criação de um produto até estratégias de retenção de clientes. A ideia geral é simples: trocar o caríssimo “tiro de canhão” do marketing tradicional por ações cirúrgicas, que realmente vão hackear o crescimento para uma empresa. Confira.

1. Desenvolva um produto que as pessoas de fato querem

A regra é básica: “crie um produto tão bom que as pessoas recomendariam aos amigos”.

Holiday sugere que você encontre seu “product market fit”: tenha a ideia, comprove-a checando o interesse verdadeiro do seu consumidor, e depois monte um negócio em torno disso.

Para começar a colocar a ideia em prática, pergunte-se: “Quem são as pessoas que comprariam o meu produto? Quais dados provarão que meu produto entrega valor? Qual a métrica?”

Como exemplo, Holiday cita o Instagram, que começou como um produto completamente diferente – chamado Burbn. Na época, os empreendedores tiveram a iniciativa de fazer uma reformulação focando na característica em que as pessoas realmente estavam interessadas: compartilhar momentos por meio de fotos.

2. Busque os early adopters

O objetivo aqui é o foco. Divulgue o produto primeiro onde seus consumidores estão. Evite aquele “tiro de canhão” – que pode até atingir milhões de pessoas, mas vai “tocar”, de fato, em bem poucos.

Nas palavras do próprio Ryan, é essencial “encontrar seu nicho, um core group que é fascinado pelo que você faz, ter foco e objetivo claro é primordial.”

Um exemplo disso é o Google que, quando inaugurou o Gmail, só aceitava inscrição por indicação. Ou o Mailbox, que criou uma lista de espera para atrair os early adopters e validar seu real interesse.

3. Descubra como viralizar

É sabido que toda viralização tem uma fórmula: você só precisa descobrir qual é a certa para viralizar o seu produto.

Então, a principal pergunta aqui é: qual a mecânica certa para fazer a sua máquina de crescimento girar? Quem são os “evangelizadores” do seu produto? Ou seja, quais clientes estão tão satisfeitos com o seu produto que são, inclusive, fãs da sua marca..

4. Fechando o ciclo: retenção e otimização

Por fim, a mensagem do Ryan é a de que a melhor maneira de reter consumidores é não se distrair com as chamadas métricas de vaidade – ou seja, aquelas que buscam curtidas e compartilhamentos desenfreadamente, sem um foco específico. Em vez disso, concentre esforços no que realmente importa: o aprimoramento constante do produto.

A Zappos, e-commerce de calçados, tornou-se conhecida fazendo exatamente isso. Focada 100% em garantir o melhor atendimento possível ao consumidor, a empresa tem diversos casos emblemáticos, como o atendente que pediu uma pizza para o consumidor e a ligação de call center mais longa da história: oito horas com o mesmo cliente. Tudo para garantir a melhor experiência de atendimento, o que sempre foi visto como o grande diferencial da empresa.

Estratégias de growth hacking

Não adianta ter um produto ou serviço de qualidade se as pessoas não conhecem o valor do seu negócio, principalmente porque os prospects costumam ter o primeiro contato com o discurso da sua marca nas redes sociais e não experimentando para avaliar. Nesse cenário, o growth hacking é um marketing baseado na cultura de dados, que pensa no crescimento inteligente do seu portfólio de clientes para que eles tenham uma boa relação pré e pós-venda e possam fortalecer o boca a boca. Para isso, há várias estratégias de growth hacking.

Marketing autêntico

O growth hacking tenta inovar o marketing do seu negócio, mas não porque ele inventa roda, bem pelo contrário, a equipe aprende a partir dos experimentos, data-driven marketing e feedbacks de clientes em como se comunicar da maneira e hora certas. Isso faz com que você tenha um discurso autêntico, que não replica o que deu certo, mas sim trace uma comunicação eficiente com o seu público.

Nada de achismo, só se trabalha com fatos

A tomada de decisão do growth hacking é baseada em dados transparentes que não coloquem em risco o sucesso do seu negócio. Os experimentos são feitos em períodos curtos para poder aprender com os resultados. Uma das competências essenciais de quem trabalha na área é ser resiliente, porque com as mudanças rápidas se quer muitas vezes entrar na onda, mas nem sempre uma novidade traz o resultado que se espera. Por isso, a equipe precisa centrar suas decisões nos objetivos da empresa.  

Sempre em busca de melhorias

Quem é de growth hacking está sempre buscando eliminar possíveis erros ou desatualizações nas páginas de jornada e conversão, bem como reavaliando conteúdos para melhorar a experiência do cliente. Para isso, é preciso analisar constantemente relatórios de tráfego, se mantendo curioso sobre os motivos de oscilações bruscas, acompanhar os resultados das redes sociais, assim como o que é trend no momento. Além disso, é essencial pesquisar por “hacks” para se manter atualizado e consequentemente tornar o conteúdo do seu blog mais atual.

Feedback dos clientes

Os clientes são fontes valiosas de informações. Por isso, é sempre importante nutrir uma relação sustentável entre cliente e empresa, ou seja, responder aos feedbacks orgânicos, estar disponível para melhorar sua experiência e ser transparente em suas respostas. Esse processo gera uma relação harmoniosa para ajudar na melhoria de um produto ou serviço que o cliente já gosta. 

Brainstorming para organizar as ideias

Como pode ver, o fluxo de informação é intenso na área de growth hacking, isso é ótimo para gerar poderosos insights. Para debater as novas possibilidades, é ideal ter regularmente brainstormings, que ajudam a refletir quando e como aplicar uma mudança. Para organizar os insights da equipe, você pode criar uma atividade específica no Runrun.it para armazenar essas informações em um só lugar, evitando perder algo e deixando a reunião mais objetiva.

Growth tem que saber priorizar 

A equipe de growth hacking tem várias demandas e algumas são mais urgentes do que outras, por isso uma das habilidades dos profissionais é saber priorizar o que é mais importante. Para isso, existem metodologias como o OKR, que guiam as metas da empresa e ajudam o time a ponderar em qual área e métrica devem dar mais atenção. 

Essa tática te auxilia de forma macro, para o dia a dia você pode se basear em uma tabela com a descrição da tarefa, o nível de potencial de conversão dessa atividade – que vai de 1 a 10, quanto maior, mais alto potencial. A importância daquela tarefa para a empresa, com a mesma lógica de valor. A facilidade da mudança, o que significa tempo que você levará para executar a demanda. Por fim, a que tiver a maior nota será a sua prioridade.

O Runrun.it te ajuda nesse processo de priorização por meio timesheet, que te ajuda a medir o tempo investido em cada demanda. Além disso, você tem os comandos de priorização, que servem de referência para os colaboradores organizarem suas pautas.   

growth hacking
Essa organização rápida das tarefas prioritárias deixa a sua pauta mais objetiva e dinâmica

>> Leitura recomendada: Descubra a North Star Metric da sua empresa e cresça de forma sustentável

Framework de growth hacking

Para descomplicar as práticas de growth hacking, a sua empresa pode adotar uma framework de trabalho capaz de estruturar e conectar os processos em passos lineares, sem perder espaço para responder às mudanças de forma flexível e ágil. Uma das estratégias que tem feito parte de equipes relacionadas ao marketing é o agile marketing, que adapta as metodologias do agile para a realidade da área. Inclusive,  é uma das cinco expectativas para o futuro da comunicação, segundo Philip Kotler no livro marketing 5.0.

Para saber mais sobre o agile marketing, que está em ascensão, confira o webinar sobre o tema com o CEO do Runrun.it, Antonio Carlos Soares, é só dar o play:

Organize as ideias

O primeiro passo é estruturar o seu fluxo de informações, consequentemente o de ideais, em um único local, facilitando a compreensão do todo. Como falamos acima, o Runrun.it pode te ajudar a manter arquivos e links na mesma plataforma, caso precise compartilhar com clientes, também é possível com a funcionalidade de usuário convidado, um recurso que cria um ambiente extranet entre a sua empresa e a do cliente ou parceiro. 

As informações podem ser debatidas em weeklys, reuniões semanais focadas na análise de relatórios com toda a equipe e no brainstorming, que encorpa os insights gerados nesses exames. Além dessas reuniões, as metodologias ágeis aconselham que a equipe se encontre em dailys rápidas para organizarem o que foi feito ontem, o que precisa ser feito hoje e se há algum obstáculo. Nesses encontros, o gestor consegue delegar tarefas prioritárias e ajustar a pauta do colaborador rapidamente. Com o Runrun.it, você tem o recurso de indicador de capacidade, que permite saber de maneira simples quanto tempo disponível o colaborador ainda tem no dia e alocar novas demandas.

growth hacking
Ajustes na pauta são corriqueiros, deixe-os mais fáceis com o indicador de capacidade, que mede tempo de disponibilidade da equipe pelo tempo de execução de uma tarefa

Experimentos possíveis

A partir dessa organização sistêmica das informações e insights, você consegue visualizar os experimentos mais assertivos a se fazer. Essas práticas precisam ter unidades de valor numéricas e um tempo pré-estabelecido, essas medidas facilitam analisar se os resultados estão dentro do esperado ou ainda precisam de ajustes.

O experimento no growth hacking nunca é um tiro no escuro, porque ele se baseia em dados para seguir para essa etapa, mas só se tem total certeza se algo funciona ou não, testando. Fernanda Bruno, membro-fundadora da Rede Latino-americana de Estudos em Vigilância, Tecnologia e Sociedade/LAVITS, avalia que as plataformas se tornaram laboratórios de pesquisa, aumentando consideravelmente as nossas fontes de informação para testar hipóteses e as bases de dados. 

Esses períodos de testes são alocados na rotina do colaborador, por isso mesmo é essencial ter uma ferramenta de trabalho como o Runrun.it, que te ajuda a organizar a rotina de maneira assertiva.

Resultados obtidos

Depois de rodar os testes, vêm as análises. Nesse momento, é muito importante manter os olhos abertos para todas informações. Isso porque um teste pode trazer aprendizados sobre outros elementos. Faça um relatório sobre os ensinamentos e resultados obtidos, eles devem ser armazenados para consultas futuras. 

Essas informações são a grande espinha dorsal do growth hacking, pois influenciam em todas as áreas envolvidas com o produto. A partir dos resultados, você pode propor novos experimentos para fazer descobertas para encontrar brechas e oportunidades de crescimento. Mas não esqueça que os dados precisam ser sólidos, isso significa contar com uma quantidade satisfatória, se não o ideal é aplicar o teste novamente.

Próximos passos

Se o experimento deu certo, o próximo passo é aplicá-lo de maneira escalável, repetível e sustentável. Nesse momento, a inteligência humana dá protagonismo para as inteligência artificial e de automação, que passam a incorporar as novas ações. Se os resultados dizem respeito a pontos macro do seu negócio e devem fazer parte das próximas decisões da gestão da empresa, o ideal é fazer uma reunião para explicar as mudanças e deixar todos na mesma página.

Você consegue compartilhar todo o percurso dos testes pelo o Runrun.it com os demais colaboradores. Ao acessarem a tarefa, as equipes que não participaram dos testes podem ler sobre o desenvolvimento arquivado na atividade e conhecer com mais contexto o porquê da decisão. Esse compilamento e compartilhamento fácil das informações com o Runrun.it é importante para as empresas conhecerem em profundidade seu público, moldando assim seus produtos e serviços de acordo com as expectativas de quem os consome, além de mapear suas fortalezas e vulnerabilidades para incrementar a gestão estratégica. Viu como o Runrun.it pode ajudar o dia a dia da sua equipe de Growth Hacking? Para saber mais, crie a sua conta e teste grátis: http://runrun.it.

growth hacking” width=

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>